O spread no mercado financeiro significa a diferença entre os preços de compra e de venda de um determinado ativo. Na prática, indica qual seria o ganho ou perda em uma eventual transação envolvendo os valores considerados.

Exemplo: se o melhor valor de compra desse ativo está em R$ 100 e a melhor cotação de venda é a R$ 100,50, há um spread positivo de R$ 0,50.

O spread, no entanto, pode ser negativo, se o preço de venda for menor que o de compra. Entre os especialistas do mercado financeiro, essa diferença é chamada de spread bid-ask.

Como o spread pode ser usado?

O spread pode ser utilizado pelo investidor para posicionar-se de maneira mais estratégica em um ativo desejado, afirma Sharon Halpern, sócia e private banker da Blackbird Investimentos.

“Ao observar o maior valor de venda e o menor valor de compra, o investidor pode escolher a abordagem mais tática para concluir a operação”, comenta a especialista. 

Isso inclui decidir se deve lançar a ordem de compra ou venda “a mercado”, ou seja, pela cotação válida no momento na operação, ou “limitada” – na qual se estabelece um valor para que a transação seja concluída.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Essa decisão vai depender justamente das condições de mercado e do tamanho do spread desejado ou aceito pelo investidor para realizar a operação. 

Se não estiver satisfeito com as cotações de momento, o cliente pode condicionar o fechamento do negócio a um valor pré-estabelecido, que será indicado na ordem limitada. 

Alan Soares, analista da Toro Investimentos, destaca que o investidor pode utilizar o spread também como indicador de “liquidez”, termo que representa a facilidade com que uma aplicação é concluída e os recursos ficam disponíveis na conta.

Segundo ele, o mais indicado seria o aplicador escolher ativos com spreads menores, ou seja, sem grandes diferenças nos preços de compra e venda, o que facilita a liquidação do negócio. 

Por essa lógica, recomenda-se não montar grandes posições em ativos com spread elevado, justamente pela provável dificuldade em se desfazer do ativo caso seja necessário.

O que é spread na Bolsa?

Nas Bolsas de Valores, o spread refere-se à diferença entre os preços de compra e venda dos ativos disponíveis no pregão – o que inclui ações, determinados fundos de investimento, contratos futuros e recibos de ativos negociados no exterior, por exemplo. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Como calcular o spread na Bolsa?

Masterclass
As Ações mais Promissoras da Bolsa
Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

Para calcular o spread, a conta a ser feita é a seguinte:

Spread = Melhor preço de venda – Melhor oferta de compra

Utilizando as mesmas cotações hipotéticas do início deste Guia, o cálculo ficaria assim: R$ 100,50 – R$ 100 = R$ 0,50 de spread. 

Como o spread impacta as operações de trade?

Um spread muito alto pode aumentar os custos da transação, diminuindo a rentabilidade, explica Soares, da Toro.

“Além disso, um spread maior pode dificultar a execução das ordens de compra ou venda, principalmente em ativos com pouca liquidez, alterando o preço de execução planejado inicialmente”, comenta o analista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Portanto, é importante considerar o spread ao planejar as estratégias de entrada e saída em um determinado ativo.”

Qual a importância do spread para o trader?

O spread é fundamental para os traders, pois afeta diretamente os custos e a rentabilidade das transações, dizem os especialistas. 

“O trader deve sempre estar atento ao spread. Se for muito alto, isso pode encarecer a operação, limitando seu ganho”, afirma Sharon, da Blackbird. 

Ela lembra ainda que, no caso de ativos com pouca liquidez, um spread elevado pode até mesmo inviabilizar o negócio. 

Ao contrário, um spread menor reduz os custos envolvidos, permitindo que os traders lucrem mais com suas estratégias. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conceito ganha relevância ainda maior para os chamados “day traders”, investidores que compram e vendem ativos no mesmo dia, portanto, em um único pregão.

Quais os outros tipos de spread?

Entre os mais comuns, existe também o chamado spread bancário, que envolve operações diversas nas quais uma instituição financeira lucra com o diferencial das taxas de juros. 

“Por exemplo, um banco pode captar recursos pagando 5% e emprestá-los a uma taxa de 7% no varejo, obtendo assim 2% de spread”, explica Soares, da Toro.