Resumo do mercado

A novidade sobre a Previdência que fez o Ibovespa subir 0,7% e renovar máxima histórica

Segundo o Estadão, a PEC prevê que a idade mínima poderá ser definida por lei complementar, mas cria regras transitórias até aprovação desses textos

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O Ibovespa abandonou durante a tarde o pessimismo que marcou boa parte do pregão desta segunda-feira (4) e passou a subir após a divulgação de informações sobre a reforma da Previdência que o governo Jair Bolsonaro deve apresentar.

Segundo informações do Estadão/Broadcast, o texto deve propor idade mínima de 65 anos para homens e mulheres se aposentarem no Brasil. De acordo com o jornal, estes dados constam em uma minuta da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que será encaminhada ao Congresso Nacional ainda em fevereiro.

Com isso, o Ibovespa fechou com ganhos de 0,74%, aos 98.588 pontos, maior patamar do dia e marcando mais uma vez sua máxima histórica. O volume financeiro ficou em R$ 14,054 bilhões.

PUBLICIDADE

Enquanto isso, o contrato de dólar futuro com vencimento em março teve alta de 0,27%, a R$ 3,675, ao passo que o dólar comercial fechou com valorização de 0,29%, cotado a R$ 3,6728 na venda. 

No mercado de juros futuros, o contrato com vencimento em janeiro de 2021 subiu 4 pontos-base, para 6,98%, enquanto o contrato para janeiro de 2023 avançou 4 pontos, a 8,06%.

Segundo a reportagem do Broadcast, o texto sobre a idade mínima foi confirmado por três fontes que participaram da elaboração da reforma. Duas fontes, porém, ressaltaram se tratar de versão preliminar, ainda sujeita a possíveis mudanças.

A PEC prevê que a idade mínima poderá ser definida por lei complementar, mas cria regras transitórias até aprovação desses textos.

Também consta no texto a vinculação da aposentadoria dos militares estaduais às das Forças Armadas. Outra mudança proposta pelo projeto governista é a introdução de um sistema de capitalização de “caráter obrigatório”.

Invista melhor seu dinheiro: abra uma conta de investimentos na XP.

PUBLICIDADE

O mercado reage bem às informações uma vez que uma das principais preocupações atuais é justamente o rombo fiscal provocado pela Previdência Social. A padronização da idade mínima independente de gênero e a inclusão de militares, que vêm sendo alvo de grande polêmica, é um aceno positivo do governo em direção a uma guinada na política fiscal, caso as informações sejam confirmadas.

Destaques de ações

As maiores altas, dentre as ações que compõem o índice Bovespa, foram:

 Cód.AtivoCot R$% Dia% AnoVol1
 GOLL4 GOL PN N226,98+8,27+7,49151,21M
 SANB11 SANTANDER BRUNT50,34+3,26+21,1480,55M
 MRFG3 MARFRIG ON6,60+3,13+20,8851,64M
 EGIE3 ENGIE BRASILON43,83+2,74+32,7448,94M
 CYRE3 CYRELA REALTON17,15+2,51+10,8647,77M

As maiores baixas, dentre os papéis que compõem o índice Bovespa, foram:

 Cód.AtivoCot R$% Dia% AnoVol1
 VALE3 VALE ON44,68-3,39-12,391,60B
 BRAP4 BRADESPAR PN27,97-2,71-9,91176,62M
 CIEL3 CIELO ON11,72-2,58+31,83190,49M
 ELET3 ELETROBRAS ON36,81-2,10+51,9296,41M
 CSNA3 SID NACIONALON9,90-1,98+11,99117,39M

As ações mais negociadas, dentre as que compõem o índice Bovespa, foram:

 CódigoAtivoCot R$Var %Vol1Vol 30d1Neg 
 VALE3 VALE ON44,68-3,391,60B1,60B60.371 
 PETR4 PETROBRAS PN N226,03+0,891,39B1,59B42.666 
 BBDC4 BRADESCO PN EJ45,67+2,21788,67M658,38M34.143 
 ITUB4 ITAUUNIBANCOPN ED39,69+2,27693,57M779,80M40.059 
 ABEV3 AMBEV S/A ON18,45+1,88425,66M438,94M41.927 
 BBAS3 BRASIL ON53,10+1,90405,05M518,78M21.881 
 RENT3 LOCALIZA ON32,85+0,15317,73M176,84M34.336 
 PETR3 PETROBRAS ON N230,36+1,13315,71M259,62M15.810 
 B3SA3 B3 ON32,27+1,03247,89M395,03M21.275 
 ITSA4 ITAUSA PN13,80+1,92228,08M364,55M22.114 

* – Lote de mil ações
1 – Em reais (K – Mil | M – Milhão | B – Bilhão)
IBOVESPA

Política

A eleição de Rodrigo Maia (DEM) para a Câmara dos Deputados já era amplamente esperada, mas suas declarações sobre a reforma da Previdência pesaram para o mercado mais cedo. Em entrevista a jornais, o presidente da Câmara disse que o governo ainda não tem os 308 votos necessários para aprovar o texto. 

As eleições conturbadas no Senado também não ajudam o governo. Apesar de Davi Alcolumbre (DEM), o candidato de Onyx Lorenzoni, ter vencido uma votação tumultuada no Senado, o diagnóstico é que gastou-se capital político demais com a confusão toda, avalia o analista político da Levante, Felipe Berenguer. 

“O Planalto deverá lidar com uma oposição raivosa, liderada por Renan Calheiros. O episódio no Senado, apesar de vitorioso quanto à renovação política, deixa apreensão, principalmente em relação a aprovação das reformas, como a da previdência, tão importante para as contas do governo e economia”, explica Berenguer.

A avaliação é de que ter um aliado do governo Bolsonaro à frente da presidência do Senado não significa um caminho livre para a aprovação de reformas.

“Será importante superar as arestas com o MDB. Renan Calheiros saiu enfraquecido do processo, mas não morto. Tem o apoio da maioria da bancada de seu partido – a maior do Senado – e trânsito com a oposição, sobretudo no PT e no PDT. O senador alagoano ainda não dialoga com Lorenzoni. Por outro lado, boa parte dos apoiadores de Alcolumbre não serão apoiadores do Palácio do Planalto e seu apoio ao candidato do DEM pode ser atribuído à rejeição ao nome de Renan Calheiros”, observam os analistas do banco Brasil Plural.

Agenda econômica 

Instituições financeiras, consultadas pelo Banco Central para o Boletim Focus, não esperam mais por aumento na taxa básica de juros neste ano. A previsão para a Selic ao final de 2019 passou de 7% para 6,5% ao ano, atual patamar da Selic. Para 2020, no entanto, o mercado financeiro projeta aumento da Selic, com a taxa encerrando o período em 8% ao ano. 

O Boletim Focus aponta ainda que inflação deve ficar em 3,94% neste ano. Na semana passada, a estimativa estava em 4%. Para 2020, a previsão é que o IPCA fique na meta, em 4%. O valor para o próximo ano tem intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Invista melhor seu dinheiro: abra uma conta de investimentos na XP.

A projeção para a expansão do PIB (Produto Interno Bruto) foi mantida em 2,50% em 2019 e 2020. A previsão do mercado financeiro para a cotação do dólar passou de R$ 3,75 para R$ 3,70 no final deste ano, e de R$ 3,78 para R$ 3,75, no fim de 2020.

Clique aqui para conferir a agenda completa de indicadores.