Ações da Braskem (BRKM5) ignoram operação da PF e disparam 7% na sessão; entenda

Menor risco de implosão da mina 18 em Maceió e de que a Petrobras vai aumentar sua fatia na empresa são explicações

Vitor Azevedo

Publicidade

As ações preferenciais série A da Braskem (BRKM5) subiram 7,07% nesta quinta-feira (21), negociadas a R$ 21,05. O movimento se dá apesar de a Policia Federal ter, no início da manhã, realizado uma operação na sede da petroquímica.

A operação em questão se deu para investir a exploração de sal-gema em Maceió, cidade que vem sofrendo com a instabilidade do solo e o afundamento de bairros por conta da atividade da companhia.

Para especialistas, a alta de hoje é explicada, no entanto, também por conta de uma notícia relacionada ao tema.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“Compreendemos que o aumento no valor das ações está ocorrendo por dois motivos. Um deles foi o comunicado da Defesa Civil de Maceió ontem, indicando que a mina 18 da Braskem, anteriormente sob ameaça de colapso, está agora em fase de estabilização”, avalia Chrystian Matias de Oliveira, analista de indústria da Levante Corp.

O coordenador da Defesa Civil, Abelardo Nobre, declarou que os sismógrafos não detectaram atividade sísmica adicional na região e não há evidências de alterações na pressão, indicando que o processo de erosão da cavidade está retornando ao ritmo natural, conforme esperado. Mais dados devem ser coletados até a próxima terça.

“Essa sinalização é favorável para minimizar os riscos de possíveis incidentes adicionais na região, o que contribui para a redução das ameaças associadas a potenciais complicações em Maceió”, diz Oliveira.

Continua depois da publicidade

Além disso, há também a notícia que circulou na terça-feira sobre o interesse de a Petrobras (PETR4) ampliar sua fatia na Braskem, hoje de 36,1%. A Novonor, que tem 50,1% do capital social, está interessada, há tempos, em vender sua participação na companhia.

De acordo com a fonte escutada pela Reuters, o governo federal não vai permitir um fatiamento da petroquímica e também não irá liberar recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para empresas brasileiras interessadas na compra da Braskem. As ações da petroquímica, com isso, subiram 7,15% nessa quarta.

“Essa medida seria tomada com o objetivo de facilitar uma possível venda para investidores estrangeiros, como informado por uma fonte que acompanha de perto os desenvolvimentos relacionados à empresa nos setores Executivo e Legislativo”, explica o analista da Levante.

“Dessa forma, o comprometimento da petroleira em facilitar o processo de venda poderia gerar um maior fluxo comprador pelas ações e acelerar o destrave de valor por meio do processo de venda. Os investidores reagiram de forma positiva diante dessa perspectiva, refletida no comportamento positivo dos papéis”, acrescenta.

A cautela, contudo, continua. Na avaliação do Bradesco BBI, a investigação da PF de hoje cedo poderia levar a Braskem a aumentar suas provisões, o que teria ramificações para o potencial acordo de fusões e aquisições, que provavelmente levará muito tempo para se concretizar, dadas as investigações do Congresso, previstas para serem realizadas no início de 2024.