Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa ganha forças após abertura estável; Petrobras sobe 2%

EUA divulgou ADP Employment, com criação de vagas em março levemente abaixo do esperado, mas encomendas e produção da indústria animam; mercado segue na expectativa pela decisão do Copom

SÃO PAULO - Após uma abertura morna, operando praticamente estável, o Ibovespa ganha forças na segunda hora do pregão desta quarta-feira (2), em um dia de leves ganhos para as bolsas mundiais. Às 11h09 (horário de Brasília), o índice registrava ganhos de 0,41%, a 50.475 pontos, tendo como grande destaque as ações da Petrobras (PETR3;PETR4), com ganhos de cerca de 2%. 

No noticiário econômico, destaque para a expectativa pela decisão do Copom (Comitê de Política Monetária) - a expectativa do mercado é de uma alta da taxa básica de juros de 0,25 ponto percentual, a 11% ao ano. No noticiário dos EUA, o mercado repercute os dados de emprego do setor privado norte-americano, com a criação de 191 mil vagas em março. O resultado veio abaixo da expectativa do mercado, de criação de 200 mil postos. Contudo, as indicações são de que o mercado de trabalho do país está se recuperando após o inverno rigoroso. Além disso, os bons dados de encomenda a indústria no país e a alta da produção industrial, de 0,4% em fevereiro, animam os investidores por lá. 

Além da Petrobras, o destaque fica para os papéis da Oi (OIBR4) que, após registrarem fortes quedas - de cerca de 7% somente nesta semana - têm recuperação, com ganhos de 4,86%, a R$ 3,02.

Segundo comunicado, a partir desta quarta-feira está liberada a realização da oferta, fator importante para a conclusão da fusão entre a companhia e a Portugal Telecom. A suspensão ocorreu após declarações do presidente da companhia Zeinal Bava publicadas nos sites Exame.com R7 Notícias e Estadão.com.br, envolvendo a oferta, o que vai contra o artigo 48, inciso IV, da Instrução CVM nº 400/03. No dia 27, a CVM informou o mercado que a oferta ficaria suspensa por 30 dias.

Já as ações da Usiminas (USIM5) sobem 1,61%, a R$ 10,10. Em relatório, o Credit Suisse reforçou o papel como seu top pick, vendo um potencial de valorização superior a 50%. Para os analistas, o primeiro trimestre promete ser muito bom (um dos melhores em muito tempo), enquanto seguem confiantes com um 2014 forte. Por outro lado, os papéis da Metalúrgica Gerdau (GOAU4, R$ 16,85, -1,46%) e Gerdau (GGBR4, R$ 14,00, -0,64%) registram perdas. 

As ações das elétricas também registram ganhos nesta sessão, com destaque para a Eletrobras (ELET3;ELET6), com alta de mais de 2%, enquanto a Light (LIGT3) têm ganhos de cerca de 2%. 

Já na outra ponta, além de Gerdau, destaque para as ações da Cosan (CSAN3), que registra queda de 0,88%, enquanto as ações da ALL (ALLL3, R$ 7,77, -0,51%) têm perdas, mas menores em relação à abertura. A Cosan aceitou o pedido da ALL para estender o prazo para aprovação da proposta de fusão entre a companhia de logística e a Rumo. Com isso, a ALL deve dar uma resposta sobre o assunto até o dia 15 de abril - o prazo anterior era até 5 de abril.

Europa e Ásia
O dia foi de ganhos para as bolsas asiáticas, enquanto o mercado europeu, inicia a sessão sem uma direção única, com os principais índices acionários do continente alternando entre ganhos e perdas. Dados econômicos divulgados na última terça-feira também deixou os investidores otimistas. Os índices que mostram os gastos de fabricação e construção nos EUA, vieram acima das estimativas dos analistas. 

O benchmark Nikkei, do Japão, encerrou o pregão desta quarta-feira em sua máxima de 3 semanas, com alta de 1,04%. Na China, até mesmo a desaceleração no país é vista favoravelmente pois reforça o argumento por estímulos, e há sinais de que Pequim está acelerando os investimentos em infraestrutura em contrapartida. Notícias na mídia estatal chinesa de que várias cidades pode relaxar as restrições à propriedade de moradias também ajudou a elevar os papéis do setor. O índice de Shangai Composto teve alta de 0,5%, enquanto o Hang Seng encerrou com ganhos de 0,34%.

Na Europa, os investidores aguardam alguma decisão do BCE (Banco Central Europeu) para saber se a instituição financeira irá combater a baixa inflação na zona do euro.

Dados divulgados no Reino Unido, mostraram que o índice de preços de casas subiu para 9,5% em março em relação ao mesmo período do ano anterior. O PMI (Índice de Gerente de Compras) de construção mostrou uma queda para 62,5 em março, ante 62,6 em fevereiro. 


 

Contato