Em mercados / acoes-e-indices

Após abrir estável, Ibovespa ganha forças à espera de anúncio de Marina e da ata do Fomc

Após três fortes altas, Ibovespa registra ganhos, repercutindo cenário eleitoral e EUA; Petrobras e elétricas têm alta

ações
(Bloomberg)

SÃO PAULO - O Ibovespa, que abriu praticamente estável, ganha forças na sessão desta quarta-feira, de olho no cenário eleitoral. Às 11h11 (horário de Brasília), o índice registrava ganhos de 0,72%, a 58.899 pontos. O mercado espera pelo anúncio da candidatura de Marina Silva na chapa do PSB hoje à tarde e também fica atento à Ata da última reunião do Fomc (Federal Open Market Committee), nos EUA, que deve sinalizar mudanças na política monetária. Elétricas e Petrobras têm fortes ganhos e impulsionam o índice. 

No Brasil, o deputado Beto Albuquerque (PSB-RS) confirmou que será vice de Marina Silva na chapa do partido à Presidência da República, que será oficializada hoje e disse, no Recife, que Marina, ao substituir Eduardo Campos na corrida ao Palácio do Planalto, não fará o que ela quer, mas o que o Brasil precisa. Ele, que recebeu ontem durante o dia o apoio de Renata Campos, viúva do ex-governador de Pernambuco para compor a chapa ao lado de Marina, disse que representará a legenda nos estados em que Marina não concordar com as alianças. A expectativa é de que, com Marina, o segundo turno será mais provável e a reeleição de Dilma seja menos certa. 

No cenário econômico nacional, destaque para o IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que mostrou avanço 0,14%, ante alta de 0,17% vista em julho. Segundo projeções da LCA Consultores, a mediana das projeções compiladas apontava para inflação de 0,24% no período.

No acumulado em 12 meses, o índice registra alta de 6,49%, valor levemente abaixo do teto da meta estipulado pelo governo, de 6,5% - o centro da meta para o ano é de 4,5%, com limite de oscilação de 2 pontos percentuais para cima e para baixo. No acumuçado em 2014, o IPCA mostra inflação de 4,17%.

Já no noticiário corporativo, destaque para a Vale (VALE3VALE5), que concluiu a transferência de 26,5% do capital total da empresa de logística VLI para o fundo de investimentos Brookfield Asset Management, por R$ 2 bilhões. Como resultado da conclusão da transação, a companhia detém agora 37,6% do capital total do VLI. A transação foi anunciada em 23 de dezembro do ano passado. A Vale registra leves ganhos. 

A Petrobras (PETR3PETR4) volta a registrar expressivos ganhos de mais de 1%, seguindo as três fortes altas tendo como vetor o cenário eleitoral. No noticiário corporativo, a companhia recebeu mais três multas da ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustível) por irregularidades e descumprimento das normas regulatórias de suas operações. As novas autuações somam R$ 11,7 milhões. Ao todo, desde julho, a estatal já recebeu cerca de R$ 80 milhões em multas da agência por problemas em suas unidades. 

Em destaque, estão as ações da Sabesp (SBSP3), que teve a recomendação rebaixada de neutro para venda pelo analista Michael Gaugler, da Brean Capital. Apesar disso, as ações da companhia têm os maiores ganhos da sessão, ainda que tímidos, de cerca de 2%. As elétricas também registram forte alta e impulsionam o índice.

Já entre as maiores baixas, destaque para a MMX Mineração (MMXM3). MMX divulgou um comunicado negando que deva pedir recuperação judicial até o fim do mês. Ontem a companhia apresentou forte queda impactado pela notícia e em função da potencial exclusão dos ativos do Ibovespa com o rebalanceamento. 

As maiores altas, dentre as ações que compõem o Índice Bovespa, são:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia
 NATU3 NATURA ON 41,46 +3,42
 TBLE3 TRACTEBEL ON 38,75 +3,33
 ELPL4 ELETROPAULO PN N2 10,63 +2,90
 CESP6 CESP PNB EJ 29,70 +1,99
 SBSP3 SABESP ON 20,85 +1,96



As maiores baixas, dentre os papéis que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia
 MMXM3 MMX MINER ON 1,04 -1,89
 MRVE3 MRV ON 8,03 -0,62
 ALLL3 ALL AMER LAT ON 8,10 -0,61
 LREN3 LOJAS RENNER ON 70,28 -0,57
 CIEL3 CIELO ON 43,35 -0,55


De olho no Fed

Os principais índices acionários têm direções opostas, após subirem nos últimos dias com alívio nas tensões geopolíticas. Nesta sessão, agenda cheia deve movimentar mercado externo e doméstico.

No cenário externo, as bolsas europeias registram queda, reagindo a ata da última reunião de política monetário do BoE (Bank Of England), na qual mostrou que os diretores do banco queriam uma alta dos juros ainda este mês. Já as bolsas asiáticas fecharam sem direção única, com investidores aguardando a divulgação do PMI, que pode mostrar um recuo. 

Investidores seguem à espera da divulgação ata do Fed (Federal Reserve) na tarde desta quarta-feira. 

 

Contato