Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa sobe 0,21% nesta sexta, mas tem 4ª queda em 5 semanas

Na semana, índice repercurte pessimismo do mercado sobre manutenção do QE3; ações do BB lideram perdas com noticiário de rombo de R$ 150 bilhões sobre a correção da caderneta de poupanças

painel com cotações
(Divulgação)

SÃO PAULO - O Ibovespa conheceu sua quarta queda em 5 semanas entre 18 e 22 de novembro, ao fechar o período com baixa de 1,22%, a 52.800 pontos. A fraca alta de 0,21% nesta sexta-feira (22) não livrou o índice de mais uma semana negativa, impactada sobretudo possível aproximação do corte gradual da política de estímulos à economia norte-americana, confirmada pela ata do Fomc na última quarta-feira (20) – data em que a Bovespa ficou fechada por conta do feriado de Dia Consciência Negra –, que sinalizou que isso deverá ocorrer já nos “próximos meses”. O volume financeiro negociado na Bovespa nesta sessão foi de R$ 6,24 bilhões.

Com os indicadores melhores que o esperado apresentados nas últimas semanas nos Estados Unidos, os membros do Fomc sinalizaram que o Federal Reserve pode reduzir o programa de compra de títulos em breve. Atualmente, o QE3 (Quantitative Easing 3) injeta US$ 85 bilhões mensais por meio da compra de títulos públicos. Com o corte gradual destes estímulos, o receio dos investidores é que se inicie um processo de migração dos investimentos para os EUA, com a possibilidade da taxa de juros voltar a subir por lá. Diante desse cenário de incertezas, a cotação do dólar tem apresentado forte volatilidade. Nesta sexta-feira, a o moeda norte-americana fechou com queda de 1,05%, precificada em R$ 2,2830 na venda, após subir 1,64% na véspera.

Além disso, também repercutiu na semana o noticiário chinês. Na segunda-feira, o detalhamento sobre reformas no país impulsionou ações de mineradoras e siderúrgicas. Porém, a segunda maior economia do mundo também decepcionou os mercados no decorrer da semana com a preliminar do PMI abaixo do esperado, caindo para 50,4 em novembro ante leitura final de outubro de 50,9.

Destaques do Ibovespa
Nesta sessão, após um início bastante negativo, puxado por ações de instituições financeiras, o Ibovespa engatou um movimento de alta no final da manhã e fechou no positivo, interrompendo duas sessões de baixa; no acumulado dos pregões anteriores o benchmark da bolsa caiu 2,98%. Boa parte das ações que estavam em queda no início da sessão passaram a registrar ganhos e fecharam o dia em alta, com destaque para os papéis das imobiliárias, puxadas por Gafisa (GFSA3, R$ 3,17, +3,93%) Rossi (RSID3, R$ 2,30, +2,68%), Brookfield (BISA3, R$ 1,13, +2,73%) e MRV (MRVE3, R$ 9,36, +1,85%). Na véspera, as ações do setor sofreram bastante com a alta dos contratos futuros de DI.

Mas, liderando os ganhos do índice, apareceram as ações da MMX Mineração (MMXM3, R$ 0,74, +15,63%), que lideraram os ganhos da semana, com alta de 10,45% no período. A trading holandesa Trafigura adiantou 7,3 milhões de euros para uma fornecedora das obras de construção do Porto Sudeste, informou a mineradora do grupo EBX, de Eike Batista, na manhã desta data. Outra empresa X a se destacar nesta sessão foi a LLX Logística (LLXL3), cujos papéis fecharam com alta de 4,90%, a R$ 1,07.

No entanto, o dia positivo não evitou que as ações da empresa registrassem a segunda maior desvalorização semanal dentre os papéis que compõem o Ibovespa - 7,76% de queda. Já a CCR (CCRO3), que arrematou o aeroporto de Confins, em Minas Gerais, viu seus papéis amenizarem levemente os ganhos e fecharem a sessão com variação positiva de 1,26%, a R$ 18,48. As ações da empresa foram a quarta maior alta semanal dentro do índice, com variação positiva de 3,82% no período. 

Na semana, também chamaram atenção as altas de Dasa (DASA3, R$ 12,32, +3,10%) e Anhanguera (AEDU3, R$ 15,85, +5,67%) - a segunda e terceira maiores vistas na semana -, com a primeira subindo 4,85% no período, enquanto a educacional registrou alta de 4,34% entre 18 e 22 de novembro.

As maiores altas, dentre as ações que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 MMXM3 MMX MINER ON 0,74 +15,63 -83,37 36,36M
 AEDU3 ANHANGUERA ON 15,85 +5,67 +37,59 47,24M
 LLXL3 LLX LOG ON 1,07 +4,90 -46,87 6,39M
 MRFG3 MARFRIG ON 4,39 +4,03 -48,23 17,14M
 GFSA3 GAFISA ON 3,17 +3,93 -32,70 21,96M

Enquanto isso, as ações do setor de bancos lideraram as perdas do Ibovespa no dia, mas menores em relação ao início do pregão. O mercado mostra temores com uma possível conta de R$ 150 bilhões sobre a correção da caderneta de poupanças nos planos Bresser (1987), Verão (1989), Collor I (1990) e Collor 2 (1991) caso o STF (Supremo Tribunal Federal) julgue de forma desfavorável. Terminado o julgamento do Mensalão, o assunto deverá voltar à pauta do STF, já na quarta-feira seguinte. Esse seria o julgamento com o maior número de interessado, abordando 396 mil ações.

Desta forma, as ações do Banco do Brasil (BBAS3, R$ 24,65, -3,35%), que tiveram a maior baixa da semana - com variação negativa de 8,06% no período -, as units do Santander Brasil (SANB11, R$ 14,53, -1,36%) e as ações de Itaúsa (ITSA4, R$ 9,09, -1,14%), Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 32,32, -1,49%), Bradesco (BBDC3, R$ 33,39, -1,07%; BBDC4, R$ 30,30, -0,66%) pressionaram o índice pela forte participação que o setor financeiro tem em sua composição.

Na semana, além dos papéis de BB e LLX, também se destacaram as quedas acumuladas das imobiliárias, com destaque para PDG (PDGR3, R$ 1,76, +2,92%) e Rossi, que viram seus papéis se desvalorizarem 6,38% e 5,74%, respectivamente.

As maiores baixas, dentre os papéis que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 BBAS3 BRASIL ON ED 24,65 -3,35 +4,87 447,70M
 GGBR4 GERDAU PN EJ 18,21 -1,51 +2,97 159,34M
 ITUB4 ITAUUNIBANCO PN 32,32 -1,49 +10,11 449,00M
 CESP6 CESP PNB 23,02 -1,41 +26,95 9,82M
 ITSA4 ITAUSA PN 9,09 -1,41 +5,70 121,52M

As ações mais negociadas, dentre as que compõem o índice Bovespa, foram:

 Código Ativo Cot R$ Var % Vol1 Vol 30d1 Neg 
 PETR4 PETROBRAS PN 20,67 -1,10 491,28M 628,91M 20.610 
 VALE5 VALE PNA 32,66 +1,11 479,55M 552,91M 23.364 
 ITUB4 ITAUUNIBANCO PN 32,32 -1,49 449,00M 292,51M 24.212 
 BBAS3 BRASIL ON ED 24,65 -3,35 447,70M 186,11M 26.128 
 BBDC4 BRADESCO PN 30,30 -0,66 364,88M 231,27M 19.391 
 GGBR4 GERDAU PN EJ 18,21 -1,51 159,34M 103,98M 12.294 
 PETR3 PETROBRAS ON 19,82 -0,95 135,61M 207,61M 10.461 
 CCRO3 CCR SA ON 18,48 +1,26 129,98M 79,02M 14.460 
 ITSA4 ITAUSA PN 9,09 -1,41 121,52M 108,89M 14.670 
 VALE3 VALE ON 35,33 +0,89 110,50M 193,18M 8.033 

* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão) 

Indicadores macroeconômicos
Já na agenda econômica, destaque para os dados do setor externo do Banco Central, que revelou que o Brasil registrou déficit em transações correntes de US$ 7,132 bilhões em outubro, informou o Banco Central nesta sexta-feira, ao mesmo tempo em que os investimentos estrangeiros diretos no país somaram US$ 5,362 bilhões no mês passado.

Na Europa, destaque para a Alemanha: o instituto IFO divulgou o resultado do sentimento das empresas, que marcou 109,3 em novembro, bem acima do previsto pelos analistas, de 107,7. Já a agência federal de estatísticas confirmou a estimativa anterior de que o PIB (Produto Interno Bruto) do país cresceu 1,1% na comparação com o mesmo período do ano anterior, liderado por uma forte alta da demanda doméstica, liderada pelo aumento no investimento e gastos em construção.

O Velho Continente ainda repercute o discuro do presidente do BCE (Banco Central Europeu) Mario Draghi, em evento em Frankfurt que discute "O Futuro da Europa". Draghi destacou que a autoridade monetária da região precisa agir quando a inflação está muito baixa ou alta; essa fala ocorre após rumores de que o BCE possa adotar juros negativos para depósitos bancários como incentivo ao crédito.

Já nos EUA, destaque para a fala do presidente do Federal Reserve de Atlanta, Denis Lockhart, em entrevista ao portal CNBC. Para ele, o debate acerca da redução do ritmo do programa de compra de títulos maciço do Federal Reserve estará "sobre a mesa" da próxima reunião de política do banco central dos Estados Unidos em dezembro.

 

Contato