Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa se descola do exterior e consolida alta com Vale subindo mais de 1%

Benchmark da bolsa brasileira registrou duas altas semanais consecutivas e segue no positivo

Bovespa - mesa - corretores - mercado financeiro
(Divulgação/BM&FBovespa)

SÃO PAULO - Após operar próximo da estabilidade no início do pregão desta segunda-feira (21), o Ibovespa consolida alta, com as ações da Vale impulsionando o índice, que destoa da leve queda vista no mercado norte-americano. Vale mencionar também a maior diferença entre o horário de abertura da bolsa brasileira e dos EUA, com o horário de verão entrando em vigor. Agora, a NYSE (Ney York Stock Exchange) abrindo às 11h30 (horário de Brasília). Às 12h37, o benchmark da bolsa brasileira avançava 0,41%, a 55.606 pontos.

As ações da mineradora Vale (VALE3, R$ 35,32, +1,09%; VALE5, R$ 32,11, +1,33%) ajudam a impulsionar o índice, uma vez que respondem por cerca de 10% da composição do Ibovespa. A alta se deve ao clima mais otimista em relação à China, após o primeiro-ministro, Li Keqiang, dizer que o país tem base para sustentar um crescimento econômico saudável, com grande potencial de consumo.

Já a Petrobras (PETR3, R$ 16,92, +0,36%; PETR4, R$  17,98, +0,28%) avança timidamente no dia marcado para a 1ª rodada de leilão do pré-sal, em meio a diversos protestos acontecendo contra o leilão. Espera-se que o consórcio formado pela estatal e duas companhias chinesas seja o único a participar.

Ainda na ponta positiva operam Gol (GOLL4, R$ 11,02, +4,55%), Oi (OIBR3, R$ 4,45, +3,49%; OIBR4, R$ 4,16, +4,00%) e B2W (BTOW3, R$ 16,92, +3,61%).

Bancos em queda
Já no lado negativo, o setor bancário registra queda, com Bradesco (BBDC3, R$ 36,55, -1,19%; BBDC4, R$ 32,67, -1,21%), Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 33,54, -1,12%) e sua controladora, a Itaúsa (ITSA4, R$ 9,35, -0,85%). O Bradesco divulgou lucro líquido recorde no terceiro trimestre, com R$ 3,06 bilhões, mas reduziu sua projeção de margem financeira.

Indicadores e discursos nos EUA
Nos EUA, a semana contará com a divulgação de indicadores "atrasados" por conta da paralisação do governo que durou 16 dias. Com isso, amanhã às 10h30 será apresentado o relatório de emprego. Sobre o impasse fiscal, o secretário do Tesouro, Jack Lew, comentou que a paralisação do governo causou danos à economia do país, mas que há espaço para recuperação.

Já o presidente do Fed de Chicago, Charles Evans, comentou em entrevista à CNBC que o Federal Reserve pode começar a retirar seu programa de estímulo monetário, o Quantitative Easing 3, já em dezembro, dependendo dos dados apresentados pela economia do país até lá. 

Ainda por lá, as vendas de casas usadas em setembro recuou para 5,29 milhões, ante 5,39 milhões vistos no mês anterior e expectativa de 5,30 milhões. Já os estoques de petróleo recuaram fortemente, com 3,999 milhões de barris na semana finda em 12 de outubro, ante 6,807 milhões vistos no período anterior.

Focus e dados europeus
Entre as referências macro-econômicas, o relatório Focus apontou maior projeção para a Selic, estimando a taxa de juros em 10% neste ano e 10,25% em 2014. Segundo o boletim, o crescimento econômico brasileiro deve atingir 2,50% neste ano, ante projeção anterior de 2,48%. Para 2014, a expectativa de 2,20% foi mantida pela terceira semana consecutiva.

Na Europa, os preços ao produtor alemão subiram 0,3% em setembro, ante expectativa de 0,1% e recuo de 0,1% no mês anterior. No Japão, um indicador de atividade industrial atingiu as projeções e subiu 0,3% em agosto.

 

Contato