Investimentos

6 motivos para entender por que não vale deixar o dinheiro na poupança

Caderneta de poupança tem "perdido dinheiro" nos últimos anos por causa da inflação, mas mesmo assim segue com captações bilionárias no Brasil; saiba por que esse investimento não vale a pena

SÃO PAULO – A poupança é o instrumento de investimento mais popular do Brasil. Mas quem se informar o mínimo possível sobre finanças logo vai perceber que essa preferência nada tem a ver com o resultado que ela entrega: ano após ano, o retorno da aplicação em poupança tem ficado abaixo da inflação. Na prática, isso significa que seu dinheiro está “perdendo valor”, já que o preço para consumir os principais produtos básicos da economia cresceu mais do que o seu capital aplicado na caderneta.

Essa “derrota” é ainda mais lamentada pelo fato de hoje no Brasil termos tantas opções de investimento tão seguras quanto a poupança e que oferecem um retorno muito maior. Você deve estar se perguntando: se ela é tão ruim, por que a poupança fechou 2014 com captação líquida de R$ 24 bilhões – ou seja, as aplicações na caderneta superaram os resgates em R$ 24 bilhões? A resposta é simples, porém lamentável para um País tão grande como o nosso: falta de informação. 

Para facilitar a compreensão, separei abaixo 6 motivos bem simples de por que você deve tirar seus investimentos da caderneta de poupança. Aproveite a leitura!

1. Baixa rentabilidade
Opções como o Tesouro Direto (compra facilitada de títulos públicos) podem oferecer rentabilidade superior à poupança com a mesma segurança e liquidez compatível. Apenas ao comparar com o Tesouro Direto, em vez de cerca de 6% ao ano na poupança, já temos títulos públicos com rentabilidade de praticamente o dobro. Diferença de 100% em seus rendimentos. A popularização dos títulos públicos do Tesouro Direto com a possibilidade da pessoa física comprar títulos a partir de baixos valores como por exemplo R$ 200,00.

2. Necessidade de diversificação
Vale a pena diversificar com ativos de maior potencial de retorno, além de distribuir os riscos em mais de um tipo de investimento. A diversificação se mostra importante na gestão de qualquer carteira individual, ainda mais ao pensar que temos oportunidades muito melhores do que a caderneta de poupança.

A diversificação é importante também por causa da garantia que o FGC (Fundo Garantidor de Crédito) oferece. Atualmente, esse fundo garante ao investidor até R$ 250 mil em caso de quebra do banco que ele tenha dinheiro aplicado em determinados ativos. Dessa forma, para um grande investidor que aplica quantias milionárias, a diversificação em diferentes bancos e modalidades de investimento torna-se essencial para segurança do seu patrimônio.

3. Fugir da inflação
Com índices inflacionários subindo mais de 6% ao ano, como o IPCA e o IGP-M, a valorização da poupança no máximo se equipara com a inflação, e o investidor não consegue nenhuma valorização real na caderneta de poupança. Com isso perde, ao longo do tempo, poder aquisitivo.

4. Ações de boas pagadoras de dividendos
Ainda há na bolsa de valores algumas boas empresas que pagam bons dividendos, e se escolhidas de forma correta, tendem a render mais que a poupança. A recompra de ações através do pagamento de dividendos é uma das estratégias mais rentáveis para o investidor de longo prazo, que pode ainda ganhar com a valorização desta empresa.

5. Incentivos fiscais em outros investimentos
Apesar da caderneta de poupança ser isenta de tributação, o governo vem propiciando a outros investimentos incentivos e reduções tributárias para outros investimentos. Como por exemplo a LCI – Letra de Crédito Imobiliário, que rende aproximadamente o dobro da caderneta de poupança. Vale mencionar que começa a rondar no mercado especulações de que esses ativos isentos de IR começarão a ser taxados, mas até o momento nenhuma medida foi anunciada.

PUBLICIDADE

6. Produtos mais baratos
Produtos como os fundos de índice, que replicam a carteira do Ibovespa e títulos públicos do Tesouro Direto, apresentam taxas menores que 1% ao ano, e com isso, tal custo é mínimo perante tais potenciais de rentabilidade, bem superiores ao da caderneta de poupança. Ou seja, atualmente temos muitas opções com baixo custo e fácil acompanhamento, onde devemos apenas aprender quais são essas opções e como distribuí-las em nossos investimentos.

Gostou das dicas? Então aproveite: na próxima terça-feira (27 de janeiro) às 20h (horário de Brasília) acontecerá uma palestra online gratuita sobre o tema “os 5 passos para montar uma carteira de investimentos campeã”, que será ministrada por ninguém menos que Leandro Martins, o analista campeão de rentabilidade em 2014, segundo o Ranking InfoMoney.

A participação é gratuita, mas as vagas são limitadas. Caso queira participar, clique aqui.