Em mercados / acoes-e-indices

28 empresas divulgaram resultados no último dia da temporada; confira os balanços

CSN mostrou forte queda no lucro líquido, para R$ 16,3 milhões, enquanto Eletrobras encerrou o primeiro trimestre com prejuízo de R$ 36 milhões

Usiminas CSN Gerdau Siderurgia Aço Siderúrgica Indústria Steel
(Reuters)

SÃO PAULO - No último dia para a divulgação de resultados, diversas companhias divulgaram seus balanços. Chama a atenção os números da CSN (CSNA3), que mostrou um lucro líquido de R$ 16,3 milhões no primeiro trimestre de 2013, uma queda de 82,3% na comparação com igual período do ano passado.

Já a receita líquida de vendas da companhia somou R$ 3,64 bilhões, com leve alta em relação aos R$ 3,43 bilhões observados no mesmo período do ano anterior. Já o CPV (Custo dos Produtos Vendidos) passou de R$ 2,45 bilhões de janeiro a março de 2012 para R$ 2,85 bilhões em 2013. 

O lucro operacional, antes do resultado financeiro, também teve queda, passando de R$ 699,17 milhões para R$ 401,62 milhões, uma queda de 42,56%. A dívida líquida consolidada da companhia totalizou R$ 16,2 bilhões, um acréscimo de R$ 500 milhões em relação aos R$ 15,7 bilhões registrados no último dia de 2012. A CSN terminou o período com disponibilidades de R$ 14,1 bilhões.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) ajustado do 1º trimestre atingiu R$ 902 milhões, uma redução de 26% frente ao quarto trimestre de 2012, principalmente pela contribuição dos segmentos de mineração, siderurgia, logística e energia. Já a margem Ebitda (Ebitda/Receita Líquida) ajustada consolidada do primeiro trimestre atingiu 25%, uma redução de 2 pontos percentuais em relação àquela registrada nos últimos três meses de 2012.

O resultado financeiro líquido ficou negativo em R$ 527 milhões, basicamente devido a encargos de empréstimos e financiamentos, no total de R$480 milhões, despesas de R$ 6 milhões com atualização monetária de parcelamentos fiscais, variações monetárias e cambiais de R$31 milhões, incluindo os resultados com derivativos e outras despesas financeiras de R$48 milhões. Por outro lado, apontam a companhia, compensaram parcialmente estes efeitos negativos as receitas financeiras consolidadas de R$38 milhões.

Eletrobras: prejuízo e queda de 90% do Ebitda
A Eletrobras (ELET3, ELET6) encerrou o 1º trimestre com um prejuízo líquido de R$ 36 milhões, revertendo o lucro de R$ 1,27 bilhão registrado um ano antes. O resultado do período é o primeiro da empresa a refletir as novas tarifas de geração e transmissão de energia de ativos cujas concessões foram renovadas.
 

Segundo a Eletrobras, o balanço foi impactado negativamente por uma despesa líquida de R$ 85 milhões na conta Repasse de Itaipu, contra uma receita de R$ 706 milhões um ano antes. Também afetaram o resultado provisões para contingências de R$ 275 milhões, variação cambial - que apresentou uma perda consolidada de R$ 73 milhões -, e custo de combustível para produção de energia de R$ 557 milhões, ante R$ 89 milhões no mesmo período de 2012.

O Ebitda caiu mais de 90% nestes 12 meses, indo de R$ 2,2 bilhões para R$ 141 milhões. A receita operacional líquida da empresa, por sua vez, caiu 14,5%, fechando o primeiro quarto do ano em R$ 5,8 bilhões. Por fim, a dívida líquida terminou março em R$ 8,2 bilhões, mais do que o dobro dos R$ 3,7 bilhões registrados no fim de 2012.

OSX reverte lucro e tem prejuízo de R$ 20,7 mi
O destaque fica ainda para a OSX Brasil (OSXB3), empresa de estaleiros do grupo EBX, que registrou um prejuízo líquido de R$ 20,7 milhões, revertendo um lucro de R$ 10,2 milhões na comparação com o mesmo período do ano passado.

Já a receita líquida passou para R$ 96,1 milhões, com uma queda de 9,1% na comparação com os R$ 105,7 milhões observados no mesmo período do ano anterior. O Ebitda da companhia ficou negativo em R$ 12,4 milhões, revertendo o resultado positivo de R$ 21,4 milhões nos três meses de 2012. Este resultado negativo se deu em decorrência de maiores desembolsos com a implementação da UCN (Unidade de Construção Naval).

“Começamos 2013 reavaliando o plano de negócios da OSX, buscando uma melhor adequação ao atual cenário da indústria de óleo e gás no Brasil. Nesse sentido, temos como perspectiva priorizar os projetos geradores de caixa da unidade de Leasing e fasear a implantação do estaleiro no Açu", informou o diretor presidente da companhia, Carlos Bellot.

Além disso, Bellot ressaltou acreditar que a OSX atingirá todos os objetivos de longo prazo, "com firme disciplina de capital e priorização de esforços da equipe da OSX”. 

Ultrapar: lucro aumenta 29%
A Ultrapar (UGPA3) somou um lucro líquido de R$ 246,5 milhões no primeiro trimestre de 2013, crescimento de 29% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Já a receita líquida totalizou R$ 13,6 bilhões, crescimento de 10% frente os R$ 12,39 bilhões observados nos primeiros três meses de 2012. O Ebitda somou R$ 614 milhões, com alta de 23%, com uma margem Ebitda de 4,5%. 

“Iniciamos 2013 conforme planejamos, dando continuidade aos bons resultados dos anos anteriores e completando o vigésimo sétimo trimestre seguido de evolução positiva de Ebitda. Esse crescimento sustentado é fruto da estratégia implementada e dos bons negócios que possuímos, dos investimentos realizados para que eles sejam cada vez melhores e do nosso foco em criação de valor", avalia a companhia no comunicado de divulgação de resultados.

Transmissão Paulista registra queda no lucro de 65,4%
A Transmissão Paulista (TRPL4) registrou uma queda de 65,4% no lucro líquido trimestral, para R$ 71 milhões, mas o resultado ficou 
acima da expectativa do mercado. Analistas, em média, esperavam um lucro de cerca de R$ 61,6 milhões para empresa, segundo pesquisa da Reuters.

A companhia registrou uma queda de 82,7% na geração de caixa operacional medida pelo Ebitda, que foi de R$ 56,9 milhões.

O Ebitda ficou pouco acima da estimativa de R$ 51,8 milhões dos analistas, que já esperavam redução na cifra como consequência, entre outros fatores, de novas regras que impedem a empresa de contabilizar resultados de algumas empresas na qual tem participação em seu balanço. Os números passam a ser considerados pelo método de equivalência patrimonial.

A receita líquida da empresa apresentou uma redução de 59,3% para R$ 200,8 milhões, afetada principalmente pela redução na receita anual permitida (RAP) dos ativos que a empresa renovou a concessão, conforme as novas regras do governo. A expectativa de analistas era de que a receita líquida ficasse em R$ 214 milhões.

Cemig vê lucro subir 37%
A Cemig (CMIG4) teve lucro líquido de R$ 865,3 milhões no primeiro trimestre, alta de 37% na comparação anual, informou a companhia energética de Minas Gerais nesta quarta-feira.

O resultado ficou bem acima da estimativa média de analistas, que previam lucro de R$ 578,8 milhões, de acordo com pesquisa da Reuters. O lucro foi ajudado por uma alta de 15,2% na receita operacional líquida de janeiro a março, que totalizou R$ 3,68 bilhões.

Já o Ebitda cresceu 28,2% no primeiro trimestre na comparação anual, para R$ 1,59 bilhão. Os custos e despesas operacionais cresceram 6,9% no período, totalizando R$ 2,45 bilhões.

Equatorial reverte lucro com prejuízo de R$ 24,6 milhões
A Equatorial Energia (EQTL3) registrou prejuízo líquido de R$ 24,6 milhões, revertendo lucro de R$ 48,1 milhões registrado no primeiro trimestre de 2012. Segundo balanço da companhia, o resultado foi impactado negativamente diante do aumento no custo da energia com o uso de usinas térmicas.

O Ebitda da companhia caiu 52,2% na mesma base comparativa, com R$ 59,8 milhões. A margem Ebitda foi de 23,3% no primeiro trimestre de 2012 para 5,6% nos três primeiros meses deste ano.

Tegma vê lucro cair 93%
A Tegma (TGMA3) registrou um lucro líquido de R$ 1 milhão, uma queda de 93% em relação ao primeiro trimestre de 2012. Por outro lado, a receita líquida subiu para R$ 378,84 milhões, 10,8% na comparação com o mesmo período do ano anterior. 

Já o Ebitda ajustado caiu 51,7%, para R$ 20,05 milhões, enquanto a margem Ebitda ajustada caiu 6,8 pontos percentuais, para 5,3%. 

Copel: receita operacional totaliza R$ 2,38 bi
O lucro líquido da Copel (CPLE6) totalizou R$ 398,7 milhões no 1º trimestre de 2013, montante 24,7% superior aos R$ 319,7 milhões apurados no mesmo período do ano anterior.

Esse resultado é explicado, basicamente, segundo a companhia, pelo crescimento de 72,1% na receita de suprimento de energia em razão da estratégia de maior alocação de energia no mercado de curto prazo, realizado pela subsidiária Copel Geração e Transmissão no mês de janeiro, parcialmente compensado pelo maior custo com energia comprada para revenda, que subiu 39,5% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Já a receita operacional líquida somou R$ 2,38 bilhões, montante 17,6% superior aos R$ 2,02 bilhões registrados no ano anterior. Já o Ebitda somou R$ 665 milhões, com alta de 10,5%, enquanto a margem Ebitda teve queda de 6,1 pontos percentuais, para 27,9%. 

Coelce vê lucro líquido cair 47,9%
Já a Coelce (COCE5) somou um lucro líquido 47,9% inferior na comparação com o primeiro trimestre de 2012, totalizando R$ 63 milhões. Já a receita líquida registrou queda de 3,5%, para R$ 659,9 milhões no período.

O Ebitda, por sua vez, teve queda de 40,2%, para R$ 128,16 milhões, enquanto a margem Ebitda teve expressiva queda de 11,96 pontos percentuais, totalizando 19,42%.  

A Coelce encerrou o período com um total de 3,36 milhões de consumidores, o que representa um crescimento de 3,2% em relação ao mesmo período do ano anterior. O volume de energia vendida e transportada pela Coelce atingiu o montante de 2.609 gigawatts-hora (GWh), um incremento de 11,1% em relação ao volume registrado no primeiro trimestre de 2012, de 2.348 GWh.

Valid: lucro totaliza R$ 28,7 milhões
A Valid (VLID3) viu o seu lucro líquido subir 2,5%, para R$ 28,7 milhões, enquanto a receita líquida subiu 22,1%, para R$ 267,3 milhões. Já o Ebitda caiu 4,2%, totalizando R$ 50 milhões, enquanto a margem Ebitda teve queda de 4,5 pontos percentuais, para 17,9%.

"Sabemos que entregar um crescimento de dois dígitos este ano não será uma tarefa fácil para a companhia, tendo em vista as condições adversas de mercado, mas continuaremos direcionando nossas energias para o atingimento desta meta que será fruto de muito trabalho e dedicação de todo o nosso time, tendo sempre como focos principais o atendimento a nossos clientes da forma mais completa possível e a criação de valor a nossos acionistas", afirma a companhia.

Triunfo soma lucro de R$ 18,18 milhões
A empresa de concessões de infraestrutura Triunfo Participações (TPIS3) informou nesta quarta-feira que teve lucro líquido de R$ 18,18 milhões no primeiro trimestre, alta de 21,2% ante igual etapa de 2012.

Segundo a companhia, o resultado financeiro negativo de R$ 67,8 milhões no período, 98,7% acima do registrado um ano antes, impediu um lucro maior.

O resultado operacional medido pelo Ebitda subiu 42,9% na comparação anual, a R$ 154,5 milhões, com expansão de receitas e maior eficiência. A margem Ebitda passou de 53,5% para 59,4%.

A receita operacional líquida ficou em R$ 331,7, 43,8%  maior do que o de igual período de 2012. Na mesma comparação, a receita com pedágio subiu 8,4%, enquanto o tráfego de veículos equivalentes subiu 3,2%.

Para o diretor financeiro e de relações com investidores da empresa, Sandro Lima, o ritmo de aumento no tráfego deve diminuir, embora siga acima do crescimento da economia.

Iochpe-Maxion reverte lucro e registra prejuízo
A Iochpe-Maxion (MYPK3) teve um prejuízo líquido de R$ 936 mil no primeiro trimestre de 2013, revertendo o lucro líquido de R$ 9,4 milhões observados no mesmo período de 2012. Já a receita operacional líquida consolidada foi de R$ 1,43 bilhão, um aumento de 35,6% frente ao ano anterior. 

Já o Ebitda da companhia somou R$ 119 milhões, uma alta de 71,7% em relação ao mesmo período de 2012. Já o resultado financeiro ficou negativo em R$ 36,7 milhões, um aumento de 643,7% em relação ao resultado negativo de R$ 4,9 milhões entre janeiro e março de 2012.

Segundo a companhia, essa variação se deve ao aumento de R$ 11,7 milhões das despesas com juros sobre financiamento, a redução de R$ 2,8 milhões das receitas com aplicações financeiras, à redução de R$ 8,3 milhões nos ganhos relacionados à variação cambial e à redução de R$ 4,5 milhões dos descontos financeiros emcontas a pagar

BR Insurance: lucro de R$ 28 milhões
Já a BR Insurance (BRIN3), companhia de corretagem de seguros, registrou um lucro líquido ajustado de R$ 28 milhões, representando uma alta de 12% na comparação com o primeiro trimestre de 2012. A receita líquida apresentou alta de 32,5%, para R$ 58,97 milhões, ante R$ 44,51 milhões do mesmo período do ano anterior.

Já a receita bruta da companhia cresceu 31%, para R$ 64 milhões, enquanto o lucro operacional subiu 40%, para R$ 25 milhões. 

Energisa tem alta do lucro de 17%
Já a Energisa (ENGI4) reportou um lucro líquido 17% maior no trimestre, para R$ 80,1 milhões, enquanto a receita líquida subiu 5,5%, para R$ 689,6 milhões.

Enquanto isso, os custos subiram 1,8%, fazendo com que o lucro bruto registrasse uma alta de 14%, para R$ 235,2 milhões.

Qualicorp: receita avança para R$ 266,8 milhões
Já a Qualicorp (QUAL3) registrou um lucro líquido 7,4% maior no primeiro trimeste de 2013, somando R$ 16,3 milhões, enquanto a receita líquida avançou para R$ 266,8 milhões, um valor 34,4% maior do que o obtido um ano antes.

O Ebitda ajustado subiu 39,3%, para R$ 93,4 milhões, enquanto a margem Ebitda registrou alta de 1,23 ponto percentual, para 35%. O total de beneficiários apresentou um crescimento de 13,4% na comparação anual totalizando um incremento líquido de 524,7 mil beneficiários. Comparado com os últimos três meses de 2012, o incremento foi de 85,5 mil beneficiários.

Lucro líquido do Banrisul registra R$ 204,7 milhões
O Banrisul (BRSR6) registrou lucro líquido de R$ 204,7 milhões no primeiro trimestre, mostrando queda de 4,5% em relação ao mesmo período do ano anterior, quando registrou R$ 214,4 milhões. Já as despesas com provisão para operações de crédito cresceu 17,5%, de R$ 167,1 milhões para R$ 196,4 milhões na mesma base comparativa.

O índice de Basileia consolidado do banco subiu de 16,3% no primeiro trimestre de 2012 para 20,4% no mesmo período deste ano.

Lupatech diminuiu prejuízo em 16%
O  prejuízo da Lupatech (LUPA3) caiu 16% no primeiro trimestre, com R$ 58,3 milhões ante prejuízo de R$ 69,1 milhões registrado nos três primeiros meses de 2012. Já a receita consolidada totalizou R$ 141,5 milhões, superando o obtido no ano anterior em 22%.

Com o resultado, o Ebtida da empresa caiu 32%, com R$ 6,3 milhões. Já a margem Ebitda foi de 8% em 2012 e 4% neste ano.

Lucro líquido da Cesp sobe 58,3%
A Cesp (CESP6) registrou lucro líquido de R$ 339 milhões, aumento de 58,3% em relação ao obtido no primeiro trimestre de 2012. A receita operacional da companhia subiu 35,9% na mesma base comparativa, para R$ 1,1 bilhão.

Já o Ebitda da companhia foi de R$ 841,1 milhões, mostrando alta de 47,3% na mesma base comparativa. A margem Ebitda foi de 67,8% para 73,5%.

Ecorodovias registra lucro de R$ 111 milhões
O lucro líquido da Ecorodovias (ECOR3) foi de R$ 111,2 milhões, aumento de 3,5% em relação aos R$ 107,4 milhões somados no mesmo período de 2012. A receita líquida da companhia cresceu 40,3%, de R$ 405,2 milhões para R$ 568,3 milhões na comparação anual.

O Ebitda da empresa subiu 20,8%, de R$ 245,7 milhões no primeiro trimestre de 2012 para R$ 296,8 milhões neste ano. Já a margem Ebitda foi de 60,6% para 52,2% na mesma base comparativa.

Celesc: lucro virou para prejuízo
Outra companhia do setor elétrico a divulgar seu balanço, a Celesc (CLSC4) mostrou prejuízo líquido de R$ 180,7 milhões no 1º trimestre de 2013, revertendo o lucro de R$ 78,7 milhões obtido no mesmo período do ano passado.

A companhia elétrica de Santa Catarina mostrou ainda que sua receita operacional líquida cresceu 14,4% na mesma base comparativa, indo para R$ 1,279 bilhão. Já o Ebitda reverteu de R$ 147,4 milhões positivos para R$ 155,2 milhões negativos.

Technos tem prejuízo de R$ 1,3 milhão
Outra que mostrou reversão de lucro para prejuízo na comparação anual foi a Technos (TECN3). O resultado final dela passou de R$ 14,1 milhões positivos no 1º trimestre de 2012 para R$ 1,3 milhão negativo no 1º quarto deste ano. Já o Ebitda ficou positivo em R$ 2,3 milhões, mas bem abaixo dos R$ 13,9 milhões vistos entre janeiro e março do ano passado.

A receita líquida da companhia totalizou R$ 59,2 milhões, alta de 6,2%. Segundo mostra o balanço da Technos, a queda de 10,1% no volume de relógios vendidos na passagem anual - ficando em 576 mil unidades - foi ofuscado pela alta de 21,3% no preço médio por relógio vendido, que ficou em R$ 123.

Prejuízo da Inepar aumenta para R$ 32,5 milhões
A Inepar (INEP4) viu seu prejuízo aumentar de R$ 7,9 milhões para R$ 32,5 milhões entre os primeiros trimestres de 2012 e 2013. O principal motivador para esse aumento, segundo a empresa, foi o resultado financeiro, tendo em vista a queda de quase 50% nas receitas financeiras, que foram para R$ 28,9 milhões, movimento este que não foi acompanhado pelas despesas financeiras - que caíram 10% no período.

A receita operacional líquida cresceu 12,6%, para R$ 405,5 milhões.

Receita líquida da Springs Global subiu 35,5%
A Springs Global (SGPS3) teve um crescimento de 35,5% na receita líquida do 1º trimestre na comparação com o mesmo período do ano passado, ficando em R$ 610,5 milhões. No entanto, o Ebitda caiu 27,6%, para R$ 23,4 milhões, reduzindo a margem Ebitda em 4,1 pontos percentuais, para 4,7%.

Com isso, a empresa fechou o 1º quarto de 2013 com prejuízo líquido de R$ 31,6 milhões, indicando leve melhora ao que foi visto 12 meses atrás, quando relatou perdas líquidas de R$ 59,8 milhões.

Além dos resultados do 1T13, a empresa também divulgou suas estimativas para o restante do ano. A empresa estima vendas líquidas entre R$ 2 bilhões e R$ 2,2 bilhões no ano, com metade dessa receita sendo originada das operações de atacado da América do Sul.

Nutriplant registrou prejuízo de R$ 1,4 milhão
A Nutriplant (NUTR3M), empresa de capital nacional focada na produção de micronutrientes e fertilizantes especiais, encerrou o primeiro trimestre deste ano com prejuízo líquido de R$ 1,4 milhão, ante perda de R$ 2,9 milhões no mesmo intervalo de 2012.

A receita líquida da empresa cresceu 178% na comparação, para R$ 7,1 milhões, ainda sob o impacto da incorporação da Quirios, indústria de produtos químicos com sede em Barueri (SP), e da venda de ativos relacionados à produção de fertilizantes micronutrientes aplicados via solo, inclusive uma unidade produtiva em Paulínia (SP). 

Lucro da Trisul aumenta 167%
A Trisul (TRIS3) registrou lucro líquido de R$ 8 milhões no primeiro trimestre, aumento de 167% na comparação com o mesmo período do ano passado. A receita operacional líquida foi de R$ 161,009 milhões, queda de 18% em relação a 2012.

Tupy registra lucro de R$ 19,8 milhões
A Tupy (TUPY3) registrou queda de 52,8% em seu lucro líquido, de R$ 19,8 milhões no primeiro trimestre. Já a receita da companhia foi de R$ 701,8 milhões, apontando crescimento de 32,8% em relação ao primeiro trimestre de 2012.

Já o Ebitda ajustado da companhia aumentou 33,8% no período, com R$ 96,4 milhões.

General Shopping tem prejuízo de R$ 7,3 milhões
A General Shopping (GSHP3) apresentou seu balanço trimestral com prejuízo líquido de R$ 7,3 milhões, ante lucro de R$ 6,4 milhões registrados nos três primeiros meses de 2012. A receita líquida da companhia foi de R$ 38 milhões no ano anterior para R$ 49,9 milhões em 2013.

Já o Ebitda ajustado somou R$ 34,4 milhões no primeiro trimestre de 2013, ante R$ 26,8 milhões no mesmo período de 2012. Com isso, a margem Ebitda foi de 28,6% para 69% na mesma base comparativa.

 

Contato