Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa cai 0,15% com derrocada das empresas 'X' e fecha a 53.100 pontos

Bolsa brasileira acompanha movimento de queda do mercado internacional, com pessimismo em relação aos EUA; OGX e MMX caem mais de 5%, enquanto Oi lidera alta com fusão bilionária

Ibovespa
(Divulgação)

SÃO PAULO - Após interromper uma sequência de 5 pregões de queda na véspera, o Ibovespa voltou a cair nesta quarta-feira (2), seguindo o movimento das bolsas internacionais em dia de pessimismo em relação ao cenário norte-americano. O principal índice da bolsa brasileira chegou a subir 0,55% no intraday, mas perdeu forças no final do dia e fechou com queda de 0,15%, a 53.100 pontos. O volume financeiro negociado desta sessão foi de R$ 4,652 bilhões - muito abaixo da média dos últimos pregões - R$ 6,77 bilhões.

Contribuíram para a queda do índice 3 empresas do Grupo EBX, de Eike Batista, com destaque para a derrocada da OGX Petróleo (OGXP3, R$ 0,22, -8,33%), que na terça-feira (1) havia subido 14,29% apesar da notícia de calote de US$ 45 milhões em credores. A LLX Logística (LLXL3) e a MMX Mineração (MMXM3) também encerraram a sessão no vermelho com quedas de 4,88% e 6,71%, respectivamente, com os papéis a R$ 1,56 e R$ 1,39. As maiores baixas, dentre as ações que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano
 OGXP3 OGX PETROLEO ON 0,22 -8,33 -94,98
 MMXM3 MMX MINER ON 1,39 -6,71 -68,76
 LLXL3 LLX LOG ON 1,56 -4,88 -35,00
 VIVT4 TELEF BRASIL PN EJ 48,97 -2,29 +5,66
 BVMF3 BMFBOVESPA ON 12,52 -2,11 -7,30

Na ponta de cima, o destaque da sessão foi a Oi (OIBR3, R$ 4,63, +3,58%; OIBR4, R$ 4,44, +5,21%), que, apesar de registrar uma perda de fôlego considerável no intraday, ainda conseguiu fechar como maior alta do Ibovespa. Vale destacar que, nesta quarta-feira, a companhia anunciou um MOU (Memorando de Entendimento) para uma fusão bilionária com a Portugal Telecom, que deverá criar a CorpCo no primeiro semestre de 2014. Para que o negócio seja concluído, a companhia terá que fazer um aumento de capital entre R$ 7 e R$ 8 bilhões, o que trouxe certa cautela para os analistas que acompanham o setor.

Também registraram alta nesta sessão negativa do benchmark da bolsa brasileira B2W (BTOW3, R$ 15,12, +3,70), Rossi (RSID3, R$ 3,30, +3,13%) e MRV (MRVE3, R$ 9,40, +2,73%). As maiores altas, dentre os papéis que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano
 OIBR4 OI PN ED 4,44 +5,21 -37,49
 BTOW3 B2W DIGITAL ON 15,12 +3,70 -11,06
 OIBR3 OI ON ED 4,63 +3,58 -41,68
 RSID3 ROSSI RESID ON 3,30 +3,13 -27,47
 MRVE3 MRV ON 9,40 +2,73 -18,47

As ações mais negociadas, dentre as que compõem o índice Bovespa, foram :

 Código Ativo Cot R$ Var % Vol1 Vol 30d1 Neg 
 OIBR4 OI PN ED 4,44 +5,21 318,91M 42,42M 46.449 
 VALE5 VALE PNA 31,82 -0,13 280,19M 619,26M 15.207 
 ITUB4 ITAUUNIBANCO PN ED 31,62 -0,41 255,34M 324,80M 16.398 
 PETR4 PETROBRAS PN 18,78 +0,59 202,58M 476,62M 14.135 
 BBDC4 BRADESCO PN EJ 30,85 +0,03 148,33M 211,46M 12.554 
 GGBR4 GERDAU PN 16,60 +0,91 111,40M 130,29M 16.528 
 TIMP3 TIM PART S/A ON 10,76 +0,56 92,71M 82,79M 20.677 
 OIBR3 OI ON ED 4,63 +3,58 91,49M 5,69M 22.788 
 BBAS3 BRASIL ON 26,14 +0,19 87,30M 173,55M 8.889 
 BVMF3 BMFBOVESPA ON 12,52 -2,11 82,76M 129,79M 17.393 

* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)
 

EUA: impasse continua
Nos EUA, a paralisação parcial do governo começa a afetar os mercados. O cenário de incerteza se forma uma vez que o impasse sobre o orçamento sugere que a polarização do governo pode levar também à falta de solução para o debate sobre o aumento do teto da dívida norte-americana, que deve atingir seu limite de gasto em 17 de outubro. Com a projeção, o Tesouro norte-americano começou a usar suas últimas ferramentas para impedir a falta de fundos no país.

Entre os indicadores, o ADP Employment, que mensura a criação de postos de trabalho no setor privado dos EUA subiu menos do que o esperado, com adição de 166 mil novos postos, ante expectativa de 170 mil. O indicador deve ser a maior referência sobre o mercado de trabalho norte-americano nesta semana, uma vez que com a paralisação do governo, o relatório de emprego não deve ser divulgado na próxima sexta-feira (4).

Ainda por lá, o presidente de Federal Reserve, Ben Bernanke, discursou no Community Banks em St. Louis, mas optou por não comentar diretamente sobre a política de estímulos à economia - o QE3 (Quantitative Easing 3), que consiste na injeção de US$ 85 bilhões mensais no mercado local. Na medida em que o país dá sinais de recuperação, maior é a possibilidade do Fed iniciar a retirada dos estímulos em breve.

Juros mantidos na Europa
Na Europa, o BCE (Banco Central Europeu) manteve sua taxa de juros na mínima recorde de 0,5% ao ano. Em conferência, o presidente Mario Draghi disse que os recentes indicadores divulgados continuam mostrando que a zona do euro recupera-se da crise lentamente, como esperado. Draghi comentou ainda que permanecerá atento aos sinais econômicos e que o desemprego continua alto no bloco econômico.

Reconciliação italiana
Na Europa, o índice italiano FTSE MIB destoa dos mercados com alta de 0,7% após o ex-premiê Silvio Berlusconi recuar em seus recentes discursos e apoiar o governo de Enrico Letta. Nesta sessão, Letta ganhou um voto de confiança no Senado, após Berlusconi e parte de seu partido voltar atrás da decisão de derrubar o governo.

Entre os indicadores econômicos, a Espanha registrou maior número de desempregados do que o esperado em setembro, com adição de 25,6 mil desocupados no mês.

No Brasil...
Por aqui, o IPC (Índice de Preços ao Consumidor) fechou setembro com alta de 0,25%, ante avanço de 0,22% no mês anterior, segundo dados da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas). 

Ainda nesta manhã, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) comunicou que a produção industrial mostrou variação nula em agosto em relação à julho, após recuar 2,4% no mês anterior. Já na comparação com agosto de 2012 o índice recuou 1,2%. Já o fluxo cambial semanal Finalizando a agenda brasileira, o Banco Central divulgou o fluxo cambial do país, que ficou negativo em R$ 2,5 bilhões até o dia 27. 

 

Contato