A crise ainda não acabou e PIB global deve recuar 1,8% neste ano, diz BNP

Analistas do banco francês avaliam cenário atual e rebatem otimismo recente gerado por leve retomada de indicadores

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Acerca das dúvidas sobre uma possível recuperação econômica, que surgiram após o rali dos mercados e de alguns indicadores diminuírem o seu ritmo de contração, o BNP Paribas avalia a situação atual e conclui que ainda não se pode comemorar um retomada da economia global.

A recessão dos países que adotam o euro como moeda se intensificou no primeiro trimestre deste ano, de acordo com os dados da Eurostat. Quando comparado com o PIB (Produto Interno Bruto) do trimestre anterior, a contração foi de 2,5%, quarto recuo consecutivo do indicador.

Já em uma base anual, a retração foi mais acentuada, chegando à casa dos 4,6%. Em contrapartida, alguns indicadores econômicos desse segundo trimestre deram uma trégua ao diminuir o seu ritmo de queda. No entanto, segundo o BNP, nenhum sinal claro de recuperação foi sentido.

Dos males, o pior

Aprenda a investir na bolsa

Em uma publicação recente do FMI (Fundo Monetário Internacional), sobre a situação corrente da economia internacional e as expectativas para este ano, a instituição ressalta que normalmente, recessões originadas de turbulências no setor financeiro tendem a ser mais intensas e também mais duradouras.

Um outro agravante, segundo o fundo, seria o fato de que diversos países entram em crise ao mesmo tempo, dificultando assim uma retomada em um prazo mais curto, já que na maioria dos casos, a forte demanda externa foi responsável por resgatar essas economias da crise.

Vale ressaltar também que, mesmo com todas as medidas adotadas pelas autoridades, como corte na taxa de juro e grandes pacotes de investimento público, as condições financeiras e monetárias ainda se mostram um tanto quanto delicadas, afirmam os analistas do banco.

Deflação assombra

A deflação também preocupa a maioria dos agentes de mercado, aponta o BNP Paribas. Apesar dos principais indicadores apontarem uma ligeira alta nos últimos períodos, esse ritmo vem caindo e, com a temporada de verão na Europa e Estados Unidos, os preços tendem a cair mais, influenciados principalmente pela queda nas cotações dos combustíveis.

PIB em queda

Considerando todos esses fatores, o BNP Paribas aposta em uma retração da economia global neste ano, de 1,8%, mais severa do que aquela projetada pelo fundo, na casa do 1,5%. E espera que uma recuperação econômica não ocorra antes de 2010.