Ações de Equatorial, UOL e Randon dividem preferência em carteiras de small caps

Levantamento contém os portfólios mensais recomendados por três instituições, com duas sugestões para cada companhia

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – As ações preferenciais da Randon e do UOL, além das ordinárias da Equatorial, receberam o maior número de recomendações nas carteiras de small caps dos analistas para maio, segundo levantamento realizado pela InfoMoney que incluiu três portfólios sugeridos por corretoras.

As três carteiras recomendadas de papéis de empresas de menor porte selecionadas neste mês são de: Fator, Omar Camargo e SLW.

Randon sofre menos com a crise

Das três instituições que divulgaram suas carteiras, duas listaram os papéis das companhias em suas sugestões. Representando o setor industrial, a Randon aparece na ponta da relação pelo segundo mês consecutivo, com os analistas confiantes na capacidade da empresa de atravessar a crise sem perdas substanciais em suas operações.

Aprenda a investir na bolsa

A equipe da SLW, por exemplo, acredita que, apesar da forte redução da atividade no ano passado, a empresa deve ter um 2009 proveitoso. Os sinais de melhora da demanda por caminhões e o início da temporada de safras propiciam boas projeções por parte da instituição, que aposta que a empresa retomará seus negócios de forma mais consistente já neste segundo trimestre.

Já a Socopa considera que a companhia tem capacidade para passar pela crise sem retrair significativamente suas operações, se beneficiando quando as condições econômicas melhorarem, o que deve acontecer no segundo semestre do ano. Ademais, a Randon tem “boa geração de caixa, amplo market share e baixo nível de alavancagem financeira”, avalia a corretora.

Para este ano, cabe lembrar que a empresa divulgou que espera obter um faturamento bruto de R$ 4 bilhões e vendas líquidas consolidadas de R$ 2,8 bilhões, expectativas julgadas adequadas pela SLW. Paralelamente, os investimentos praticados no período devem atingir US$ 130 milhões e as exportações US$ 240 milhões, informou a Randon.

UOL possui caixa expressivo

Também com duas sugestões, os papéis do UOL aparecem bem cotados entre os analistas. Além dos bons resultados apresentados nos últimos trimestres, a empresa possui um expressivo caixa de aproximadamente R$ 600 milhões que é alvo de elogios.

Conforme análise da SLW, a companhia não utilizou até o momento os recursos captados em seu IPO (Oferta Inicial de Ações), o que a possibilita realizar alguma aquisição, se aproveitando dos ativos mais depreciados, ou outros tipos de investimentos.

Neste sentido, cabe destacar que o UOL anunciou em seu orçamento para 2009 uma proposta para aumentar a capacidade de hospedagem e processamento de dados. O plano está avaliado em R$ 208 milhões, com recursos provenientes de retenções de lucro, posição de caixa e um empréstimo junto ao Governo federal. A iniciativa seria uma adequação à crescente demanda por serviços de hospedagem.

PUBLICIDADE

Por último, destaque para o lucro de R$ 36,8 milhões da empresa no primeiro trimestre de 2009, cifra 50% maior do que a registrada no mesmo período de 2008. O número de assinantes do portal também apresentou crescimento, de 23% na mesma base de comparação, e fechou o mês de março em 1,2 milhão.

Equatorial bem posicionada

A Equatorial, por sua vez, é apontada como uma boa opção de investimento devido aos robustos dividendos, qualidade comum no setor energético. Além disso, a empresa possui um bom nível de caixa e continuará prospectando oportunidades de investimentos nos segmentos de distribuição e geração, afirma a Ativa.

Já a SLW destaca que a companhia possui participação na Light e na distribuidora Cemar, podendo se beneficiar de bons resultados de ambas. Paralelamente, a corretora lembra que os ativos da energética vêm apresentando uma performance bem superior à do Ibovespa no acumulado do ano.

Finalmente, destaque também para a recente elevação do rating corporativo da Equatorial pela Fitch. Segundo a agência de classificação de risco, a promoção reflete a continuidade do sólido desempenho operacional e manutenção do robusto perfil financeiro da companhia.