Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa registra queda com correção de Petrobras e de olho nos EUA e resultados

Na maior economia do mundo, serão divulgados dados de produção industrial enquanto, no Brasil, mercado repercute balanço de Cyrela, Rossi, MRV, Gol, Oi e JBS; revisão do MSCI também está no radar

SÃO PAULO - O Ibovespa inicia a sessão desta quinta-feira (15) com perdas, com as ações dada Petrobras (PETR3;PETR4) em queda após a alta de mais de 1% da véspera, contribuindo para pressionar o índice. Às 10h32 (horário de Brasília), o benchmark da bolsa registrava perdas de 0,50%, a 54.141 pontos. Enquanto isso, os papéis da Vale (VALE3;VALE5), que chegaram a cair 0,6% no início da sessão, operam próximos à estabilidade. 

Além da temporada de resultados no Brasil, o mercado também segue de olho no cenário externo, que está bastante movimentado em meio à divulgação de diversos indicadores econômicos. Nos EUA, destaque para o Initial Claims, que diminuiu a aversão ao risco dos mercados após registrar o menor pedido semanal de auxílio desemprego em sete anos, mas que não foi sificiente para animar o benchmark brasileiro.

Mais tarde, o Industrial Production e Capacity Utilization, dados da indústria na economia norte-americana, serão publicados. Além disso, às 11h00 sai o Philadelphia Fed, o índice que mede a atividade industrial na região.

Resultados e MSCI movimentam ações; Rossi lidera e Oi tem maior baixa
No radar corporativo, diversas companhias divulgaram seus números referentes ao primeiro trimestre. Em destaque, estão as imobiliárias: a Cyrela (CYRE3) teve lucro líquido de R$ 163 milhões no primeiro trimestre, queda de 8,7% na comparação com o mesmo período do ano anterior, sob o efeito de fatores que incluíram distrato de terrenos e menor resultado da joint venture Cury, voltada para o programa Minha Casa Minha Vida. A companhia vê os seus papéis registrarem leve queda de 0,52%, a R$ 13,43. 

Já a Rossi Residencial (RSID3) teve lucro líquido de R$ 6,8 milhões no primeiro trimestre, ante prejuízo de R$ 10 milhões um ano antes, o que leva a companhia a liderar os ganhos do índice, com alta de 2,81%, a R$ 1,83. O Ebitda foi de R$ 38,7 milhões no período, alta de 77,2% sobre igual período do ano passado.

Enquanto isso, o lucro líquido da construtora e incorporadora MRV (MRVE3) no primeiro trimestre teve leve alta de 2,7% na comparação anual, para R$ 81 milhões e vê as suas ações caírem forte. Além dos resultados do primeiro trimestre, a companhia foi retirada da carteira do índice MSCI Brasil, que também contou com a exclusão dos papéis da Cia. Hering (HGTX3), que também registra baixa, de 1,78% no mesmo horário. Calculado pelo banco norte-americano Morgan Stanley, o índice MSCI é o principal índice de ações acompanhado por investidores institucionais e grandes fundos de investimentos do mundo.

Voltando à temporada de resultados, a distribuidora de energia paranaense Copel (CPLE6) teve lucro líquido de R$ 583 milhões de reais no primeiro trimestre, alta de 46,2% na comparação com o mesmo período de 2013, informou a companhia, enquanto a operadora de telecomunicações Oi (OIBR4) teve um recuo de 13% em seu lucro líquido no primeiro trimestre sobre um ano antes, para 228 milhões de reais. A primeira vê as suas ações registrarem alta de 1,14%, enquanto a Oi tem a maior perda do índice, com queda de 5,53%, a R$ 1,88. 

A JBS (JBSS3) viu o lucro líquido recuar 69,3% no primeiro trimestre ante igual período do ano passado, a R$ 70 milhões, afetado por despesas financeiras e vê suas ações registrarem queda de 2,62%. Enquanto isso, as ações da Gol (GOLL4) tem perdas de 1,79%, a R$ 13,73, após a companhia anunciar que encerrou o primeiro trimestre com prejuízo líquido de R$ 131 milhões, um crescimento de 74% em relação ao resultado negativo de R$ 75 milhões sofrido no mesmo período de 2013.

Fora no noticiário de resultados, a Cemig (CMIG4) vê seus papéis registrarem perdas de 3,31%, a R$ 16,37. Na véspera, o julgamento do mandado de segurança da companhia em Jaguara foi suspenso. 

A Petrobras, que vê queda de sua ação nesta data, também segue no radar. Graça Foster, o ex-presidente da companhia José Sérgio Gabrielli e a diretora-geral da ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), Magda Chambriad, estão entre os primeiros convocados para depor na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras no Senado.

No radar econômico, destaque para a reunião do ministro da fazenda Guido Mantega no palácio do Planalto, enquanto o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, participa da abertura do XVI Seminário de Metas para a Inflação do BC. 

Europa e Ásia
Os principais índices do mundo iniciaram a quinta-feira sem uma única direção reagindo a uma série de dados econômicos. Na Ásia, as bolsas do continente fecharam a sessão entre ganhos e perdas, apesar do PIB (Produto Interno Bruto) japonês ter apresentado seu ritmo mais rápido de crescimento desde 2011. Já na Europa, investidores reagem também a taxa de crescimento da zona do euro, França e Alemanha.

Nos três primeiros meses do ano, a economia do Japão cresceu 1,5% na comparação com o trimestre anterior, ante uma expectativa de expansão de 1%. No anualizado, o crescimento do país atingiu 5,9%. Porém, o otimismo com os dados do Japão, não foram traduzidos para as ações do continente.

Na Europa, o mercado aguarda alguma decisão do BCE (Banco Central Europeu) para afrouxar mais a política monetária visando a reduzir os riscos de deflação de uma economia que quase não cresce. A Agência de Estatísticas da União Europeia divulgou que a economia dos 18 países que fazem parte da zona do euro euro expandiu apenas 0,2% no primeiro trimestre na comparação com os três meses anteriores, ante expectativa de economistas de expansão de 0,4%.

A França também apresentou dados abaixo do esperado no trimestre e apresentou uma estagnação de sua economia nos três primeiros meses do ano. Já a Alemanha anunciou um crescimento ajustado de 0,8% entre janeiro e março, na comparação com o trimestre imediatamente anterior, informou a agência de estatísticas Destatis.

 

Contato