Destaques da Bolsa

Ações de Petrobras e Vale caem 1% com baixa das commodities; CSN sobe 6% antes de resultado e JBS segue alta da véspera

Confira os destaques da B3 na sessão desta quinta-feira (15)

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A sessão desta quinta-feira (15) começou com baixa quase generalizada para o Ibovespa, com o número de contaminações pelo coronavírus aumentando na Europa e o impasse sobre o pacote de estímulos nos EUA. Contudo, o índice amenizou as perdas ao longo do dia.

Entre as baixas do índice ficaram a PetroRio (PRIO3, R$ 36,23, -5,60%), Petrobras (PETR3, R$ 19,79, -1,10%; PETR4, R$ 19,75, -1,10%) e Vale (VALE3, R$ 62,47, -0,84%) em meio à queda de commodities. Os contratos futuros do petróleo caíram mais de 3%, à medida que novas restrições impostas pelo mundo para tentar conter o avanço de infecções por Covid-19 aumentam incertezas sobre as perspectivas de crescimento econômico e de recuperação na demanda por combustíveis.

Aprenda a investir na bolsa

Com a imposição de restrições voltando ao radar, os papéis de companhias aéreas, como Azul (AZUL4, R$ 25,73, -0,31%) e Gol (GOLL4, R$ 19,53, -0,46%) também recuaram.

Já os futuros do minério de ferro ampliaram perdas hoje e o contrato de referência na bolsa de Dalian tocou nova mínima de duas semanas, com crescentes estoques do material em portos e o enfraquecimento da demanda física por produtos de aço pesando sobre o sentimento do mercado.

O contrato mais negociado do minério de ferro na bolsa de Dalian, para janeiro de 2021, encerrou em queda de 2,2%, a 787,50 iuanes por tonelada. O contrato chegou a cair para 783,50 iuanes mais cedo na sessão, o nível mais fraco desde 30 de setembro.

Bancos também abriram em queda, mas amenizaram, caso de Santander (SANB11, R$ 31,70, -1,46%), Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 23,49, -0,89%) e Bradesco (BBDC3, R$ 19,17, -0,21%; BBDC4, R$ 20,74, -0,67%), enquanto o Banco do Brasil (BBAS3, R$ 31,06, +0,68%) subiu. Além do cenário externo negativo, no radar das companhias está a divulgação na véspera pelo Banco Central do ranking dos usuários cadastrados por instituição para o seu programa de pagamento instantâneo (PIX).

“No geral, o resultado foi negativo para os bancos sob nossa cobertura, tanto pelo elevado número de chaves cadastradas quanto pelo fraco desempenho dos incumbentes. Foram acionadas 33,7 milhões chaves nos primeiros 10 dias de cadastro, um número bem acima de nossas expectativas e que pode implicar em uma chance maior de sucesso para o programa. Além disso, o ranking apresentou uma pequena participação de mercado de 35% para os bancos incumbentes, enquanto o Nubank sozinho ficou com 24% de participação. MercadoPago e PagSeguro também alcançaram uma fatia de mercado surpreendentemente boa de 27%, provavelmente beneficiados pelos comerciantes”, ressalta Marcel Campos, analista da XP Investimentos (confira o relatório).

Apesar dos números ruins para o setor bancário, o analista segue com perspectiva positiva em relação aos bancos independentemente do acontecido, uma vez que já se assumia que as tarifas de varejo irão cair sistematicamente, “e portanto acreditamos que tal evento já esteja precificado”.

PUBLICIDADE

Entre as altas do índice ficou a CSN (CSNA3, R$ 19,45, +5,71%), que inaugura a temporada de resultados do terceiro trimestre após o fechamento do mercado, em meio à expectativa de números fortes para a companhia. A Usiminas (USIM5, R$ 10,85, +6,06%) também viu as suas ações em forte valorização. No radar das empresas, está a notícia de que outro aumento de preços de aços planos a distribuidores virá em novembro, acumulando alta de 40% no ano.

A JBS (JBSS3, R$ 22,40, +4,28%) também estendeu a forte alta da véspera, ainda que de forma mais modesta; na quarta, os papéis foram impulsionados pelo acordo da J&F, controlada da companhia, com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos para pagar US$ 128 milhões de multa em caso derivado da Lava Jato.

As empresas “X” OSX (OSXB3, R$ 16,04, +6,93%) e MMX (MMXM3, R$ 17,25, +1,47%) também voltaram ao radar dos investidores na sessão, mais uma vez com forte volatilidade, subindo forte, até 54% no começo da tarde, mas perdendo força depois. Isso após abrirem seguindo as fortes perdas registradas na véspera – e depois de terem registrado um forte rali no mês até a sessão do dia 13 de outubro.

Confira os destaques:

JBS (JBSS3, R$ 22,40, +4,28%)

Na véspera, a J&F, holding que controla a JBS, anunciou na quarta-feira que fechou um acordo com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos para pagar US$ 128 milhões de multa em caso derivado da Lava Jato. A empresa se declarou culpada de violar a legislação norte-americana contra corrupção.

Com o acordo, a ação subiu mais de 9% na véspera. “Enxergamos os acordos como sendo fortemente positiva para a empresa, principalmente pelos valores acordados serem irrisórios em relação ao balanço da JBS, com impactos positivos tanto no curto prazo como no longo prazo para as ações da empresa, que agora possui caminho livre para a listagem de seus ativos na Bolsa Norte-Americana e o mercado deve precificar os resultados financeiros positivos divulgados pela empresa nos recentes balanços”, destaca a Levante Ideias de Investimentos.

Por outro lado, a Procuradoria-Geral da República denunciou na quarta-feira à Justiça o governador do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB) e Joesley Batista e Wesley Batista, da JBS, além de outras 21 pessoas. O grupo é acusado de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

O MPF afirma que o esquema teve início em 2003, mas foca a denúncia no período entre 2014 e 2017, quando o governador e outros denunciados teriam recebido R$ 67 milhões em propina. Como contrapartida, os agentes públicos teriam garantido isenções fiscais e benefícios à JBS em valores acima de R$ 209 milhões. O MPF pede a condenação por crimes, a perda do cargo público para aqueles no governo e indenização em danos morais coletivos no valor de R$ 277 milhões.

PUBLICIDADE

O caso será julgado pelo Superior Tribunal de Justiça, já que o governador Azambuja tem foro privilegiado. Em nota repercutida pelo portal G1, Azambuja afirmou que recebeu a denúncia com indignação, e que aguarda a oportunidade de “fazer valer o direito à ampla defesa, até este momento não concedido”.

De acordo com a Bloomberg, a JBS não quis comentar e disse que o assunto é de responsabilidade da J&F. J&F não respondeu imediatamente ao pedido de comentário feito pela Bloomberg.

Mercado Livre (MELI34, R$ 707,00, +2,17%)

O grupo argentino de comércio eletrônico MercadoLibre Inc. anunciou que deve bater recorde de R$ 4 bilhões de investimento no Brasil em 2020, e que planeja ampliar esse valor em 2021. Os investimentos fazem parte de um plano para fortalecer a infraestrutura logística em um momento em que a pandemia do novo coronavírus impulsiona vendas online.

Natura &Co (NTCO3, R$ 49,70, +0,61%)

A Natura Cosméticos teve seu rating elevado pela S&P de BB- para BB. A agência cita o fato de que a Natura &Co Holding levantou cerca de R$ 5,6 bilhões em sua oferta pública para distribuição primária (follow on), a maioria do qual será usada para reduzir a dívida da Avon Products.

A agência diz que há riscos com uma reformulação operacional da Avon e uma potencial segunda onda da covid-19, mas comenta que a demanda geral no mercado de cosméticos tem se recuperado mais rápido do que suas expectativas. Para a S&P, o grupo tem registrado “resultados sólidos” nos últimos meses, graças às vendas digitais.

Recomendações

O Credit Suisse iniciou a cobertura para as ações do Burger King Brasil (BKBR3, R$ 10,93, +4,10%) com recomendação outperform (desempenho acima da média do mercado) com preço-alvo de R$ 14 (upside de 30%). O mesmo banco também iniciou cobertura para Pague Menos (PGMN3, R$ 9,60, +2,56%), também com recomendação outperform e preço-alvo de R$ 13,50. Nesta semana, Santander e JPMorgan iniciaram cobertura para os ativos PGMN3 com a mesma recomendação.

O Credit destacou que a Pague Menos estreou na Bolsa em setembro de 2020 e é a terceira maior cadeia de farmácias do Brasil, com liderança no Norte e no Nordeste, onde tem 10,5% e 20,5% do mercado, respectivamente.

O banco afirma que a Pague Menos está em posição de impulsionar seu crescimento, com estrutura de capital saudável e iniciativas para aumentar a produtividade e margem Ebitda.

PUBLICIDADE

Sobre o setor de restaurantes brasileiro, o Credit destacou foco especial no setor de fast food, que tem receita de R$ 100 bilhões no país. O banco afirma que cerca de 18% da renda mensal dos brasileiros é gasta em comida, e que mudanças na sociedade aumentaram a parcela desse valor gasta em refeições na rua de 24% para 33%, nos últimos 15 anos.

O banco avalia que a crise da covid-19 fez com que muitos restaurantes fechassem e outros precisassem se adaptar. E acredita que grandes redes tendem a oferecer refeições mais baratas. As cadeias de fast food são mais resilientes, e tendem a se beneficiar de plataformas digitais para chegar a consumidores.

Além de iniciar a cobertura do Burguer King Brasil em outperform, iniciou a cobertura da Arcos Dourados (NYSE: ARCO), dona da marca McDonald’s, com avaliação neutra.

IRB (IRBR3, R$ 7,00, -2,23%)

Depois de ser questionada por diversos investidores, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) decidiu abrir um processo para analisar o relatório do UBS BB acerca das ações do IRB Brasil.

No início do mês, na noite do dia 5, o UBS BB retomou a cobertura dos papéis do IRB, recomendando venda com preço-alvo de R$ 4,60; as ações da resseguradora caíram 17,11% no dia seguinte.

Ânima (ANIM3, R$ 29,82, -1,45%)

A Ânima Educação informou que, até o presente momento, não foi notificada pela Laureate a respeito de qual das propostas formuladas pelos competidores teria sido a escolhida como a mais vantajosa.

O esclarecimento tem em vista as notícias veiculadas na imprensa no sentido de que a Laureate teria escolhido a proposta da companhia de educação para disputar com outra instituição os ativos do Grupo no Brasil, no âmbito do processo estruturado de venda dos referidos ativos.

“A Ânima Educação reitera, conforme comunicado ao mercado apresentado em 8/10/2020, que apresentou proposta para aquisição dos ativos da Laureate no Brasil, o que está em total consistência com seu posicionamento amplamente divulgado, de constante análise de oportunidades do mercado, especialmente, nesse caso, considerando que o Brasil é um país continental e a Ânima Educação tem a missão de transformar o país pela Educação. De toda forma, o desfecho sobre a celebração de eventual negócio jurídico é decisão exclusiva do Grupo Laureate e está fora do controle dos competidores”, afirmou no comunicado.

A companhia informou que manterá o mercado informado acerca da evolução do processo estruturado tratado no presente fato relevante e permanece à disposição para eventuais esclarecimentos ou sugestões através do RI.

Vale destacar que o Itaú BBA reiterou a recomendação das ações da Anima Educação (ANIM3) em outperform (com performance acima da média do mercado). O banco destacou que a Anima incluiu 14,6 mil novos alunos de graduação no segundo semestre de 2020, 4,6% a menos do que o mesmo período do ano anterior, mas em linha com as estimativas. O Itaú BBA ressaltou que, mesmo com a pandemia, a Anima tem um crescimento orgânico do número total de alunos de 2,8%, atingindo 116 mil em 2020.

OSX (OSXB3, R$ 16,04, +6,93%) e MMX (MMXM3, R$ 17,25, +1,47%)

Com forte volatilidade no mês de outubro e queda de 52,78% para MMXM3 e baixa de 28,57% para OSXB3, as companhias divulgaram comunicados.

Em meio aos questionamentos da CVM sobre a oscilação dos papéis, a MMX reitera acreditar que as recentes oscilações atípicas estejam relacionadas ao fato relevante divulgado em 30 de setembro de 2020, em que protocolizou petição junto ao juízo de sua recuperação judicial, buscando recuperar o ativo Mina Emma, cuja exploração pode ser de grande relevância econômica para a companhia.

“A companhia constatou que nos últimos dias foram publicadas diversas matérias jornalísticas
comentando o fato relevante a recente valorização das ações. As matérias publicadas podem ter contribuído com o aumento do volume de negociações e do preço das ações. A companhia reitera que não tem conhecimento de qualquer outro ato ou fato relevante que possa justificar as oscilações atípicas identificadas pela B3”, apontou.

Já a OSX informou que recebeu correspondência de Roberto Lombardi de Barros informando sobre a alienação de 114.100 ações ordinárias de emissão da empresa, de modo que passou a deter participação de 3,97% de participação no capital social da empresa.

Rumo (RAIL3, R$ 19,05, +0,63%)

O Credit Suisse reduziu suas estimativas para o Ebitda da Rumo Logística em 2020 e 2021 em 8,1% e 6,8% respectivamente. As ações da empresa caíram 14% durante o mês passado. O banco afirma que a queda nos preços pode ter ocorrido devido a pressão competitiva de curto prazo, riscos à lavoura devido ao clima e ao aumento das taxas de juros no longo prazo.

Movida (MOVI3, R$ 18,78, +1,73%)

A Movida Participações aprovou nova emissão de R$ 600 milhões em debêntures.

Quer aprender a fazer trades rápidos? Analista disponibiliza treinamento gratuito de scalping por tempo limitado – clique aqui para participar!

(Com Reuters)