Dólar e Euro

5 dos maiores bancos do mundo são multados em US$ 5,7 bi por manipulação do câmbio

JP Morgan Chase, Citigroup,Barclays, UBS e Royal Bank of Scotland se declararam culpados das acusações de fixar preços de dólar e euro no mercado à vista

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Cinco dos maiores bancos do mundo, incluindo o JP Morgan Chase, Citigroup, Barclays, UBS e Royal Bank of Scotland, foram multados em cerca de US$ 5,7 bilhões, sendo que quatro deles se declararam culpados das acusações de manipulação das taxas de câmbio estrangeiras, disseram autoridades norte-americanas nesta quarta-feira (20). Enquanto isso, o UBS vai se declarar culpado de aparelhamento taxas de juro de referência.

O mesmo UBS vai pagar US$ 545 milhões de dólares às autoridades dos Estados Unidos para encerrar a investigação em um acordo que ajudará o banco suíço a seguir adiante após uma série de escândalos. O montante é menor que o esperado e isso contribui para uma alta de cerca de 3,5% nas ações do banco, que chegaram a atingir o maior nível em seis anos e meio.

O JP Morgan e o Citigroup irão pagar US$ 550 milhões e US$ 925 milhões, respectivamente, em multas criminais como parte de suas confissões. Já o britânico Barclays vai pagar US$ 650 milhões e Royal Bank of Scotland outros US$ 395 milhões.

Aprenda a investir na bolsa

Cada um vai se declarou culpado de uma acusação de crime de conspiração de fixar preços e sondar ofertas por dólares e euros no mercado à vista de câmbio. Enquanto isso, o Bank of America, apesar de não ter sido acusado pelo Departamento de Justiça, foi multado pelo Federal Reserve por conduta similar.

Barclays também vai pagar um adicional de US$ 1,3 bilhão para encerrar seus problemas com o Departamento de Serviços Financeiros de Nova York, a comissão de commodities e futuros e a autoridade financeira de conduta do Reino Unido. Como parte do acordo, o Barclays vai demitir oito funcionários do banco envolvidos com o aparelhamento de taxas de câmbio, disse o órgão regulador.

Com Reuters