Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa sobe mais de 1,5% com siderúrgicas e empresas "x" em alta

Dia conta com vencimento de opções sobre ações; dados chineses movimentaram mercados mundiais

ações - bolsa - Bovespa - cotações - mercado financeiro
(Getty Images)

SÃO PAULO - A sessão desta segunda-feira (15) apresenta volatilidade e maior número de negócios no mercado devido ao vencimento de opções sobre ações na Bovespa. O movimento acaba por minimizar o impacto de indicadores divulgados na China, que influenciaram os mercados mundiais durante a manhã. Vale lembrar que o Ibovespa iniciou as negociações nesta segunda-feira com atraso de cerca de 20 minutos. Na cotação das 13h04 (horário de Brasília), o benchmark da bolsa brasileira subia 1,67%, a 46.293 pontos.

O vencimento de opções costuma trazer forte volatilidade, uma vez que registra o último dia para exercer posições compradas anteriormente. Segundo Pedro Galdi, analista da SLW Corretora, o destino do Ibovespa nesta segunda-feira é incerto até às 13h, quando acaba o vencimento de opções.

"Os mercados mundiais subiram com os dados chineses, mas o vencimento ganha maior importância na bolsa brasileira. Como os índices norte-americanos apresentam leves altas, não devemos esperar que o Ibovespa feche em forte alta, apesar da queda na última sessão", comenta. Na sexta-feira, o Ibovespa caiu 2,34%, a 45.533 pontos, o que indica também um movimento de correção técnica neste pregão.

Diante disso, as ações da Vale (VALE3; VALE5), consideradas pesos-pesados do Ibovespa, deixam o PIB (Produto Interno Bruto) chinês em "segundo plano" com o vencimento de opções trazendo uma pressão a mais neste pregão. Os papéis ordinários da mineradora sobem 0,78%, a R$ 27,27, enquanto os preferenciais avançam 0,74%, a R$ 30,06. 

PIB chinês desacelera mas alcança expectativas
Na Ásia, chamou a atenção dos investidores a divulgação de indicadores chineses, com o PIB local registrando expansão de 7,5% no segundo trimestre, em linha com as estimativas do mercado, mas apresentando recuo em relação ao primeiro trimestre. Já a produção industrial chinesa registrou alta de 8,9%, ante expectativa de 9,1%. "Os dados chineses não foram bons, apesar do aumento nas vendas no varejo em junho, mas foram aceitáveis, uma vez que o mercado já esperava uma desaceleração no crescimento da maior economia do mundo", disse Galdi.

O resultado do PIB chinês deve impulsionar novas reformas por parte do governo. O presidente do banco central disse que o governo vai aumentar os incentivos para sustentar pequenas empresas buscando estabilizar o crescimento, mas analistas afirmaram que a desaceleração vai encorajar o governo a avançar com mais força nas reformas, uma vez que a alternativa, injetar mais dinheiro na economia através de afrouxamento monetário, levanta o risco de exacerbar os já aquecidos mercados imobiliário e de crédito.

Os dados chineses impulsionaram os índices asiáticos e europeus pela manhã, impulsionando as ações de mineradoras mundiais, mas o movimento de alta visto no início do pregão nas ações da Vale diminui - a China é o maior destino das exportações da mineradora brasileira e seus dados econômico costumam ter grande impacto nos ativos da Vale.

Grupo "X" e siderúrgicas em destaque
Por outro lado, as ações das empresas "X", de Eike Batista, figuram entre as maiores altas do índice: MMX Mineração (MMXM3, R$ 1,36, +16,24%), OGX Petróleo (OGXP3, R$ 0,47+9,30%) e LLX Logística (LLXL3, R$ 0,71, +7,58%).

As siderúrgicas também são destaque de alta após o Credit Suisse elevar sua recomendação para as ações preferenciais da Usiminas (USIM3, R$ 7,31, +6,87%; USIM5, R$ 7,14, +9,01%) de underperform (desempenho abaixo da média) para outperform (desempenho acima da média), com preço-alvo de R$ 10,00 para os próximos doze meses - representando um potencial de valorização de 52,67% em relação ao fechamento do pregão da última sexta-feira (12). 

Outras siderúrgicas como CSN (CSNA3), Gerdau (GGBR4) e Gerdau Metalúrgica (GOAU4), também registraram fortes altas após o anúncio do Credit Suisse.

Ainda entre as maiores valorizações desta segunda, aparece a Oi (OIBR3, R$ 3,88, +6,59%; OIBR4, R$ 3,54, +5,99%) dispara após anunciar a venda de sua participação na rede de cabos submarinos GlobeNet a um fundo do BTG Pactual. A negociação envolveu R$ 1,745 bilhão. Vale mencionar que as ações da companhia de telecomunicações caíram quase 8% nos últimos três pregões.

Focus reduz PIB de 2013 e eleva Selic de 2014
Apesar do PIB chinês em linha com o esperado, o ânimo dos investidores é afetado pela piora nas projeções apresentadas pelo Boletim Focus. O relatório divulgado pelo Banco Central nesta manhã apontou para menor crescimento econômico neste ano, com o PIB em 2,31%. A produção industrial brasileira também deve crescer menos do que o previsto anteriormente, com alta de 2,23% - ante expansão de 2,34%.

Sobre a Selic, embora a projeção para 2013 tenha se mantido em 9,25% ao ano, a estimativa para 2014 subiu para 9,50%.

Indicadores EUA
Nos EUA as vendas no varejo ficaram abaixo do esperado, com alta de 0,4% em junho, ante expectativa de 0,7%. No mês anterior o Retail Sales registrou aumento de 0,5%, em dados revisados.

A atividade manufatureira do estado de Nova York, medida pelo NY Empire State Index, subiu 9,46 pontos, valor muito além das projeções de 3,6 pontos. Já os estoques empresariais subiram 0,1%, com empresas apresentando cautela perante a fraca demanda doméstica.

França está se recuperando, diz Hollande
No noticiário europeu, ganha destaque o pronunciamento feito por François Hollande. O presidente francês garantiu, em uma entrevista televisiva no domingo, que a economia local está se recuperando.

O anúncio veio dois dias após a agência de classificação de risco Fitch rebaixar o rating da França de "AAA" para "AA+", citando uma deterioração na perspectiva da dívida do país.

 

Contato