Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa alcança 5ª alta seguida e se aproxima dos 55.000 pontos com OGX

Mesmo com as apreensões do mercado internacional por conta do impasse político nos EUA, índice fecha em alta de 1,50%; empresa do Grupo EBX sobe com rumor sobre possível abandono de Eike

Ibovespa
(Divulgação)

SÃO PAULO - O Ibovespa conheceu sua quinta alta consecutiva nesta terça-feira (15) e voltou a se aproximar dos 55.000 pontos. Nesta sessão, o benchmark da bolsa brasileira fechou com variação positiva de 1,50%, a 54.980 pontos, descolando-se dos principais índices das bolsas norte-americanas, que acentuaram suas perdas até o fechamento do dia devido aos temores de que a demora para a solução do impasse fiscal no país possa ter reflexo no rating dos EUA. O volume financeiro negociado na Bovespa foi de R$ 9,53 bilhões, muito acima da média dos últimos 21 pregões, de R$ 5,54 bilhões.

Com o noticiário apontando para o fracasso da tentativa de consenso dos republicanos na Câmara norte-americana pela solução do "shutdown" econômico que já dura 15 dias nos EUA, o pessimismo do mercado internacional mostrava grandes riscos para o principal índice da bolsa brasileira acompanhar o movimento, interrompendo o rali dos últimos pregões. A aproximação da data limite para o endividamento máximo da maior economia do mundo, projetada para a próxima quinta-feira (17) pelo secretário do Tesouro Jacob Lew, volta a trazer apreensão no mercado internacional.

No entanto, o Ibovespa se descolou dos mercados internacionais e teve uma alta expressiva nesta sessão, muito por conta da disparada da OGX Petróleo (OGXP3), cujas ações subiram 47,83%, fechando cotadas a R$ 0,34. Os papéis da petrolífera do Grupo EBX foram impulsionados pelos rumores de que Eike Batista, que está em reunião com credores em Nova York, abandonará empresa para liquidar as dívidas. Depois de uma melhora gradual no tom, a empresa pode estar próxima da reestruturação de dívidas - necessária para que ela tenha um futuro e evite uma possível recuperação judicial ou falência.

Outros destaques da Bovespa
Além da OGX, também se destacaram nesta sessão as altas das ações da MMX Mineração (MMXM3, R$ 1,04, +5,05%), que voltaram a valer mais de R$ 1,00 repercutindo o contrato de venda do Porto Sudeste para Trafigura e Mubadala, com a venda de 65% do porto para as duas empresas por cerca de US$ 400 milhões.

Ainda na ponta positiva, também chama atenção a CSN (CSNA3, R$ 11,44, +3,16%), que ganhou impulso após a mineradora Rio Tinto trazer um alívio ao setor com um resultado recorde de produção. Já a Oi (OIBR3, R$ 4,66, +2,42%; OIBR4, R$ 4,41, +1,85%) conquistou nesta sessão seu 6º dia seguido de alta, acumulando mais de 20% de valorização nesse breve rali.

As maiores altas, dentre as ações que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 OGXP3 OGX PETROLEO ON 0,34 +47,83 -92,24 138,21M
 MMXM3 MMX MINER ON 1,05 +6,06 -76,40 40,74M
 CSNA3 SID NACIONAL ON 11,44 +3,16 +3,66 88,02M
 KLBN4 KLABIN S/A PN 12,30 +2,93 -1,72 43,90M
 OIBR3 OI ON 4,66 +2,42 -41,31 7,17M

Resultados derrubam Embraer e imobiliárias
Do lado negativo do índice, aparecem as ações da Embraer (EMBR3, R$ 18,20, -4,26%), puxadas pelas quedas nas vendas dos aviões comerciais no 3º trimestre. Apesar de a carteira de pedidos da empresa ter subido mais de 40% nos últimos três meses em comparação com o mesmo período em 2012, a empresa registou queda de quase 30% nos envios a clientes de aviões comerciais, maiores e mais caros. O volume de entregas do segmento caiu de 27 unidades entre julho e setembro de 2012 para 19 em igual período deste ano.

As imobiliárias também tiveram um pregão negativo, repercutindo a derrocada das vendas de imóveis da Cyrela (CYRE3, R$ 16,82, -1%) nos últimos três meses. Com isso, as ações da Gafisa (GFSA3, R$ 3,53, -3,29%), acompanharam o resultado negativo e fecharam também como destaque de queda. Outra imobiliária impactada pela notícia foi a PDG Realty (PDGR3, R$ 2,24, -1,32%), que também viu suas ações caírem mais de 1%.

Ainda entre as maiores perdas, a TIM (TIMP3) viu suas ações recuarem 2,27%, fechando a R$ 11,65, após a operadora de telefonia receber ter sido condenada a pagar uma multa de R$ 5 milhões por derrubar propositalmente o sinal de seus clientes.

As maiores baixas, dentre os papéis que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 EMBR3 EMBRAER ON 18,20 -4,26 +27,07 109,65M
 GFSA3 GAFISA ON 3,53 -3,29 -25,05 31,28M
 DASA3 DASA ON 12,55 -2,33 -4,30 18,46M
 TIMP3 TIM PART S/A ON 11,65 -2,27 +47,51 113,91M
 CRUZ3 SOUZA CRUZ ON 25,54 -2,07 -14,10 32,56M

As ações mais negociadas, dentre as que compõem o índice Bovespa, foram:

 Código Ativo Cot R$ Var % Vol1 Vol 30d1 Neg 
 VALE5 VALE PNA 32,20 -0,22 746,93M 493,08M 39.364 
 PETR4 PETROBRAS PN 18,42 +0,82 498,71M 390,90M 34.091 
 ITUB4 ITAUUNIBANCO PN 32,45 +0,40 398,54M 302,04M 27.459 
 VALE3 VALE ON 35,63 +0,82 338,31M 129,44M 15.361 
 CIEL3 CIELO ON 65,89 +0,44 259,52M 111,07M 5.887 
 BBDC4 BRADESCO PN 32,32 +0,25 252,71M 191,25M 19.762 
 AMBV4 AMBEV PN 85,40 +0,33 175,48M 121,21M 8.526 
 BBAS3 BRASIL ON 27,05 -0,04 164,12M 149,87M 14.011 
 PETR3 PETROBRAS ON 17,15 +0,47 156,36M 138,96M 15.648 
 BRFS3 BRF SA ON 54,95 -1,03 144,70M 109,88M 10.229 

* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)
 

EUA: pessimismo de volta
Nos EUA, o impasse sobre o teto da dívida continua enquanto o dia 17 de outubro se aproxima - a data foi estimada pelo Tesouro como limite para chegar a um acordo sem que o país fique sem dinheiro para honrar suas dívidas e enfrente um default técnico.

Com o governo e os republicanos ainda não chegando a um acordo sobre a questão do endividamento do país, o ceticismo voltou ao mercado. O senador Harry Reid alertou que toda essa demora pode fazer com que as agências de rating reduzam ainda hoje a nota de crédito norte-americana.

Ainda na maior economia do mundo, a produção industrial de Nova York subiu 1,5 outubro, ante expectativa de 4,5, após avançar 6,3 no mês anterior. Além de indicadores, os investidores repercutiram os discursos do presidente do Fed de Nova York, William Dudley, comentando que o resultado do Fed não impactará em sua política monetária. Já Richard Fisher, do Fed de Dallas, comentou que não acredita em uma redução do Quantitative Easing 3 neste mês, devido à paralisação do governo norte-americano.

Europa
Na Europa, a inflação toma rumos positivos, com os preços ao consumidor francês recuando menos do que o previsto em setembro, com queda de 0,2%. Na Grã-Bretanha, o mesmo indicador subiu 2,7%, também superando as expectativas.

Enquanto isso, na Alemanha, os preços de importação subiram 0,1% em setembro, ante expectativa de estabilidade enquanto o índice ZEW de sentimento econômico subiu para 52,8 em outubro, ante projeções de 49,2. Já o indicador de sentimento para a zona do euro como um todo avançou pouco menos do que o esperado, registrando 59,1 no mesmo período.

 

Contato