Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa registra o pior 1º trimestre desde 1995, com queda de 7,55%

Apesar de alta na semana, índice registra fortes perdas em 2013; na sessão desta quinta-feira, índice registrou alta de 0,57% e na semana, alta de 2,01%

projeção_perspectiva_ações

SÃO PAULO - O Ibovespa encerrou a semana, encurtada por conta do feriado de páscoa, no positivo, em meio a uma sequência de três altas para o índice. O índice fechou esta quinta-feira com alta de 0,57%, a 56.352 pontos, acumulando valorização de 2,01% no acumulado dos últimas quatro sessões. O giro financeiro foi de R$ 6,78 bilhões.

Esta sequência de altas ocorreu nos últimos três pregões do mês, coincidindo com o movimento ocorrido em fevereiro, quando as três últimas sessões também foram de alta. No trimestre, entretanto, a queda foi de 7,55%, após queda de 1,87% no mês. Este foi o pior desempenho para os primeiros três meses do ano desde 1995, quando o benchmark fechou em queda de 31,58%.

O índice registrou alta na sessão impulsionado pela forte valorização das ações da Eletrobras (ELET3+11,84%; R$ 6,99; ELET6+16,19%; R$ 12,70), após divulgar um prejuízo líquido de R$ 6,88 bilhões em 2012. Com esta forte alta, a ação PNB da companhia liderou os ganhos do benchmark na semana, com alta de 11,60%. O índice registrou ganhos mesmo após as ações da OGX Petróleo (OGXP3), com a terceira maior participação do índice, inverterem para baixo, com perdas de 3,35%, a R$ 2,31, na quarta maior queda do benchmark. 

A queda de outras ações de companhias com grande participação no índice fecharam em queda, mas não levaram o Ibovespa para o negativo. Dentre elas, as ações PNA da Vale (VALE5), com expressiva baixa de 1,16%. Entretanto, o maior destaque de baixa ficou com os ativos da Marfrig (MRFG3), com baixa de 5,17%, a R$ 8,44, em meio à divulgação de resultados da companhia. Por sua vez, na semana, a MMX Mineração (MMXM3) registrou as piores perdas, com queda acumulada de 9,05%

As maiores altas, dentre as ações que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 ELET6 ELETROBRAS PNB 12,70 +16,19 +21,18 73,09M
 ELET3 ELETROBRAS ON 6,99 +11,84 +10,43 43,28M
 CYRE3 CYRELA REALT ON 17,33 +4,71 -3,13 61,36M
 FIBR3 FIBRIA ON 24,40 +3,61 +8,11 40,16M
 NATU3 NATURA ON 49,38 +3,31 -13,95 67,25M



As maiores baixas, dentre os papéis que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 MRFG3 MARFRIG ON 8,44 -5,17 -0,47 125,40M
 MMXM3 MMX MINER ON 2,21 -4,74 -50,34 12,69M
 HYPE3 HYPERMARCAS ON 15,89 -3,70 -4,39 73,68M
 OGXP3 OGX PETROLEO ON 2,31 -3,35 -47,26 213,06M
 LLXL3 LLX LOG ON 2,12 -3,20 -11,67 9,49M


As ações mais negociadas, dentre as que compõem o índice Bovespa, foram :

 Código Ativo Cot R$ Var % Vol1 Neg 
 VALE5 VALE PNA 33,24 -1,16 392,87M 22.990 
 ITUB4 ITAUUNIBANCO PN 35,99 +1,52 313,59M 20.352 
 BBDC4 BRADESCO PN EB 34,14 +2,43 276,53M 20.589 
 PETR4 PETROBRAS PN 18,35 -0,38 260,07M 19.092 
 OGXP3 OGX PETROLEO ON 2,31 -3,35 213,06M 23.602 
 BBAS3 BRASIL ON 27,45 +2,04 171,80M 17.116 
 CIEL3 CIELO ON 59,53 +1,43 169,99M 7.768 
 AMBV4 AMBEV PN 84,33 +0,76 134,65M 4.636 
 MRFG3 MARFRIG ON 8,44 -5,17 125,40M 14.636 
 PDGR3 PDG REALT ON 3,11 -0,64 125,03M 14.452 

* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)
 

Mercados no Brasil e nos EUA
Além disso, chama a atenção o S&P 500, principal índice do mercado acionário norte-americano, que apresentou seu recorde histórico de fechamento. Já por aqui, o Banco Central divulgou o relatório trimestral de inflação, indicando que acompanhará a evolução do cenário até sua próxima reunião para decidir os próximos passos da política monetária brasileira. 

No relatório, o BC indicou que o PIB brasileiro deve crescer 3,1% em 2013 e piorou sua perspectiva para a inflação. O IPCA (Índice de Preços ao Consumidor - Amplo) deve atingir 5,7% no ano e 5,3% em 2014, ante estimativa anterior de 4,8% para 2013 e 4,9% para o próximo ano.

A terceira prévia do PIB (Produto Interno Bruto) dos Estados Unidos referente ao quarto trimestre de 2012 apontou que a economia teve avanço de 0,4% em bases anuais, ficando acima das projeções dos analistas, que esperavam uma expansão de 0,3% na atividade econômica, ante avanço de 0,1% registrado na segunda prévia.

Já o Initial Claims, que aponta o número de pedidos de auxílio-desemprego, veio pior do que o esperado por analistas. Na semana finalizada em 23 de março, foram observadas 357 mil novas solicitações no país, contra expectativa de 338 mil e 341 mil pedidos registrados na semana anterior. Por fim, esteve a divulgação do sentimento do consumidor indicado pela Universidade de Michigan, que apontou 72 pontos, em linha com o apresentado no mês anterior.

Alemanha e Chipre em foco na Europa
Na Europa, o foco se volta também ao Chipre, cujos bancos reabrem nesta quinta-feira, após quase duas semanas fechados, com fortes restrições. O governo teme que muitos correntistas corram aos caixas para retirar dinheiro e, com isso, a crise bancária se agrave.

Para evitar essa corrida, foram criadas regras emergenciais para limitar a quantia em saques após o país entrar em acordo com a União Europeia para receber um resgate de € 10 bilhões. O limite para saque será de € 300 por dia e transferências para bancos de outros países também serão controladas.

Ainda no Velho Continente, o mercado reflete a taxa de desemprego da Alemanha, que permaneceu em 6,9% em março, conforme previam analistas consultados pela agência Dow Jones. 

A semana para o índice
 Em meio a forte sequências de quedas e após atingir o menor patamar desde julho, o Ibovespa passou por uma recuperação. A longa sequência de quedas sugeria que o mercado brasileiro poderia passar por uma correção técnica de curto prazo. O índice, que começou janeiro em um movimento de forte alta, já acumula perdas de 9% em 2013.

A Europa continuou no radar econômico, em meio à indecisão sobre quem será o primeiro-ministro italiano. No país, há uma divergência sobre apoio à Pier Luigi Bersani, que teve o partido mais votado nas eleições, por parte do partido de Silvio Berlusconi, que exige membros de seu partido no governo local em troca de apoio.

Entretanto, o grande destaque da semana ficou com o acordo de € 10 bilhões entre o Chipre e seus credores internacionais protegerá os depósitos de até € 100 mil, mas que acarretará em mais perdas para os depósitos acima deste valor. 

 Para garantir a injeção de € 10 bilhões na economia cipriota, o país criou um "plano B", que inclui a liquidação do segundo maior banco local, o Banco Popular, e um imposto de até 40% sobre os depósitos superiores a € 100 mil no Banco do Chipre, segundo informações na imprensa internacional. Com o acordo, o Chipre terá que fazer reformas e privatizações, além de reformular seu sistema financeiro e aumentar impostos sobre ganhos de capital. 

Além disso, destaque para o anúncio do PIB (Produto Interno Bruto) final em alguns países da zona do euro. O Reino Unido confirmou uma retração de 0,3% da economia nos três últimos meses de 2012, mesmo desempenho visto na França, que também revelou seus números nesta manhã. Já a confiança na economia da zona do euro caiu mais que o previsto em março.

No cenário corporativo, destaque para a intensa temporada de resultados, na última semana de divulgação dos balanços. A OGX relatou um aumento de 130% em seu prejuízo anual na noite de quarta-feira, mas registrou alta das ações na sessão posterior. Outra companhia que se destacou após a divulgação dos resultados foi a PDG Realty (PDGR3), após registrar um prejuízo de de R$ 1,79 bilhão no trimestre. 

 

Contato