Destaques da bolsa

Ação da Eletrobras sobe após fala de ministro sobre privatização; Camil salta 4% com resultado e bancos têm nova queda

Confira os destaques da B3 na sessão desta sexta-feira (10)

(Eletrobras)

SÃO PAULO – Após chegar a registrar alta de até 0,69% no intraday, o Ibovespa não conseguiu sustentar os ganhos e fechou em queda de 0,38%, na sexta sessão seguida de perdas e com baixa de 1,93% na semana.

Boa parte do movimento aconteceu por conta dos bancos, que iniciaram a sessão em alta, mas tiveram uma recuperação breve. O aumento da concorrência e a agenda do Banco Central de estímulo à competição colocam dúvidas em relação à rentabilidade dos bancos e afetam mais uma vez as ações de Banco do Brasil (BBAS3), Bradesco (BBDC4) e Itaú Unibanco (ITUB4).

Já a ação da Braskem (BRKM5), que era destaque de alta no início da sessão, virou para queda, mas ainda registra ganhos expressivos no mês, de 15,28%, desde que assinou acordo para apoiar a desocupação e compensação de cerca de 17.000 moradores de áreas de risco em Maceió (AL).

PUBLICIDADE

Fora do índice, Camil (CAML3) avançou mais de 4% após apresentar os resultados do terceiro trimestre. Já as ações da Eletrobras (ELET3;ELET6) ganharam força e fecharam com ganhos de 2,36% para a ação ON e 1,45% para os ativos PN após Bento Albuquerque, ministro de Minas e Energia, dizer que governo trabalha para aprovar privatização da Eletrobras no primeiro semestre, para que a empresa seja vendida no segundo semestre.

A Natura (NTCO3), por sua vez, subiu 2,12% após ter a recomendação elevada pelo Citi de neutra para compra, com um preço-alvo de R$ 48, o que corresponde a um potencial de valorização de 12% em relação ao fechamento da última quinta-feira.

Maiores altas

AtivoVariação %Valor (R$)
TIMP32.6415116.32
ELET32.3634140.28
GOAU42.171669.88
NTCO32.1190542.89
WEGE32.0408234

Maiores baixas

AtivoVariação %Valor (R$)
RADL3-3.1683109.72
CVCB3-3.1113242.04
BTOW3-2.5867166.28
BBAS3-2.3501849.86
HAPV3-2.1293462.05

Confira os destaques:

Petrobras (PETR3;PETR4)

A Petrobras fechou um aditivo de um termo de compromisso com a Petros, fundo de pensão dos funcionários da petroleira, referente a obrigações relativas a planos de empregados admitidos antes de 1º de julho de 1970, chamado de grupo Pré-70. O valor total do pagamento a ser realizado pela Petrobras é de R$ 8,852 bilhões.

Em comunicação sobre transação com parte relacionada, a Petrobras explica que o aditivo estabelece as condições de pagamento pela estatal aos planos administrados pela Petros. Em novembro, o Conselho Deliberativo do fundo de pensão aprovou a cisão dos planos onde estavam alocados estes funcionários ou ex-funcionários, e que se inscreveram como beneficiários até 1º de janeiro de 1996 e se mantiveram vinculados ininterruptamente.

Ficou estabelecido que, nesta mudança, a Petrobras ficaria responsável por eventuais desequilíbrios no passivo do Pré-70. Essa cisão, segundo informou a Petros à época, é um dos primeiros passos para a implementação do novo PED, uma proposta de reequilíbrio para equacionar os déficits de 2015 e 2018. O grupo é formado também por funcionários que conseguiram na Justiça atender as condições retroativamente. Segundo a Petrobras, foram concedidas garantias em óleo e derivados estocados no mesmo valor da transação. O prazo de término do compromisso é de 20 anos a partir da data de assinatura do termo de compromisso, realizada em outubro de 2008.

PUBLICIDADE

Também em destaque, o presidente Jair Bolsonaro defendeu mais uma vez ontem  (9) uma mudança na forma de cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre os combustíveis. Segundo ele, o tributo deveria ser calculado sobre o valor vendido nas refinarias e não nos postos de combustíveis. O ICMS é um tributo estadual que varia de 25% a 34%, no caso da gasolina, sobre o valor do litro vendido nos postos. A alíquota de ICMS sobre o diesel varia de 12% a 25%, e sobre o etanol de 12% a 34%, segundo a Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e Lubrificantes (Fecombustíveis).

“O que eu pretendo é fazer com que o ICMS seja cobrado do preço do combustível na refinaria e não no final, na bomba de gasolina, aqui na frente. Hoje em dia, a média do ICMS é 30% do preço da bomba, vamos arrendondar os números. A gasolina está R$ 2 na refinaria, está R$ 5 lá na bomba. Os governadores, como regra, aplicam o ICMS, que é em 30%, no final da linha”, disse durante sua live (transmissão) semanal no Facebook. O governo federal tem estudado formas de compensar a alta no preço dos combustíveis, especialmente depois da eclosão da crise envolvendo Estados Unidos e Irã, que teve reflexos no preço internacional do petróleo.

Uma eventual mudança de cobrança, como a sugerida por Bolsonaro, é complexa e teria que contar com o apoio de governadores e do Congresso Nacional. O ICMS sobre os combustíveis representa uma fatia importante de arrecadação tributária dos estados. Durante a live, o presidente disse que a responsabilidade pela alta dos preços não deve recair apenas sobre o Executivo federal e defendeu o que chama de “divisão de responsabilidade”.

O presidente também defendeu a possibilidade de venda direta de etanol, pelas usinas, aos postos de combustível. Segundo ele, isso poderia reduzir em cerca de 20 centavos o valor do litro do combustível. Atualmente, essa venda direta é proibida por uma resolução da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). A norma estabelece que todo combustível deve passar por empresa distribuidora antes de chegar às bombas.

Comgás (CGAS5)

A Comgás, distribuidora de gás natural na Grande São Paulo, Baixada Santista e Vale do Paraíba, elegeu o engenheiro Nelson Roseira Gomes Neto como novo diretor-presidente da empresa. A companhia também elegeu novos diretores para oito áreas diferentes e assinou um contrato de compra e venda de gás natural com a Petrobras.

Gol (GOLL4)

Refém da crise enfrentada pela norte-americana Boeing, a Gol precisou improvisar e alugar aeronaves para fazer frente à demanda de assentos do início do ano. Temendo prejuízos em julho, a empresa conta com uma solução para o imbróglio envolvendo o 737 Max até março e espera operar o modelo já em abril para se preparar para a alta temporada. A aeronave foi suspensa desde meados do ano passado após dois acidentes graves deixarem centenas de vítimas.

“Durante a baixa temporada, de fevereiro até junho, o Max não faz diferença para a gente. Julho é a grande questão”, disse o vice-presidente de operações da Gol, Celso Ferrer, durante reunião com analistas e investidores, nesta quinta-feira, em São Paulo.

Ferrer destacou o intervalo de dois meses entre abril e julho para definir as medidas que a empresa vai adotar para o período de alta temporada. “Se tivermos um atraso adicional, teremos de construir um crescimento de capacidade para julho”, disse.

PUBLICIDADE

O evento da Gol contou com a presença do diretor regional de marketing de produtos da Boeing, Jeffrey Haber. Ele apontou o primeiro trimestre deste ano como uma boa meta para liberar a aeronave. “Há riscos, claro”. O retorno das operações do avião tem sido um tema delicado. O modelo tem passado por uma série de revisões após determinação de órgãos reguladores em todo o mundo. A decolagem, entretanto, tem sido constantemente postergada.

Notre Dame (GNDI3)

A operadora de saúde Notre Dame Intermédica, de São Paulo (SP), aprovou um plano de recompra das ações ordinárias da empresa. Segundo a Notre Dame, a recompra será feita através da B3. A empresa tem 458,3 milhões de ações ordinárias no mercado e outras 308,9 mil em tesouraria. O objetivo da recompra é a possível alienação dos papéis no futuro. A recompra começou ontem mesmo e irá o dia 8 de julho de 2020. A única intermediária na operação é a corretora do Citigroup no Brasil, informou a Notre Dame.

Banco Inter (BIDI11

O Banco Inter, que atua apenas em plataforma digital, comunicou ontem ao mercado que chegou a 4,1 milhões de correntistas no final de 2019. Segundo o Inter, houve um crescimento de 180% na base de clientes sobre 2018. A originação de crédito atingiu R$ 4,3 bilhões no ano passado, uma expansão de 75% sobre 2018. “Em dezembro, abrimos uma média de 13 mil contas por dia útil”, comunicou o banco”.

Paranapanema (PMAM3)

A produtora de tubos, ferros, vergalhões e laminados Paranapanema comunicou ontem ao mercado que no dia 13 de janeiro deste ano terá um novo diretor de operações, o engenheiro Sérgio Arosti Maturana. Ele substituirá a Alexandre Ávila de Moura, que ontem entregou carta de demissão à Paranapanema.

Camil (CAML3)

A companhia Camil Alimentos reportou lucro líquido de R$ 66,096 milhões no quarto trimestre de 2019. O valor representa queda de 56,02% na comparação com o lucro líquido de R$ 150,295 milhões de igual período do ano anterior. Os dados foram divulgados nesta Quinta-feira (9) em balanço enviado à CVM. Enquanto isso, a receita da companhia fechou o trimestre em R$ 1,443 bilhão. O resultado representa crescimento de 13,95% ante a cifra de R$ 1,266 bilhão na mesma base de comparação.

A lucratividade da Camil começa a melhorar. Esta é a avaliação da Corretora Itaú BBA sobre a produtora de alimentos, ao analisar que ela entrou em tendência de recuperação da lucratividade, à medida que os volumes da produção de arroz e os preços do açúcar começaram a subir. O Itaú BBA manteve o papel da Camil como na média do mercado, com um preço-alvo de R$ 9,00. “A Camil reportou uma expansão da margem Ebitda de 190 pontos de trimestre a trimestre, e um aumento nos volumes de arroz que superaram nossas expectativas em 3,5%’’, comentou a BBA.

(Com Agência Estado e Agência Brasil)

Seja sócio das melhores empresas da Bolsa: abra uma conta na Clear com taxa ZERO para corretagem de ações!