Governo avalia opção de Petrobras ampliar fatia na Braskem; ação BRKM5 sobe 7,15%

As intenções do governo foram repassadas de forma direta pelo próprio presidente Lula em reunião, diz Reuters

Reuters

Publicidade

O governo federal avalia que a Petrobras (PETR4) pode aumentar sua participação na Braskem (BRKM5) para facilitar uma eventual venda a investidores estrangeiros após o agravamento do caso de afundamento do solo em área onde a petroquímica tem minas em Maceió, afirmou nesta terça-feira uma fonte que acompanha de perto as movimentações envolvendo a empresa no Executivo e no Legislativo.

De acordo com a fonte, o governo federal não vai permitir um fatiamento da petroquímica e também não irá liberar recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para empresas brasileiras interessadas na compra da Braskem.

As intenções do governo foram repassadas de forma direta pelo próprio presidente Luiz Inácio Lula da Silva em reunião que contou com as duas principais lideranças políticas de Alagoas no Congresso – o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e o senador Renan Calheiros (MDB-AL), que são adversários políticos – além de ministros, outros parlamentares e autoridades locais, segundo a fonte.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Leia também:

Downgrade da Braskem não assusta, mas crise em Maceió embaralha venda: ‘Não se faz cheque em CPI’

“O que o Lula falou bem claro foi o seguinte, e aí foi um recado bem claro a quem estava na mesa: se a Petrobras precisar aportar algum recurso a mais para que fortaleça a posição de compra por fundos externos, internacionais, esse é o movimento”, disse a fonte.

Continua depois da publicidade

Atualmente, a Petrobras tem 36,1% do capital total da Braskem e 47% do capital votante da empresa. A Novonor, ex-Odebrecht, detém participação de 50,1% no capital votante da Braskem e de 38,3% no capital total.

No início de novembro, o grupo petrolífero de Abu Dhabi Adnoc fez uma oferta não vinculante, no valor de 10,5 bilhões de reais, pela participação que a Novonor tem na Braskem, segundo a petroquímica brasileira.

Procurada, a Petrobras não respondeu de imediato a um pedido de comentário. A estatal tem reiterado em entrevistas ter uma situação privilegiada na Braskem, pois tem tanto o direito de preferência para comprar a fatia da Novonor colocada à venda, quanto direito de “tag along” para vender sua participação no negócio. Já a participação da Novonor na Braskem é detida em garantia por bancos credores da empresa.

A ideia, segundo informações anteriores de executivos da Petrobras, é esperar um quadro mais claro sobre as negociações envolvendo a fatia da Novonor para que a estatal possa tomar uma decisão final. O novo plano estratégico da Petrobras 2024-2028 inclui recursos para a eventual aquisição de fatia na Braskem, mas um movimento sobre o tema dependerá de análises e conclusões internas.

Procurada a Novonor preferiu não comentar o assunto. Questionado sobre a reunião de Lula para discutir a questão da Braskem, o Palácio do Planalto não respondeu de imediato.

NACIONAIS

Na reunião ocorrida na semana passada com ministros, parlamentares e autoridades locais, Lula também teria colocado em panos limpos que não haverá recursos do BNDES para empresas brasileiras interessadas na compra da Braskem.

“O BNDES, o presidente disse, não aportará nenhum recurso para nenhuma empresa nacional comprar a Braskem, porque não gera emprego novo. E a prática do BNDES é gerar novos empregos”, disse a fonte.

Dois grupos brasileiros já entregaram propostas a bancos credores da Novonor pela compra do controle acionário da Braskem: Unipar (UNIP6) e J&F.

A Braskem entrou no foco de discussões no governo e no Congresso após novo episódio de afundamento de solo em bairro de Maceió por conta de colapso de uma mina de exploração da sal-gema.

A atividade de extração de sal sob Maceió pela Braskem já havia sido interrompida em 2019 após bairros da cidade registrarem rachaduras em ruas e em edifícios.

A empresa gastou mais de R$ 9 bilhões e provisionou mais cerca de R$ 5 bilhões desde que as autoridades afirmaram, em 2018, que suas operações na capital alagoana contribuíram para o afundamento do solo.

Em 13 de dezembro, a Braskem tornou-se oficialmente alvo de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) no Senado para que sejam apuradas suas responsabilidades, apesar do pedido do governo para que a temperatura baixasse.

Um dia depois da instalação da CPI, a Braskem viu a Fitch Ratings cortar sua nota de crédito em escala global de “BBB-” para “BB+”, colocando o rating em observação negativa.

As ações da Braskem subiram 7,15%, cotadas a R$ 19,47, enquanto o Ibovespa teve valorização de 0,59%.