Em mercados / acoes-e-indices

Petrobras cai 4% após Ibope, Vale sobe e 8 empresas reagem aos resultados; confira

Ações da Vale reagem aos dados de importações do minério de ferro na China; Cetip e BM&FBpovespa caem

Estácio - Fachada - Campus Tom Jobim
(Divulgação Estácio)

SÃO PAULO - Em uma sexta-feira movimentada e de perdas para o Ibovespa, o grande destaque do dia fica com a queda nas ações das estatais, principalmente da Petrobras (PETR3, R$ 18,13, -3,56%; PETR4, R$ 19,38, -3,82%), e dos bancos Bradesco (BBDC4, R$ 33,96, -2,27%) e Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 34,60, -2,48%), que reagem a pesquisa eleitoral Ibope, divulgada na última quinta-feira (7). 

O mercado reage também aos 15 resultados divulgados entre o fechamento de ontem e esta manhã. Dentre as companhias que publicaram o resultado, chama a atenção dos investidores a Estácio (ESTC3, R$ 27,73, -6,16%), maior queda do Ibovespa, apesar dos bons números operacionais.

Contrariando o movimento de queda do índice, aparecem os papéis da Marfrig (MRFG3, R$ 6,70, +3,40%), única entre os frigoríficos que sobe após a Rússia aumentar as importações de carnes brasileiras. Já a blue chip Vale (VALE3, R$ 31,74, +0,44%; VALE5, R$ 28,29, +0,68%) sobe neste pregão, reagindo aos bons dados de minério de ferro na China, divulgados hoje.

Confira os principais destaques da Bolsa: 

Estatais e bancos
As ações das estatais Petrobras (PETR3, R$ 18,13, -3,56%; PETR4, R$ 19,38, --3,82%), Banco do Brasil (BBAS3, R$ 27,24, -2,58%) e Eletrobras (ELET3, R$ 6,47, -0,31%; ELET6, R$ 10,74, -1,01%) e dos bancos privados Bradesco (BBDC4, R$ 33,96, -2,27%) e Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 34,60, -2,48%) abrem em queda após a pesquisa eleitoral Ibope, divulgada na última quinta-feira.

A pesquisa mostrou que Dilma Rousseff (PT) se manteve com 38% dos votos, Aécio Neves (PSDB) subiu apenas 1 ponto percentual, para 23%, e Eduardo Campos (PSB) teve 9%. Em caso de segundo turno, a presidente se consagraria enfrentando os seus dois principais opositores, em um cenário praticamente estável em relação à pesquisa anterior.

Desde março, estes dois grupos de empresas foram as que mais reagiram a novidades no campo eleitoral.

Ainda no caso da Petrobras, está no radar a divulgação do resultado do segundo trimestre, programada para hoje após o fechamento do pregão. Analistas da Ágora Corretora estimam lucro líquido de R$ 6,48 bilhões, enquanto a equipe do Credit Suisse se mostra mais cético e projeta R$ 5,8 bilhões. 

Vale (VALE3, R$ 31,74, +0,44%; VALE5, R$ 28,29, +0,68%)
As ações da Vale operam em alta ao longo de todo o pregão desta sexta-feira, impulsionadas por dados da China - principal destino das exportações da mineradora. As importações chinesas de minério de ferro saltaram quase 11% em julho sobre junho, com compradores tirando vantagem de preços mais baixos para o insumo siderúrgico e armazenando o produto, apesar da fraca demanda doméstica da indústria siderúrgica. A China é responsável pela compra de cerca de dois terços de todo o minério negociado no mundo. 

Estácio (ESTC3, R$ 27,73, -6,16%)
As ações da Estácio caem mais de 4% neste pregão, mesmo após os resultados do 2º trimestre terem mostrado forte crescimento no lucro e a notícia de uma nova aquisição no mercado de educação. Segundo fato relevante divulgado ontem a noite, a companhia anunciou a compra no valor de R$ 48 milhões do UNICEL (Centro de Assistência ao Desenvolvimento de Formação Profissional Unicel), mantenedor da Faculdade Literatus, em Manaus (AM).

Além da aquisição, a Estácio divulgou o resultado do sugundo trimestre, no qual reportou lucro líquido 84,2% maior em relação ao segundo trimestre de 2013, somando R$ 86,0 milhões. Para a equipe de análise da XP Investimentos, apesar do resultado vir em linha com as expectativas de mercado, a empresa vem mostrando consistência no forte crescimento de base de alunos e ganho de margem.

"Mesmo com pequenos ajustes para serem feitos, a perspectiva geral do case se mantém muito boa, principalmente com a integração da UniSEB que deve gerar frutos ainda no curto e médio prazo", completou a corretora.

Time For Fun (SHOW3, R$ 4,98, -2,35%)
A Time For Fun viu seu lucro líquido de R$ 10,9 milhões registrados no segundo trimestre de 2013 virar um prejuízo líquido de R$ 419 mil entre abril e junho deste ano. Apesar disso, a receita da companhia saltou 55%, passando de R$ 142,7 milhões para R$ 221,2 milhões.

A queda de 50% no lucro líquido, passando de R$ 43,6 milhões para R$ 21,9 milhões, se deu por conta principalmente: ao resultado negativo nas apresentações do espetáculo Corteo em Porto Alegre; e ao reconhecimento em trimestres anteriores das receitas de taxa de conveniência e patrocínios dos conteúdos realizados neste trimestre, sem a contrapartida de novas aberturas de vendas equivalentes no segundo trimestre. "Por outro lado, todos os custos referentes à promoção do conteúdo são contabilizados no trimestre de sua realização", disse a empresa.

Em teleconferências de resultados, Fernando Alterio, presidente da empresa, disse que o cenário está mais desafiador e prevê dificuldades para cumprir o guidance de 2014. Além disso, Alterio falou que continuará reduzindo os custos da companhia.

Cetip (CTIP3, R$ 30,42, -0,78%)
A Cetip anunciou um lucro líquido de R$ 99,5 milhões no segundo trimestre, alta de 9,1% ante mesma etapa de 2013. A previsão média de cinco analistas consultados pela Reuters apontava para lucro de R$ 106 milhões no período. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, na sigla em inglês) ajustado foi de R$ 172,1 milhões, avanço de 2,9% na comparação anual. A média das previsões de analistas para esta linha era de R$ 168 milhões.

Segundo a equipe de análise da XP Investimentos, apesar da performance extraordinária em termos de valorização, a instituição sofreu ligeira redução de seu ritmo de crescimento. "Apesar disso o grupo continua com perspectiva atrativa, em meio ao processo de redução de seu nível de endividamento, elevação da possibilidade de pagamento de proventos e modelo operacional mais favorável", concluiu a corretora.

BM&FBovespa (BVMF3, R$ 11,97, -1,56%)
A BM&FBovespa divulgou resultado do 2º trimestre, mostrando queda em todas as suas linhas de negócios - reflexo do mau momento do mercado brasileiro. No entanto, os papéis vinham de queda nos últimos dias - tendo caído 2,79% na véspera -, sinalizando que os investidores anteciparam esses números fracos. 

A apatia do mercado doméstico de capitais e a ausência de novas listagens na Bovespa fizeram o lucro da companhia cair 28,7% no segundo trimestre, indo para R$ 250,1 milhões. Para a equipe da XP Investimentos, realmente houve um retrocesso em todas as principais fontes de receita da instituição, porém isso já era esperado pelo mercado. Além disso, a corretora acredita que o ativo é considerado uma boa oportunidade de compra para geração de valor no médio e longo prazos.

A administradora da bolsa brasileira fez uma coletiva com os jornalistas nesta manhã na sede da empresa, no centro de São Paulo. Confira os principais destaques da teleconferência clicando aqui.

Marfrig (MRFG3, R$ 6,70, +3,40%
A Marfrig foi autorizada a exportar para a Rússia, informou a Abiec (Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes). O governo russo anunciou na quarta-feira que permitirá um aumento significativo das vendas de carne e laticínios do Brasil, depois dos embargos impostos aos produtos dos Estados Unidos e União Europeia pela Rússia, em meio à crise da Ucrânia.

O Brasil é o maior exportador de carne bovina do mundo, atrás dos Estados Unidos. 

As outras empresas do setor que também foram autorizadas não seguem o mesmo movimento: JBS (JBSS3, R$ 8,72, -1,91%) e BRF (BRFS3, R$ 56,47, -1,83%) marcam queda, enquanto a Minerva (BEEF3, R$ 12,10, -1,94%) virou para alta após operar no negativo. Em relatório, a equipe do BTG Pactual disse considerar a BRF como a principal beneficiada com o embargo russo a produtos de EUA, União Europeia, Austrália, Canadá e Noruega.

Ecorodovias (ECOR3, R$ 13,69, -3,01%)
A Ecordovias reportou uma queda de 40% no lucro líquido neste segundo trimestre na comparação anual. A empresa teve lucro de R$ 52,3 milhões no período, frente aos R$ 87,1 milhões do segundo trimestre do ano passado. O número veio aquém da expectativa do mercado, cuja média apontava para um lucro líquido de R$ 68,9 milhões. 

Segundo a equipe de análise da XP Investimentos, a empresa teve uma queda de receita puxada por Ecoporto e Elog, enquanto que o segmento de concessões performou abaixo de esperado. "As perspectivas para o curto prazo da empresa estão bem difíceis, com atividade econômica desacelerando e a maior concorrência no porto de Santos continua", completa a corretora.

Marisa (AMAR3, R$ 17,32, +2,49%)
A Marisa viu seu lucro líquido recuar 69,4% no segundo trimestre deste ano, indo para R$ 11,8 milhões. A receita líquida da varejista atingiu R$ 812,5 milhões, ante R$ 744,6 milhões no mesmo trimestre de 2013, representando um crescimento de 9,1%.

O Ebitda da Marisa no segundo trimestre deste ano foi de R$ 100,606 milhões, em baixa de 17,9% na mesma base de comparação. As despesas operacionais registraram R$ 311,706 milhões no segundo trimestre deste ano, ante R$ 279,763 milhões no segundo trimestre de 2013. 

Nesta sexta-feira, as ações da Marisa foram rebaixadas de "neutra" para "venda" pelo BTG Pactual. 

Fertilizantes Heringer (FHER3, R$ 8,26, -3,73%)
A Fertilizantes Heringer registrou prejuízo líquido de R$ 2,6 milhões no segundo trimestre deste ano, ante um resultado negativo de R$ 63,9 milhões no mesmo trimestre do ano passado.

Entre abril e junho, a receita líquida da companhia subiu 25,7% e atingiu R$ 1,1 bilhão. O volume de fertilizantes entregues pela empresa foi de 1 milhão de toneladas, aumento de 29% sobre o mesmo trimestre de 2013. O volume entregue de produtos especiais no segundo trimestre cresceu 8,7% na mesma base de comparação.   

CSU CardSystem (CARD3, R$ 3,08, +4,41%)
A CSU também divulgou seus resultados para o segundo trimestre na quinta após o fechamento do mercado. O balanço revelou lucro líquido foi de R$ 3,1 milhões neste trimestre, saltando incríveis 499,2% na comparação com o mesmo trimestre do ano passado. O Ebitda também reportou expansão na comparação com o mesmo período de 2013, apresentando alta de 46%, a R$ 14,1 milhões. De acordo com o comunicado da empresa, os resultados ainda revelam que a receita líquida expandiu 7,2%, indo de R$ 89 milhões, para R$ 95,4 milhões.

Via Varejo (VVAR3, R$ 7,10, -0,14%)
As units da Via Varejo registram queda na sessão desta sexta-feira (8), em meio à notícia da colunista do Estado de S. Paulo, Sonia Racy, de que Michael Klein pode vender fatia da companhia. A Via Varejo controla o Ponto Frio e a Casas Bahia. 

Segundo Racy, Michael Kein estaria conversando com vários bancos sobre uma potencial venda de suas ações, com o bloco de vendas sendo de um pouco mais de R$ 3 bilhões em ações. 

 

Contato