Ações da Gol (GOLL4) têm derrocada de 33,6% na sessão com desdobramentos do Chapter 11

Cortes de rating, dados divulgados pela aérea e saída do ADS estão no radar da companhia

Equipe InfoMoney

Boeing 737 MAX da companhia aérea Gol se prepara para pousar no aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre (Foto: REUTERS/Diego Vara)

Publicidade

As ações da Gol (GOLL4) registraram a sua queda mais expressiva na Bolsa brasileira desde que pediu recuperação judicial nos EUA (Chapter 11), na última quinta-feira (25). Os ativos GOLL4 fecharam em queda de 33,61%, a R$ 3,93, nesta sessão de segunda-feira (29), também marcada por diversos acontecimentos para a aérea.

Na tarde desta segunda, as ações chegaram a ter as negociações interrompidas (para depois intensificarem a queda) após o juiz-chefe da corte de falências de Nova York, Martin Glenn, ter aceitado interinamente o pedido da Gol para fazer um empréstimo Debtor-in-Possession (DIP), uma modalidade de crédito específica para empresas em situação financeira difícil, de US$ 950 milhões.

A autorização provisória permite entrada imediata de US$ 350 milhões na companhia assim que o juiz norte-americano autorizasse provisoriamente a transação. O restante do DIP Financing pode ser repassado a companhia após a aprovação final do financiamento pela Corte de Nova York.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Mais cedo, a aérea divulgou que encerrou dezembro com endividamento de R$ 20,176 bilhões. Além disso, ela informou que tinha patrimônio líquido negativo em R$ 23,3 bilhões ao fim do quarto trimestre, uma piora de 6% na comparação com trimestre imediatamente anterior.

Na noite de sexta, a Gol informou ainda a decisão da Bolsa de Valores de Nova York (NYSE) de suspender as negociações das ADS (Ação Depositária Americana) da companhia aérea. A companhia disse que não pretende recorrer da decisão da NYSE de cancelar a listagem dos ADSs e não antecipa que o cancelamento da listagem dos ADSs afetará as operações ou os negócios da empresa.

Segundo o Citi, a decisão não parece surpreendente, à luz do protocolo do Chapter 11. “Embora uma saída bem-sucedida do Chapter 11 nos EUA possa eventualmente ajudar a Gol a melhorar seu balanço patrimonial e seus custos, esta medida coloca ainda mais riscos de queda para o patrimônio atual”, avalia o Citi, que tem recomendação de venda para os ADRs da empresa.

Continua depois da publicidade

Enquanto isso, mais casas estão revisando as ações após o pedido de reestruturação nos EUA. O BB-BI reduziu a recomendação para venda e o preço-alvo para R$ 2,40 nesta segunda, vendo grande diluição para os acionistas.

Para os analistas do banco, é concreta a possibilidade de que parte da dívida seja convertida em ações. Em um cenário base onde o controlador (ABRA), que possui cerca de US$ 1,2 bilhão em títulos de dívida, realize tal conversão, estima um fator de diluição acima de 60% para os acionistas correntes, com preço-alvo reduzindo a R$ 2,40. “Por isso, acreditamos que a relação risco/retorno neste momento é desfavorável para o investidor e, para evitar destruição de valor, sugerimos a saída do papel”, aponta o BB-BI.

A XP Investimentos informou ter colocado a ação da companhia sob revisão, à medida que a empresa inicia o processo judicial. Na semana passada, o Itaú BBA também colocou a ação em revisão, enquanto o Goldman Sachs deixou de cobrir os papéis, o JPMorgan manteve recomendação de venda e o Bradesco BBI cortou a recomendação para equivalente à venda e vê a ação a R$ 1.

Na sexta, a S&P Global Ratings e a Fitch Ratings rebaixaram a nota global da Gol de “CCC-” para “D”.

A Fitch reconhece que a empresa registrou uma melhora em métricas operacionais desde a pandemia de covid-19, mas explica que o aumento dos pagamentos de arrendamentos (lease) e os juros elevados pressionaram a geração de fluxo de caixa, o que torna o perfil de dívida insustentável.

A S&P também cita que a companhia brasileira enfrenta uma pesada carga de dívida, apesar da melhora nas métricas operacionais em 2023. De acordo com a análise, o cenário reflete elevados pagamentos de leasing, gastos com capital e atraso nas entregas do Boeing 737 Max, que pressionam o fluxo de caixa.