Destaques da Bolsa

Ações de Copel saltam 7% e Eletrobras avança 3% com sinais de menor participação estatal; Sabesp ameniza e fecha em alta de 2%

Confira os destaques da B3 na sessão desta segunda-feira (15)

SÃO PAULO – A sessão foi de alta para companhias do setor de energia elétrica, em meio a perspectivas de menor participação estatal em algumas empresas. A Copel (CPLE6, R$ 6,76, + 7,30%) teve novo salto, de mais de 7%, ainda tendo no radar reforma do estatuto social, que abre espaço para redução da participação do governo paranaense na elétrica, assim como o desdobramento de ações e programa de units.

Os papéis da Eletrobras (ELET3, R$ 32,92, +3,52%;ELET6, R$ 33,11, +2,32%) fecharam com ganhos. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), classificou como “tolerável” o modelo proposto pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para privatização da Eletrobras. O Executivo assinou uma medida provisória incluindo a estatal e suas subsidiárias no Programa Nacional de Desestatização (PND) e condicionando a capitalização à aprovação da MP.

Antes de ser eleito para o comando do Senado, Pacheco tirou a privatização da Eletrobras da lista de prioridades para sua gestão. Agora, porém, após o envio da MP ao Legislativo, o presidente do Senado afirmou que o modelo proposto pelo governo não é a privatização pura e simples, mas um processo de capitalização com oferta de novas ações ao mercado, de modo que o poder público fique com 45% dos ativos totais da empresa.

Também na ponta positiva, estiveram as ações das aéreas Azul (AZUL4, R$ 42,84, +4,16%) e Gol (GOLL4, R$ 24,07, +5,66%) registraram fortes ganhos. Em destaque, estão os dados da economia brasileira, que iniciou 2021 com alta acima da esperada de 1,04% em janeiro, segundo o IBC-Br, embora haja desafios à frente por causa da pandemia.

Além disso, os investidores monitoram o noticiário sobre a possível saída de Eduardo Pazuello, ministro da Saúde, do cargo, o que poderia ter efeito na campanha de vacinação, uma vez que ele tem sido criticado pela condução das medidas para conter a pandemia.

“O mercado acompanha de longe a troca no comando da Saúde, mas – dada a situação – pode até reagir positivamente a um choque na gestão da pandemia”, destacam os analistas da Levante Ideias de Investimentos.

Vale ressaltar que a sessão é de alta para as ações ligadas ao setor de turismo na Europa, o que acaba influenciando a cotação dos papéis por aqui, apesar do aumento das restrições com a piora da pandemia dificultar as operações das companhias instaladas aqui no curto prazo.

No radar corporativo da Gol,  a assembleia geral extraordinária para tratar sobre a incorporação da Smiles prevista para ser realizada nesta segunda não foi instalada em primeira convocação por falta do quórum de instalação necessário. A Smiles informou que adotará oportunamente as providências necessárias para a realização da segunda convocação da assembleia geral extraordinária. As ações SMLS3 fecharam em queda de 1,85%, a R$ 22,85.

PUBLICIDADE

Já a sessão foi novamente de queda para as ações da Vale (VALE3, R$ 96,82, -0,60%) com nova baixa do minério; contudo, os papéis diminuíram as perdas ao longo do pregão.

As ações da Sabesp (SBSP3, R$ 39,58, +2,41%) chegaram a subir forte, cerca de 5%, mas amenizaram, fechando em alta de cerca de 2%. Segundo informações da CNN, o governador de São Paulo João Doria (PSDB) pretende convidar Roberto Castello Branco, presidente da Petrobras em fim de mandato, para ser o novo CEO da companhia de saneamento do estado de São Paulo.

O atual CEO da Sabesp é Benedito Braga, engenheiro civil que foi indicado para o cargo em janeiro de 2019. Braga foi secretário de Recursos Hídricos na gestão do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB).

Os papéis das varejistas de e-commerce, por sua vez, tiveram movimentos distintos. Via Varejo (VVAR3, R$ 12,24, +3,73%) e B2W (BTOW3, R$ 65,82, +2,99%), que caem 24% e 13% no ano, respectivamente, tiveram uma sessão de alta. Já o Magazine Luiza (MGLU3, R$ 23,72, -3,46%), que tem perdas menores, de cerca de 5% no ano, recuou 3,46%.

Confira os destaques a seguir:

Smiles (SMLS3) e Gol (GOLL4)

Foi adiada a assembleia de acionistas da Smiles para discussão da proposta de incorporar a empresa feita pela Gol por falta do quórum de instalação necessário. A companhia informou que adotará oportunamente as providências necessárias para a realização da segunda convocação da assembleia geral extraordinária.

A proposta estaria sujeita à aprovação de dois terços dos acionistas minoritários da Smiles (o grupo de controle não vota).

Os acionistas teriam duas opções para se candidatar: 1º) 20% em dinheiro (R$ 4,46) + 80% de swap de ações (0,825 GOLL4 para cada 1 SMLS3, ou R$ 17,73, com base na última cotação da ação), totalizando R$ 22,19 / SMLS3. A última cotação da Smiles é de R$ 20,55, atualmente oferecendo um ganho de 8% para o titular do SMLS4; 2º) 80% à vista (R$ 17,86) + 20% de swap de ações (0,165 GOLL4 para cada 1 SMLS3, ou R$ 3,55, com base na última cotação da ação), totalizando R$ 21,41 / SMLS3. A última cotação da Smiles é de R$20,55, oferecendo atualmente um ganho de 4,2% para o titular do SMLS4.

PUBLICIDADE

“Assumindo a aprovação do negócio, a Gol teria que emitir cerca de 10 milhões a 48 milhões de novas ações, promovendo uma diluição entre 3% e 12% para os atuais acionistas da Gol”, avaliou a Safra Corretora antes do anúncio do adiamento da reunião.

Oi (OIBR3;OIBR4)

A Oi  concluiu a venda da unidade de data center Titan Venture Capital e Investimentos por um total de 325 milhões de reais, de acordo com fato relevante da companhia de telecomunicações nesta segunda-feira.

A Titan realizou o pagamento de uma parcela à vista em dinheiro no montante de 250 milhões de reais e o restante será pago em parcelas, informou a Oi, que está em processo de recuperação judicial.

Petrobras (PETR3;PETR4)

A Petrobras informou na sexta que o mandato da diretoria executiva será estendido automaticamente até que o conselho de administração da empresa delibere sobre a eleição dos novos presidentes e diretores executivos, cujos mandatos seriam encerrados em 20 de março.

Mas a assembleia de acionistas para escolher os novos conselheiros, incluindo o indicado para ser o novo presidente-executivo, Joaquim Silva e Luna, só ocorrerá em 12 de abril. Com a extensão dos mandatos, deve ser resolvido um hiato entre a saída do atual presidente e a chegada do novo, que ocorreria devido aos trâmites para Luna ser eleito.

Rumo (RAIL3)

A operadora de ferrovias Rumo e o Ministério da Infraestrutura divergem sobre a melhor alternativa para a extensão de 600 km da Malha Norte, o prolongamento da ferrovia de Rondonópolis, sul do Mato Grosso, até Lucas do Rio Verde, no mesmo estado. As informações são do Valor. A Rumo quer fazer a obra mediante aditivo m seu contrato de concessão, que vale até 2079. O ministro Tarcísio Freitas entende que construir um trecho tão extenso sem licitação seria objeto de contestação no TCU.

Mitre Realty (MTRE3)

No radar de recomendações, o Credit Suisse iniciou a recomendação para os papéis da Mitre Realty com recomendação outperform (desempenho acima da média do mercado), com preço-alvo de R$ 17.

Bancos

Já o Itaú BBA manteve a recomendação outperform do Bradesco, com um preço-alvo de R$ 32, enquanto rebaixou o Banco do Brasil para underperform (desempenho abaixo da média do mercado), enquanto Santander Brasil diminuiu a recomendação para marketperform (desempenho em linha com a média do mercado).

Carrefour (CRFB3)

PUBLICIDADE

O varejista francês Carrefour, controlador do Carrefour Brasil, foi multado em 1,75 milhão de euros por pressionar fornecedores em negociações de preços de contratos anuais, afirmou o Ministério das Finanças da França, na sexta. A decisão do Tribunal de Comércio de Paris acontece após investigação sobre as práticas do Carrefour durante as negociações de preço de 2016 com fornecedores.

Vale (VALE3), Usiminas (USIM5), Ternium 

O Bradesco BBI realizou uma “viagem virtual à China” na semana passada, encontrando-se com economistas, consultores, produtores e negociadores de metais. O banco afirma que o sentimento é positivo, com expectativa da maioria dos participantes de crescimento de entre 8% e 9% do PIB da China em 2021, frente à meta do governo de 6%.
O setor deve ser central em 2021, com a desaceleração gradual do mercado de propriedades.

O setor de infraestrutura continua a dar apoio ao crescimento, apesar de utilizar menos aço do que em ciclos anteriores. A maior parte dos participantes do mercado disse esperar preços do minério de ferro acima de US$ 150 por tonelada no primeiro semestre.

Segundo o Bradesco, há um legítimo impulso verde do governo chinês, com promoção a energia renovável, por exemplo. Mas não há consenso sobre a velocidade e o momento de cortes de produção na China. Caso haja cortes na produção, deve haver alta de preços de aço, e baixa nos preços do minério de ferro. Mas a demanda de outros países poderia compensar pela queda na China. O banco mantém a Vale como sua top pick (ação preferida) para o setor na América Latina. Em seguida vêm Usiminas e Ternium.

Já os futuros do minério de ferro na China chegaram a cair mais de 6% nesta segunda-feira, após o importante pólo siderúrgico da cidade de Tangshan se comprometer com cortes de emissões de 50% durante o período de maior poluição, com punições a quem não implementar restrições de produção.

O contrato mais ativo do minério de ferro na bolsa de commodities de Dalian DCIOcv1, para entrega em maio, recuou 6,3% em certo momento, para 1.005 iuanes (US$ 154,55 ) por tonelada, menor nível desde 8 de fevereiro. O contrato encerrou com baixa de 3,5%, a 1.035 iuanes por tonelada.

Veja também
China aperta o cerco e minério de ferro cai 6% na semana: por que isso não deve preocupar os investidores da Vale?

 

Suzano (SUZB3), Klabin (KLBN11), CMPC

O Bradesco BBI destacou as suas impressões após encontro virtual com produtores, negociadores, consultores e macroeconomistas na China na semana passada sobre  mercado de papel e celulose.  O banco aponta que o consumo e a produção de papel parecem estar em um estágio saudável, com a China “já de volta ao normal” após a pandemia. A atividade industrial, o e-commerce, eventos públicos, suprimentos a escolas, entre outros fatores, dão suporte à demanda.

Fabricantes de papéis não têm obtido alocações de volumes completas, à medida que os inventários dos produtores de madeira estão apertados. Fabricantes pequenos e médios têm inventários baixos de celulose, e os dos grandes produtores de papel podem ficar em uma situação mais justa no segundo trimestre.

O banco destaca que produtores de celulose de fibra longa anunciaram preços de entre US$ 980 e US$ 1.000 toneladas na China. Produtores de celulose de madeira dura devem seguir essa linha, chegando a entre US$ 780 a US$ 800 toneladas em abril.

A visão geral é de um mercado pressionado até o terceiro trimestre de 2021, pelo menos, com os preços da celulose mantidos em níveis altos em 2021 antes de recuarem em 2022, com a ativação de novas capacidades no mercado.

O Bradesco mantém a Suzano como op pick (ação preferida) no setor na América Latina, seguida pela CMPC e pela Klabin. Todas têm avaliações de outperform (expectativa de valorização acima da média do mercado).

Hapvida (HAPV3) e Grupo Notre Dame (GNDI3)

O Morgan Stanley destaca que os papéis de Hapvida e Grupo Notre Dame representam uma oportunidade de adicionar companhias de alta qualidade com fortes vantagens competitivas e portfólios, com potencial de valorização de 30% e sinergias. As empresas anunciaram sua fusão no início do mês.

Segundo o banco, a fusão poderia eliminar o risco de competição entre as duas, já que, em suas últimas aquisições, as empresas começaram a entrar no território uma da outra. Assim, seria questão de tempo antes que passassem a competir diretamente, disse o banco.

Segundo o Morgan Stanley, a fusão geraria R$ 44 bilhões adicionais, impulsionados por receitas, custos, sinergias e menos volatilidade. O ganho de escala poderia permitir reajustar preços abaixo da inflação, levando a uma vantagem competitiva estrutural e espaço para cobrir um segmento maior do mercado.

O banco destaca, no entanto, que o negócio ainda precisa ser aprovado na reunião de acionistas em 29 de março. Depois disso, a ANS (Agência Nacional de Saúde) e o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) ainda precisam analisar o negócio. O Morgan Stanley diz esperar que o negócio seja aprovado até o primeiro trimestre de 2022. Até lá, as empresas têm poucos motivos para divulgar previsões e projetos de sinergias.

 

Energisa (ENGI11)

A Energisa, que controla distribuidoras de energia e tem negócios em transmissão e geração renovável, prevê ampliar os investimentos em 2021 em quase 45%, para R$ 3,9 bilhões, contra R$ 2,7 bilhões em 2020. Desse valor, R$ 834 milhões seriam para projetos de transmissão em andamento. As informações foram divulgadas pelo diretor financeiro da companhia, o CFO Maurício Botelho, durante teleconferência com investidores na sexta.

CCR (CCRO3)

O Bradesco BBI comentou as informações divulgadas pela CCR quanto ao seu portfólio de estradas com pedágio, que tiveram queda de 8% no tráfego na comparação anual, uma queda significativa comparada com o tráfego ajustado da semana anterior, e uma queda de 9 pontos percentuais. Houve queda de 59% na comparação anual para a mobilidade urbana, e de 60% nas concessões de aeroportos.

Você ganhou um curso de ações 100% online e ao vivo. Durante 4 aulas, André Moraes explica como faria para lucrar na Bolsa de começasse hoje. Clique aqui para assistir!