Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa fecha próximo ao zero a zero, puxado por queda de Petrobras

Após chegar a subir 1,15% no intraday, índice fecha com queda de de 0,03%, puxado por mais sinalizações de deterioração da economia nacional; forte alta da Vale é ofuscada por dia negativo da petrolífera estatal

painel com cotações
(Divulgação)

SÃO PAULO - O Ibovespa voltou a cair nesta quinta-feira (28), ao fechar tímida variação negativa de 0,03%, a 51.846 pontos, em dia de feriado de Ação de Graças nos EUA, que manteve as bolsas locais fechadas. Após chegar a subir 1,15% no intraday, o benchmark da bolsa brasileira perdeu forças com a divulgação de um superávit primário abaixo do esperado pelo mercado, o que evidencia uma maior deterioração das contas públicas brasileiras. Além disso, também pesou no desempenho do índice nesta sessão, a forte queda das ações da Petrobras (PETR3, R$ 17,73, -2,74%; PETR4, R$ 18,66, -1,63%), companhia com maior participação em sua composição acionária. O volume financeiro negociado na Bovespa foi de R$ 4,28 bilhões, bastante abaixo da média de R$ 7,23 bilhões dos últimos 21 dias.

Em dia marcado pelos indicadores macroeconômicos nacionais, o comportamento dos investidores acompanhou a divulgação do resultado do governo central referente ao mês de outubro, feita no começo da tarde. Segundo os dados apresentados, o superávit primário - economia para o pagamento de juros da dívida pública - passou de resultado positivo de R$ 9,372 bilhões no mesmo mês do ano passado para R$ 5,436 bilhões este ano. Este é o pior resultado do mês desde 2004, quando o superávit foi de R$ 4,741 bilhões. Com isso, aumentou a aversão a riscos na bolsa, o que fez com que o índice fechasse em queda nesta sessão.

Segundo o analista João Pedro, Brugger, da Leme Investimentos, o resultado fiscal ruim contribuiu para a redução nos ganhos das ações dos setores imobiliário e de consumo, que subiam forte com a possibilidade de fim do ciclo de altas da Selic - a taxa básica de juros, que, na véspera foi elevada para 10% pelo Copom (Comitê de Política Monetária). No início da sessão, as ações dos dois setores registravam fortes ganhos em meio às perspectivas de que o ciclo de ajustes da Selic estivesse perto de ser encerrado após o aumento para 10% na véspera.

Destaques do pregão
Já na bolsa, destaque para as ações da Petrobras, que figuraram entre as maiores quedas, na expectativa pelo desfecho da próxima reunião do conselho de administração, que tem como pauta a nova metodologia de reajuste de preços. De acordo com informações do jornal Folha de S. Paulo, o ministro da fazenda, Guido Mantega, pode definir nesta quinta-feira (28) a pendência sobre a nova metodologia de reajustes de combustíveis pedido pela petrolífera. A tendência do governo é conceder um aumento ainda em 2013, de 5% para a gasolina e de 10% para o diesel, mas deixando para 2014 a decisão sobre uma fórmula para dar previsibilidade de caixa para a estatal.

O dia de indicadores negativos também puxou para baixo os papéis de B2W (BTOW3, R$ 14,20, -4,05%), que recuaram forte na véspera do início oficial da Black Friday. Outros destaques de queda foram LLX Logística (LLXL3, R$ 0,99, -3,88%) e Eletropaulo (ELPL4, R$ 9,51, -2,66%).

As maiores baixas, dentre os papéis que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 BTOW3 B2W DIGITAL ON 14,20 -4,05 -16,47 3,92M
 LLXL3 LLX LOG ON 0,99 -3,88 -50,85 8,47M
 PETR3 PETROBRAS ON 17,73 -2,74 -8,01 139,69M
 ELPL4 ELETROPAULO PN N2 9,51 -2,66 -43,37 14,51M
 ENBR3 ENERGIAS BR ON 12,02 -2,51 -3,76 9,21M

A queda dos papéis da petrolífera estatal ofuscou a alta dos papéis da Vale (VALE3; VALE5), que subiram forte após a decisão da companhia em aderir o Refis, anunciada na noite da véspera, com ganhos respectivos de 2,80% para os ativos ON e de 2,70% para os papéis preferenciais classe A, que fecharam cotados a R$ 35,20 e R$ 32,30 nesta ordem. As ações da Bradespar (BRAP4), que possuem investimentos na companhia, também registram ganhos, de 1,64%, a R$ 24,80.

As maiores altas, dentre as ações que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 KLBN4 KLABIN S/A PN 12,51 +6,74 +0,81 38,43M
 VALE3 VALE ON 35,20 +2,80 -12,17 77,57M
 VALE5 VALE PNA 32,30 +2,70 -16,29 602,87M
 BRML3 BR MALLS PAR ON 19,30 +2,39 -27,11 71,12M
 BRAP4 BRADESPAR PN 24,80 +1,64 -24,46 30,09M

As ações mais negociadas, dentre as que compõem o índice Bovespa, foram :

 Código Ativo Cot R$ Var % Vol1 Vol 30d1 Neg 
 VALE5 VALE PNA 32,30 +2,70 602,87M 588,85M 25.028 
 PETR4 PETROBRAS PN 18,66 -1,63 540,46M 667,09M 25.226 
 ITUB4 ITAUUNIBANCO PN 32,55 -0,91 219,62M 340,42M 13.109 
 BBAS3 BRASIL ON ED 25,47 +0,28 142,47M 234,50M 13.419 
 PETR3 PETROBRAS ON 17,73 -2,74 139,69M 217,46M 9.679 
 BBDC4 BRADESCO PN 30,70 +0,33 131,54M 251,28M 6.322 
 VALE3 VALE ON 35,20 +2,80 77,57M 187,36M 5.997 
 ITSA4 ITAUSA PN 9,20 -0,65 74,35M 122,27M 10.669 
 BRML3 BR MALLS PAR ON 19,30 +2,39 71,12M 60,18M 6.888 
 BRFS3 BRF SA ON 50,54 -0,53 70,09M 121,52M 4.194 

* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão) 

Europa e Ásia
No noticiário econômico asiático, a China ganhou mais uma vez destaque, após o Conselho Estatal anunciar uma proposta para aceleração das reformas na indústria de carvão, fechando pequenas minas para a consolidação da produção doméstica e incentivando importação de produtos de maior qualidade, freando assim o crescimento desordenado da produção.

No Japão, destaque para o índice Nikkei, que teve ganhos de 1,8% e bateu novamente o maior patamar em seis meses, em meio ao enfraquecimento do iene, que animou as ações das empresas exportadoras. Além disso, destaque para o indicador de vendas no varejo, que bateu as estimativas ao subir a uma taxa anual de 2,3% em outubro.

Na Europa, o dia também foi de ganhos seguindo o movimento de Wall Street na véspera, como resultado dos dados econômicos. Em destaque no noticiário econômico do Velho Continente, ficou a Alemanha, que anunciou que a taxa de desemprego ajustada do país ficou inalterada em 6,9%, como esperado.

Além disso, também chamou atenção a Espanha, que atualizou o número do PIB e confirmou a saída da recessão de 2 anos no terceiro trimestre, com crescimento de 0,1% no período ante os três meses anteriores. No Reino Unido, destaque para a entrevista que será concedida pelo presidente do BoE (Bank of England), Mark Carney, para apresentar a nova edição do Relatório de Estabilidade Financeira.

 

Contato