Em educacao / guias

Combine as análises técnica e fundamentalista na hora de montar sua carteira

No mercado acionário ganha quem minimiza perdas e maximiza os ganhos, as duas análises lhe permitem isso!

SÃO PAULO - Quem nunca ouviu um analista fundamentalista criticando a análise técnica, ou o contrário? Sob o argumento de que a análise técnica é válida apenas para o curto prazo, os fundamentalistas criticam os técnicos, e na contramão, os analistas técnicos afirmam que a análise fundamental não possui timing.

Entretanto, existem analistas que são a favor da combinação das duas análises, e acreditam que as duas se completam. Enquanto a análise fundamentalista permite ao investidor saber quais empresas estão crescendo, gerando valor, possuem boa administração e boas perspectivas de retorno de investimentos, a análise técnica fornece ao investidor os indicativos para o momento certo de comprar, vender ou manter a ação.

As análises técnica e fundamentalista
Para utilizar as duas análises, é preciso conhecer um pouco sobre as duas. De forma resumida, a análise fundamentalista utiliza dados como lucros, receitas, despesas e outras contas dos demonstrativos das empresas para criar indicadores e fazerem projeções. Baseadas na comparação de indicadores e nas projeções obtidas, são feitas as recomendações.

Além destes dados, os fundamentalistas também costumam incorporar em suas projeções perspectivas para o cenário econômico, expectativas de fusões ou aquisições e projeções também para preços de insumos, demanda e etc.

Já a análise técnica é baseada no estudo do comportamento do mercado, principalmente através de gráficos e indicadores que permitem ao investidor identificar tendências de mercado. Os gráficos são baseados na oscilação dos preços e permitem a visualização dos movimentos do mercado, de forma que o analista tem a possibilidade de saber para onde podem ir os preços.

A diferença básica entre a análise fundamentalista e a análise técnica é evidenciada no objeto de observação das duas análises. Enquanto a análise fundamentalista estuda a causa dos movimentos do mercado, a análise técnica preocupa-se unicamente com os efeitos que causam alterações na oferta e demanda dos ativos.

Escolhendo as ações
Assim, no momento de montar sua carteira de ações, experimente combinar as duas análises. O primeiro passo é, através da análise fundamentalista, selecionar as ações cujas empresas são consideradas atrativas, ou seja, possuem uma estrutura de endividamento adequada, apresentam geração de caixa satisfatória, vem crescendo ao longo do tempo, e não apresentam riscos financeiros significativos.

Procure escolher ativos cujo preço justo lhe fornece potencial de valorização adequado ao seu perfil e que apresentem boas perspectivas de crescimento ao longo dos anos. Evite empresas com estrutura de endividamento insustentável, com risco de falência ou que apresentem grandes incertezas no longo prazo.

Outro ponto de grande importância é observar a liquidez do papel antes de comprar, afinal de contas, para realizar o lucro é preciso vender a ação, e se esta subiu 100%, mas não possui compradores, você ainda não terá embolsado seus ganhos e poderá ter que abrir mão de parte do rendimento para conseguir vender as ações.

A hora certa de comprar e vender também importa
Um ponto de forte discordância entre as duas escolas, é o timing. Enquanto os analistas técnicos acreditam que sua análise lhes permite obter ganhos no curto, médio e mesmo no longo prazo, os analistas fundamentalistas se contentam com ganhos no médio e longo prazo. Mas porque ganhar apenas no médio e longo prazo, se você pode obter ganhos no curto prazo também?

Assim, escolhidos os ativos, vale a pena analisar os gráficos para obter o maior ganho possível com as ações escolhidas. Embora muitas vezes a empresa pela qual optamos adquirir ações possuam bons fundamentos e perspectivas de ganhos no longo prazo, no curto prazo as ações podem estar caras. Se entrarmos no mercado comprado, deixaremos de obter ganhos desnecessariamente, e lembre que deixar de ganhar, é quase tão ruim quanto perder.

Por isso, passe a acompanhar o papel, observe seu comportamento gráfico, utilize os indicadores estatísticos que a análise técnica disponibiliza e compre ou venda o ativo de acordo com a indicação dos gráficos, lembrando que no mercado acionário, ganha quem minimiza perdas e maximiza os ganhos.

Aplique seu dinheiro com mais tranqüilidade
Além do maior aproveitamento do rendimento do papel, a combinação entre as duas análises lhe trará mais tranqüilidade na hora de operar no mercado de ações. Ao escolher ativos com bons fundamentos, você não precisará, necessariamente, passar horas acompanhando o mercado e estar sujeito à volatilidade do ativo.

Ao mesmo tempo, ao utilizar a análise técnica, você poderá ter a percepção do rumo dos preços do seu ativo, determinar preço alvo e preço de stop de acordo com seu perfil e com o que os gráficos dizem, minimizando suas perdas e evitando deixar passar os momentos que o preço das ações pode apresentar grandes oscilações e que os gráficos permitem visualizar.

 

Contato