Em mercados / acoes-e-indices

Comissão vai investigar denúncias contra Petrobras; mais 8 empresas no radar

Ainda entre os destaques, Sabesp prolonga desconto nas contas até fim do ano; Lupatech prorroga por 120 dias linhas de financiamento

Petrobras 5
(Divulgação/Petrobras)

SÃO PAULO - A quarta-feira (12) inicia movimentada no mercado brasileiro. Além do noticiário corporativo, três empresas divulgaram seus resultados do quarto trimestre entre a noite da véspera e esta manhã. O principal destaque ficou com a Minerva Foods (BEEF3), terceira maior processadora de carne bovina do País, que viu seu prejuízo líquido crescer quase 6 vezes entre os meses de outubro e dezembro de 2013, na comparação com igual período do ano anterior.

Fora da temporada, chama atenção também a Petrobras (PETR3; PETR4). A Câmara dos Deputados aprovou ontem a criação de uma comissão externa para investigar as denúncias de que funcionários da Petrobras receberam propinas da SBM Offshore, empresa que aluga flutuantes para petroleiras de diversos países. 

Além disso, uma reportagem da Folha de S. Paulo apontou que funcionários da Petrobras (PETR3; PETR4) foram à Holanda, na sede da SBM Offshore, logo após a divulgação de possível envolvimento em esquema de pagamento de propina pela empresa holandesa, sua fornecedora, em diversos países. De acordo com a reportagem, os representantes da estatal brasileira foram recebidos na sede do grupo, em Schiedam. Eles tiveram acesso a toda a documentação da investigação interna realizada voluntariamente em 2012.

Um levantamento do jornal mostra que o gerente-executivo da diretoria jurídica da Petrobras, Nilton Antônio de Almeida Maia, esteve na Holanda entre 24 e 28 de fevereiro. Entretanto, a empresa não declarou o motivo da viagem. Procuradas pela Folha, a SBM Offshore e a Petrobras não quiseram comentar o assunto. 

Acionista do Fleury negocia venda de participação para Gávea 
O Fleury (FLRY3) informou que o seu acionista controlador indireto, a Core Participações, iniciou negociações em caráter de exclusividade com a gestora Gávea Investimentos, visando a potencial venda da totalidade de sua participação acionária direta e indireta na companhia. "A companhia continuará a prestar aos seus acionistas e ao mercado em geral novas informações eventualmente recebidas de Core sobre o assunto que possam configurar um fato relevante", informou a companhia em comunicado ao mercado na manhã desta quarta-feira.

O InfoMoney antecipou, no final de fevereiro, que a Gávea estaria muito próxima de comprar, junto com sócios, a empresa de laboratórios e diagnósticos médicos. De acordo com fontes ouvidas pelo portal, o negócio deve ser fechado por cerca de R$ 22,50 por ação.

Preço do minério de ferro sobe na China
O preço do minério de ferro avançou 2,4% de ontem para hoje na China, sendo cotado a US$ 107,4 a tonelada. Com o aumento de hoje, a perda do acumulado da semana diminui para 5,9%. Na última sexta-feira, a tonelada do insumo estava sendo negociada em US$ 114,2. Na segunda-feira, o preço registrava a mínima desde outubro de 2012, diante do mau humor gerado no mercado por conta do noticiário em torno da desaceleração da atividade econômica chinesa, principal destino transoceânico do minério de ferro.  

Alto-escalão da Kroton opera ações na Bolsa
À espera da sinalização do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) sobre o futuro da possível fusão com a Anhanguera (AEDU3), os membros do Conselho de Administração e diretores da Kroton (KROT3) surpreenderam o mercado ao mostrar mais de 200 operações feitas por eles somente em fevereiro - embora sem alterações significativas na composição acionária da companhia. Segundo relatório enviado à CVM (Comissão de Valores Mobiliários) na terça-feira, o conselho da Kroton realizou 111 operações de venda no período, em um movimento que culminou na alienação de 522.300 papéis pelo valor total de R$ 22,98 milhões. As operações ocorreram nos dias 14 (intermediada pela corretora do JPMorgan) e 28 (pelo Itaú), datas em que as ações da companhia fecharam em alta. 

Sabesp prolonga desconto nas contas até fim do ano
A presidente da Sabesp (SBSP3), Dilma Pena, confirmou que o programa de economia de água que dá 30% de desconto nas contas daqueles que são abastecidos pelo Sistema Cantareira será prolongado até o fim do ano. A ideia é preservar o manancial, que hoje está com voluma de água armazenada de 15,8% da capacidade total. O desconto só será dado àqueles que reduzirem a partir de 20% o consumo médio, considerando os últimos 12 meses. 

Guararapes, dona da Riachuelo, vai pagar R$ 33,3 mi em proventos
A Guararapes (GUAR4), dona da Riachuelo, informou que vai pagar R$ 33,355 milhões em juros sobre capital próprio aos seus acionistas. O valor corresponde a R$ 0,5091 por ação ordinária e R$ 0,56 por preferencial, representando um yield de 0,5% e 0,67%. A partir desta quarta-feira, as ações da companhia serão negociadas ex-juros sobre capital própria.   

Lupatech prorroga por 120 dias linhas de financiamento
A Lupatech (LUPA3) informou na véspera que prorrogou por 120 dias as linhas de financiamento contratadas pela Lupatech Equipamentos e Serviços para Petróleo (LUEP), sociedade diretamente controlada pela companhia, junto com o Bradesco, no valor de até R$ 21 milhões, bem como aprovou a concessão de aval em favor da LUEP para efetivação da referida operação.  

LBR e BRF põem ativos à venda
Duas das maiores empresas do segmento de lácteos nacional, LBR e BRF (BRFS3) colocaram ativos à venda. No momento em que a BRF admite que pode vender sua área de lácteos ou fazer associações nesse segmento, a LBR, em recuperação judicial, atua em duas frentes, buscando um sócio investidor e também de olho em compradores para ativos, informou o Valor.

V-Agro deve registrar primeiro lucro em 2014
Após diversos trimestres de prejuízo, a Vanguarda Agro (VAGR3) espera registrar seu primeiro lucro agora em 2014, justificando que os preços do óleo vegetal estão aumentando e que a empresa teve uma safra maior em seus campos. Em entrevista para a Bloomberg, o CEO (Chief Executive Officer) da companhia, Arlindo Moura, afirmou que a empresa espera produzir cerca de 52 sacas de 60 quilos de grãos de soja por hectare este ano, mais do que as 44 sacas na temporada anterior. Moura assumiu o comando da V-Agro no ano passado depois de trabalhar para a Deere e a SLC Agrícola. O executivo luta para reconquistar a confiança dos investidores, após a companhia atingir queda de 96% desde que entrou na Bolsa, em 2006. Segundo Moura, a companhia, que tem acionistas como a Gávea Investimentos e JPMorgan, busca arrecadar até US$ 600 milhões para comprar terras e está analisando suas opções, como um aumento de capital dos investidores atuais.

 

Contato