Em estaciopart

Investidores não se animam com boas notícias para Estácio e "futuro sombrio" faz ação despencar

O mercado repercute negativamente a receita operacional e a queda na base total de alunos da Estácio

Estácio 01 - Fachada
(Divulgação Estácio)

SÃO PAULO - As ações da Estácio (ESTC3) despencaram até 12,8% para R$ 19,79 no pregão desta quinta-feira (8), no menor nível intradiário desde 14 de agosto de 2017, após a companha divulgar os resultados do terceiro trimestre. 

A Estácio teve uma receita operacional de R$ 852,9 milhões no terceiro trimestre, enquanto o lucro líquido ficou em R$ 194,3 milhões; já o Ebitda somou R$ 274,6 milhões. A companhia teve alguns pontos positivos, apontaram analistas, como a geração de caixa e o crescimento da receita, além da queda das despesas por aluno. 

Mas o grande destaque do balanço, que leva à forte baixa dos papéis, ficou com a queda de 25% da captação de alunos no ensino presencial, levando a uma baixa de 10% da base de alunos dessa modalidade. 

Em teleconferência, a companhia destacou que focou em uma estratégia de precificação ao invés de volumes de matrículas e que ela tem se mostrado correta para manter margens - tal foco deve ser mantido. Porém, para os próximos períodos, a companhia também deve se concentrar em volumes para reverter a tendência de queda dos últimos trimestres. 

Mesmo com a forte queda dos papéis após o resultado, muitos analistas estão otimistas com a ação da companhia. Apesar de ressaltar o declínio significativo no número de ingressos à graduação no campus, o Itaú BBA segue com recomendação de outperform (o equivalente a compra), apontando que a fraca admissão verificada é compensada pela forte expansão da margem. 

Já segundo o BTG Pactual, mesmo com o ciclo de queda dos ingressos ao campus sendo visto como preocupante e sem catalisadores positivos claros no curto prazo, o valuation já parece muito barato para ser ignorado. 

Vale destacar ainda que  o conselho de administração aprovou a distribuição de um dividendo extraordinário de R$ 400 milhões, o equivalente a R$ 1,332831678 por ação ordinária de emissão da Companhia, equivalente a um dividend yield (dividendo/preço da ação) de 6,45% com a queda desta quinta-feira.  As ações passarão a ser negociadas ex-dividendos a partir de 16 de novembro de 2018. 

Desta forma, com a ação registrando fortes perdas no ano, com baixa de 37% no acumulado ante alta de 13% do Ibovespa, muitos analistas veem oportunidade no papel.

Mas há também ponderações sobre a falta de catalisadores no curto prazo em um cenário de ânimo para a Bolsa e considerações sobre até onde a empresa pode crescer, ainda mais em meio a um cenário desafiador com o FIES. "O resultado foi bom por conta do corte de custos, mas isso é algo que não dá para perpetuar", afirmou um gestor ao InfoMoney.

Ou seja, por enquanto, o mercado segue preferindo ficar longe do setor de educação, o que pode ser observado em outros movimentos de ações nesta sessão: os números da Estácio também impactam a Kroton (KROT3), que também registra forte queda nesta quinta. Assim, apesar do valuation barato, os investidores procuram por novos sinais de crescimento para investir nas companhias. 

Proteja seu dinheiro das instabilidades econômicas: abra uma conta gratuita na XP, a melhor assessoria de investimentos do Brasil 

 

Contato