Em mercados / acoes-e-indices

BM&FBovespa vê lucro cair quase 30% e Marisa recuar 70%; veja mais 13 resultados

Aproveitando o anúncio de seu balanço, a Estácio também informou sua mais nova aquisição; Time For Fun tem recorde de público mas vê seu lucro de R$ 10 milhões virar prejuízo

Estácio 01 - Fachada
(Divulgação Estácio)

SÃO PAULO - A temporada de balanços corportivos segue movimentada. Na noite de ontem, 15 empresas divulgaram seus números, enquanto para esta sexta-feira (8) o grande expectativa fica com o resultado da Petrobras (PETR3; PETR4), que será revelado após o fechamento do pregão. 

Entre os destaques, a BM&FBovespa (BVMF3) viu seu lucro cair 28,7% ante igual etapa de 2013, para R$ 250,1 milhões, em meio a apatia do mercado doméstico de capitais e a ausência de novas listagens no mercado acionário. O número veio quase em linha com a previsão média de sete analistas consultados pela Reuters, que apontava que a companhia teria lucro de R$ 249 milhões no período.

O movimento foi menor tanto no segmento Bovespa - queda anual de 22,8% na receita bruta-- quanto no BM&F, declínio de 27,9% na mesma comparação. Juntos, os dois braços respondem quase 80% da receita da empresa. De abril a junho, o volume médio diário negociado na Bovespa foi 18,7% inferior ao de igual período do ano anterior, a R$ 6,74 bilhões, refletindo uma combinação de menores volumes de negócios e ausência de novas listagens. A BM&FBovespa faz hoje às 9h (horário de Brasília) sua teleconferência sobre os resultados. O InfoMoney fará a transmissão ao vivo, fique de olho. 

Cetip
A Cetip (CTIP3), maior central depositária de títulos privados da América Latina, anunciou nesta quinta-feira lucro líquido de R$ 99,47 milhões no segundo trimestre, alta de 9,1% ante mesma etapa de 2013. A previsão média de cinco analistas consultados pela Reuters apontava para lucro de R$ 106 milhões no período. 

O resultado operacional medido pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, na sigla em inglês) ajustado foi de R$ 172,1 milhões, avanço de 2,9% na comparação anual. A média das previsões de analistas para esta linha era de R$ 168 milhões.

Marisa
A Marisa (AMAR3) viu seu lucro líquido recuar 69,4% no segundo trimestre deste ano, indo para R$ 11,8 milhões. A receita líquida da varejista atingiu R$ 812,5 milhões, ante R$ 744,6 milhões no mesmo trimestre de 2013, representando um crescimento de 9,1%.

O Ebitda da Marisa no segundo trimestre deste ano foi de R$ 100,606 milhões, em baixa de 17,9% na mesma base de comparação. As despesas operacionais registraram R$ 311,706 milhões no segundo trimestre deste ano, ante R$ 279,763 milhões no segundo trimestre de 2013.

Alupar
A Alupar (ALUP11) encerrou o segundo trimestre de 2014 com receita líquida ajustada de R$ 285,1 milhões, crescimento de 6,8% na comparação com o mesmo trimestre de 2013. O lucro líquido ficou em R$ 47,8 milhões, queda de 1,2% na mesma base de comparação. 

No período, o Ebitda totalizou R$ 232,6 milhões, configurando uma alta de 4,5%, enquanto a margem Ebitda caiu de 83,3% para 81,6% no segundo trimestre deste ano.

Fertilizantes Heringer
A Fertilizantes Heringer (FHER3), uma das maiores empresas do setor no País, registrou prejuízo líquido de R$ 2,6 milhões no segundo trimestre deste ano, ante um resultado negativo de R$ 63,9 milhões no mesmo trimestre do ano passado.

Entre abril e junho, a receita líquida da companhia subiu 25,7% e atingiu R$ 1,1 bilhão. O volume de fertilizantes entregues pela empresa foi de 1 milhão de toneladas, aumento de 29% sobre o mesmo trimestre de 2013. O volume entregue de produtos especiais no segundo trimestre cresceu 8,7% na mesma base de comparação.   

Estácio
A Estácio Participações (ESTC3) divulgou seu balanço para o segundo trimestre e aproveitou o bom momento para anunciar sua mais nova aquisição. De acordo com o comunicado da empresa, o lucro líquido reportou um aumento de 84,2% em relação ao segundo trimestre trimestre de 2013, somando R$ 86,0 milhões. 

Já o Ebitda (Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) atingiu R$ 106 milhões no trimestre, representando um crescimento 59,2% ao mesmo trimestre do ano passado. A receita líquida da companhia subiu de R$ 443,6 milhões para R$ 589,1 milhões, um salto de 32,8% na comparação com o mesmo período. 

Além dos resultados, a companhia também anunciou a aquisição do UNICEL (Centro de Assistência ao Desenvolvimento de Formação Profissional Unicel), que por sua vez é mantenedor da Faculdade Literatus, em Manaus, Amazonas. O comunicado ressalta que a aquisição não incluiu a compra de imóveis. O valor do investimento foi de R$ 48 milhões, a ser pago parte em recursos financeiros e parte por meio de assunção de dívidas e obrigações.

Time For Fun
A empresa organizadora de shows e espetáculos, a Time For Fun (SHOW3) viu seu lucro líquido de R$ 10,9 milhões registrados no segundo trimestre de 2013 virar um prejuízo líquido de R$ 419 mil entre abril e junho deste ano. Apesar disso, a receita da companhia saltou 55%, passando de R$ 142,7 milhões para R$ 221,2 milhões.

A queda de 50% no lucro líquido, passando de R$ 43,6 milhões para R$ 21,9 milhões, se deu por conta principalmente: ao resultado negativo nas apresentações do espetáculo Corteo em Porto Alegre; e ao reconhecimento em trimestres anteriores das receitas de taxa de conveniência e patrocínios dos conteúdos realizados neste trimestre, sem a contrapartida de novas aberturas de vendas equivalentes no segundo trimestre. "Por outro lado, todos os custos referentes à promoção do conteúdo são contabilizados no trimestre de sua realização", disse a empresa.

Segundo a companhia, no período foram realizados 319 eventos de música ao vivo, teatro e espetáculos familiares, com 1,04 milhão ingressos vendidos, o que representa um recorde de público para um único trimestre, ficando 83% acima ao segundo trimestre de 2013. Em música ao vivo, foram realizados 83 shows com 703 mil ingressos vendidos, representando crescimento de 84% e 450%, respectivamente, em relação ao mesmo período de 2013. Já em família e teatro, o número de eventos recuou 10% e o público pagante 23% em relação. 

Raia Drogasil
A Raia Drogasil (RADL3) apresentou lucro líquido de R$ 73,8 milhões no segundo trimestre de 2014, um aumento de 26% na comparação com o mesmo período do ano passado, quando apresentou lucro líquido de R$ 58,6 milhões.

O Ebitda também apresentou expansão, tendo um incremento de 26,9% nos R$ 103,5 milhões apresentados no segundo trimestre do ano passado, atingindo neste ano o patamar de R$ 131,3 milhões. De acordo com o comunicado, a companhia ainda revela que seu fluxo de caixa ficou no positivo em R$ 51,5 milhões.

Ecorodovias
O lucro líquido da concessionária de rodovias Ecorodovias (ECOR3) teve queda de 40% no segundo trimestre na comparação anual, derrubado por aumento de custos. 
A empresa teve lucro líquido de R$ 52,3 milhões no período, frente aos R$ 87,1 milhões do segundo trimestre do ano passado. A média das estimativas de analistas apontava para lucro líquido de R$ 68,9 milhões. 

O lucro líquido comparável - que exclui a venda da totalidade da participação da empresa de serviços de cobrança de pedágios STP, além do resultado da STP e o resultado da rodovia ECO101-, foi de R$ 56,7 milhões, queda de 33,6% frente mesmo trimestre de 2013.

Arteris
A empresa de concessões rodoviárias Arteris (ARTR3) informou que seu lucro líquido no segundo trimestre caiu 14% na comparação anual, para R$ 91,9 milhões, apesar do aumento de quase 20% na receita operacional. O resultado foi pressionado pelo aumento de 18,5% na linha de depreciações e amortizações, a R$ 12,6 milhões, e pelo resultado financeiro negativo de R$ 81,9 milhões, ante resultado negativo de R$ 4,6 milhões um ano antes.

A receita operacional líquida da companhia subiu 18,9% ano a ano, a R$ 945,8 milhões. O tráfego de veículos equivalentes caiu 1,1%, para 174 milhões de veículos, e a receita de pedágio foi de R$ 581,4 milhões, avanço de 4,1%. A Arteris encerrou o segundo trimestre com Ebitda de R$ 299,4 milhões, 3% superior ao registrado no segundo trimestre de 2013.

Randon
A Randon (RAPT4) teve lucro líquido de R$ 67,410 milhões no segundo trimestre, queda de 2,2% na comparação com o mesmo período do ano passado. O Ebitda chegou a R$ 140,74 milhões, o que representa uma queda de 6,8% na comparação anual, com margem de 13,9%, 0,4 ponto porcentual abaixo da registrada de abril a junho de 2013.

A receita líquida consolidada foi de R$ 1,014 bilhão, recuo de 4,2% na comparação anual. O resultado financeiro no trimestre foi negativo em R$ 11,208 milhões, ante R$ 2,351 milhões negativos de abril a junho do ano passado.

CSU CardSystem
A CSU (CARD3) também divulgou seus resultados para o segundo trimestre nesta quinta após o fechamento do mercado. O balanço revelou lucro líquido foi de R$ 3,1 milhões neste trimestre, saltando incríveis 499,2% na comparação com o mesmo trimestre do ano passado. O Ebitda também reportou expansão na comparação com o mesmo período de 2013, apresentando alta de 46%, a R$ 14,1 milhões. De acordo com o comunicado da empresa, os resultados ainda revelam que a receita líquida expandiu 7,2%, indo de R$ 89 milhões, para R$ 95,4 milhões.

Linx
A Linx, companhia brasileira de tecnologia para varejo, viu seu lucro líquido aumentar 6% no segundo trimestre ante o mesmo período de 2013, indo para R$ 14,9 milhões. 
Em termos de receita, a companhia teve um desempenho acima do estimado pelas duas casas: R$ 89,95 milhões, um avanço de 21%.

As receitas originadas de contratos de longo prazo, as chamadas receitas recorrentes, tiveram um avanço de 23,6% sobre o 2º trimestre de 2013, para R$ 80,1 milhões, passando a representar 79,6% da receita líquida da companhia. 

Junto com a divulgação dos resultados, a companhia comunicou o pagamento de R$ 14,55 milhões em juros sobre capital próprio, correspondente a R$ 0,31 por ação. Os acionistas detentores do papel no dia 19 de agosto receberão os proventos no dia 19 de agosto.

Tupy
A Tupy (TUPY3) encerrou o segundo trimestre com lucro líquido de R$ 23,3 milhões, crescimento de 120,4% na comparação com o mesmo período do ano passado. A receita líquida somou R$ 758,5 milhões entre abril e junho, queda de 4,9%. 

Segundo a empresa, a queda na receita deve-se ao desempenho dos volumes vendidos. As receitas provenientes do mercado interno recuaram 25,5%, sendo apenas parcialmente compensadas por crescimento de 6,1% nas receitas do mercado externo. Durante o trimestre, a América do Norte foi responsável por 52,3% das receitas da Tupy, enquanto América do Sul e Central ficaram com 28,8%. A Europa respondeu por 14,4% das receitas e os restantes 4,5% foram provenientes da Ásia, África e Oceania.  

Guararapes
A Guararapes (GUAR4), controladora da varejista Riachuelo, registrou lucro líquido de R$ 124,5 milhões no segundo trimestre, alta de 33,8% em comparação com o mesmo intervalo do ano passado. O resultado da companhia foi favorecido pela melhoria na gestão das despesas administrativas.

Já a receita da companhia teve um crescimento de 18,7%, para R$ 1,125 bilhão. As vendas no critério ''mesmas lojas'' tiveram um desempenho mais fraco, com expansão de 2,4%. A margem bruta se manteve estável, atingindo 55,5% no segundo trimestre. 

(Com Reuters)

 

Contato