Em mercados / acoes-e-indices

Cesp dispara 7% com dividendos "gordos" e banco salta 24% com oferta de compra

Acompanhe aqui a atualização dos principais destaques da Bovespa nesta segunda-feira

Eletrobras
(Divulgação/Eletrobras)

11h35: Marfrig (MRFG3, R$ 4,06, +2,01%)
A Marfrig estuda vender as ações da Keystone para se capitalizar, segundo informou O Estado de S. Paulo. Além disso, a companhia informou nesta manhã que concluiu as negociações e celebrou com o Frigorífico Mercosul contrato visando a cessar o arrendamento e transferir a propriedade das plantas industriais localizadas em Capão do Leão (RS), Mato Leitão (RS), Pirenópolis (GO), Tucumã (PA), Nova Londrina (PR) e Alegrete (RS), as quais integram as operações da companhia desde novembro de 2009.

11h33: Sabesp (SBSP3, R$ 16,52, -1,96%)
A Sabesp optou por cortar o programa que prevê um bônus de até 30% na conta de água de quem economizar água em seis cidades do interior de São Paulo: Hortolândia, Itatiba, Jarinu, Monte Mor, Morungaba e Paulínia. Segundo comunicado da empresa, a decisão foi tomada tendo em vista a situação hidrológica favorável da bacia do rio Piracicaba. 

11h30: Embraer (EMBR3, R$ 25,26, +3,74%)
A Embraer anunciou hoje que recebeu um pedido firme de 17 E-Jets do Grupo Air France-KLM, com valor estimado de US$ 764 milhões com base em preços de lista, segundo comunicado da empresa. O contrato, que inclui opções para 17 E-Jets adicionais, pode chegar a R$ 1,5 bilhão se todas as opções forem exercidas. "Além de expressivo, entendemos que o pedido anunciado tende a sinalizar uma melhora no perfil de entregas em relação ao registrado no último trimestre do ano, quando o pior mix de jatos executivos ditou o viés consolidado negativo", comentaram os analistas da Concórdia. 

11h28: Eletrobras (ELET3, R$ 5,53, +1,10%; ELET6, R$ 7,15, +0,42%)
Após chegar a cair mais de 5%, no caso das preferenciais, as ações da Eletrobras viraram para alta nesta segunda-feira. A empresa reduziu o prejuízo no quarto trimestre para R$ 1,174 bilhão, ante R$ 5,4 bilhões no mesmo período do ano anterior, informou a companhia na noite de sexta-feira. A receita operacional líquida da empresa teve crescimento de 64,3% na comparação anual, para R$ 9,781 bilhões, com as receitas da Celg D, cuja aquisição do controle acionário foi aprovada por acionistas em setembro. Desconsiderando esse efeito, a receita operacional líquida foi de R$ 8,522 bilhões de outubro a dezembro do ano passado. Segundo o Santander, o resultado melhor no mercado spot (à vista) foi ofuscado por provisões maiores, impairments e resultados da unidade Madeira. 

11h12: Cesp (CESP6, R$ 24,01, +6,52%)
O prejuízo de R$ 1,15 bilhões da Cesp no quarto trimestre não assustou, dado o anúncio de dividendos acima do esperado que serão distribuídos pela companhia, disse o Santander. A proposta da companhia é pagamento de dividendos de R$ 1,773 bilhão em 2014, sendo R$ 193 milhões já pagos como juros sobre o capital próprio. No mesmo período de 2013, a Cesp divulgou prejuízo de R$ 990,6 milhões. Ebitda (sigla em inglês para lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado foi de R$ 729,3 milhões entre outubro e dezembro, queda de 8,4% na comparação anual.

11h04: BicBanco (BICB4, R$ 7,28, +24,02%)
O China Construction Bank e os ex-controladores do banco ainda estão discutindo solução para o preço de compra, informou a Bloomberg. Para seguir com o registro da OPA (Oferta Pública de Aquisição) unificada, a CCB Holding propõe aos acionistas duas opções de pagamento: 1ª) pagamento à vista de R$ 6,6763 por ação, atualizada com a variação média diária da Selic, e o mesmo direito de receber pagamentos adicionais nos mesmos montantes que vierem a ser pagos aos vendedores; 2ª) um único pagamento à vista de R$ 7,30 por ação, atualizado de acordo com a variação média diária da Selic.

11h04: Vale (VALE3, R$ 18,24, -0,60%; VALE5, R$ 15,92, -0,31%)
O minério de ferro, principal produto da Vale, inicia a semana com queda de 2,2%, cotado a US$ 52,90 a tonelada no mercado à vista chinês. No ano, a queda acumulada chega a 25,7%. Acompanham o movimento negativo, as ações da Bradespar (BRAP4, R$ 10,79, +0,37%), holding que detém participação na Vale.  

10h55: Operação Zelotes
Além do banco Safra e uma empresa do grupo Gerdau (GGBR4, R$ 10,18, +2,41%), vários outros grandes grupos estão sendo investigados por suspeita de negociar ou pagar propina para apagar débitos com a Receita Federal no Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais), segundo informações do jornal O Estado de S. Paulo deste sábado (28). Dentre eles, os bancos Bradesco (BBDC3, R$ 0,90, +0,90%; BBDC4, R$ 28,79, +0,66%), Santander (SANB11, R$ 13,95, +1,82%), Pactual e Bank Boston, as montadoras Ford e Mitsubishi, além da gigante da alimentação BR Foods (BRFS3, R$ 62,84, -0,70%). Também aparecem como investigadas na Operação Zelotes a Petrobras, Camargo Corrêa e a Light (LIGT3, R$ 13,90, -1,07%). 

Na sexta-feira, as ações da Gerdau (-9,32%) e Metalúrgica Gerdau (-9,13%) desabaram com a notícia de envolvimento no esquema de corrupção. 

10h40: BR Insurance (BRIN3, R$ 2,10, -15,32%)
As ações da BR Insurance desabam após balanço do quarto trimestre. A companhia reverteu lucro líquido de R$ 18,682 milhões no quarto trimestre de 2013 para prejuízo líquido de R$ 6,802 milhões no mesmo período deste ano. A receita líquida caiu 10,8% no trimestre, para R$ 55,068 milhões. 

10h30: Celesc (CLSC4, R$ 18,00, +33,93%)
A estatal elétrica de Santa Catarina Celesc registrou lucro líquido de R$ 513,1 milhões ano passado, crescimento de 158% na comparação com 2013, segundo dados divulgados na noite de sexta-feira. No ano, a receita operacional líquida da companhia avançou 28,2%, para R$ 6,25 bilhões. 

10h25: Prumo (PRML3, R$ 0,28, +7,69%)
O Itaú tornou-se novo acionista minoritário da Prumo Logística, antiga LLX. O banco executou as ações dadas em garantia por Eike Batista, fundador e antigo controlador da companhia, passando a deter 6,43% do capital da empresa, que tem como ativo o Porto do Açu, no Rio de Janeiro. A participação de Eike foi reduzida para 0,26%.  

10h12: BHG (BHGR3, R$ 18,65, +0,38%)
O leilão da OPA (Oferta Pública de Aquisição) de ações da companhia foi marcado para dia 30 de abril, a partir das 16h (horário de Brasília). O preço a ser pago será de R$ 19 por ação. A OPA da BHG tem como objetivo o cancelamento do registro de companhia aberta da companhia e, consequentemente, a saída da mesma do segmento especial de negociação do Novo Mercado da BM&FBovespa.

10h09: Dufry (DAGB33, R$ 495,02, +8,56%)
A suíça Dufry acertou a compra de uma participação majoritária na italiana World Duty Free, em um acordo que cria a maior empresa de duty free do mundo e avalia o grupo italiano em torno de 3,5 bilhões de euros. A holding que controla a World Duty Free, de propriedade da família Benetton, informou no sábado que estava vendendo sua participação de 50,1% no grupo para a Dufry por 10,25 euros por ação. A World Duty Free tem dívidas de cerca de 900 milhões de euros. A Dufry vai realizar um aumento de capital para financiar parcialmente a compra e vai lançar uma oferta de aquisição - que é obrigatória pela lei italiana - por todas as ações restantes da World Duty Free. 

 

Contato