Relembre

10 anos da crise: o dia em que o Lehman Brothers desmoronou 94% em Wall Street

15 de setembro de 2008, uma das piores segundas-feiras na história do mercado financeiro global

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O mercado financeiro com certeza não gosta de segundas-feiras. Uma das maiores quedas diárias do índice Dow Jones foi registrada no dia 19 de outubro de 1987 – a chamada “black monday” -, quando o benchmark desmoronou 22,6%.

Mas para os investidores do século XXI, a segunda-feira mais inesquecível de todas provavelmente foi a de 15 de setembro de 2008, exatamente 10 anos atrás, dia em que o banco Lehman Brothers, um dos maiores dos Estados Unidos, pediu concordata e sua ação derreteu 94,25%.

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear

PUBLICIDADE

Fundado em 1850 pelos irmãos Henry, Mayer e Emanuel Lehman, a história do Lehman Brothers se confundia com a própria história de Wall Street, de modo que é natural que o choque por conta do pedido de concordata do banco tenha sido tão grande. O Dow Jones caiu 4,42% no fechamento daquela sessão, no que foi a maior queda em pontos do índice em único dia, já que no intraday ele chegou a desabar 777,68 pontos. Aqui no Brasil, o Ibovespa fechou em queda de 7,89%.

“Eu estava em Nova York e a imagem que mais ficou na minha mente foi a das pessoas saindo dos escritórios com aquelas caixas de pertences nas mãos porque haviam sido demitidas”, lembra José Roberto Securato Júnior, professor da Saint Paul Escola de Negócios e vice-presidente do IBEVAR (Instituto Brasileiro de Executivos de varejo e mercado de Consumo). “O pensamento de todo mundo naquele momento era: qual será o próximo banco a cair?.”

Naquela manhã, muitos investidores foram pegos de surpresa principalmente pelo não envolvimento do governo norte-americano para salvar o banco. Seis meses antes, o Bear Stearns, que era o quinto maior banco de investimento dos Estados Unidos, teve de recorrer ao Federal Reserve, para conseguir fundos de emergência, e foi socorrido, sendo mais tarde vendido ao JP Morgan Chase por US$ 2 por ação.

No entanto, desta vez, o Fed, comandado por Ben Bernanke, preferiu observar tudo à distância sem se envolver. A ideia era usar o banco de exemplo para “moralizar” o mercado financeiro do país, que havia se alavancado demais em operações de alto risco.

Leia também:

– “A Grande Aposta”: o melhor filme sobre a crise de 2008
– Brasileiro que trabalhou no Lehman Brothers relembra crise 10 anos depois: “não tinham noção da dimensão do problema”

“O Fed sabia que haveria uma sacudida no mercado, mas eles subdimensionaram esse impacto”, avalia Securato. Como consequência, o Fed passou a anunciar injeções de liquidez trilionárias no mercado, nos meses seguintes, além de interceder em fusões e aquisições usadas para salvar algumas das instituições financeiras. Uma delas ocorreu naquele mesmo 15 de setembro: a compra do Merril Lynch pelo Bank of America.

PUBLICIDADE

Além do Lehman Brothers

O dia é realmente histórico porque os mercados acordavam do fim de semana não apenas com a notícia do pedido de concordata do quarto maior banco de investimentos dos Estados Unidos, mas com um intraday memorável.

Além do Lehman, a Merrill Lynch foi comprada pelo Bank of America, os bancos centrais anunciaram mais uma injeção de liquidez e a seguradora AIG declarou que necessitava capital; para os mercados, poderia ser a próxima a cair.

O sentimento de pânico pode ser explicado de diversas formas. Além dos números negativos obtidos pelo mercado acionário, os yields dos títulos de 10 anos do Tesouro dos EUA despencaram 33 pontos-base, refletindo o tamanho da busca dos investidores por segurança. Naquele dia, o risco-Brasil disparou 44 pontos.

Outra prova são as manchetes, que falavam no pior: “não há espaço suficiente na primeira página dos jornais do país para todas as notícias de hoje”, disse relatório da First Trust Advisors, enquanto a capa do Wall Street Journal falava em “a mãe de todas as segundas-feiras”. Se esta crise deixou alguma lição, só o futuro poderá dizer.

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear