Sexto dia da invasão

Zelensky: Rússia precisa parar de bombardear para que negociações de cessar-fogo possam começar

Em entrevista concedida em complexo do governo altamente protegido, presidente ucraniano pediu que membros da Otan criem uma zona aérea restrita

Por  Reuters -

Por Aleksandar Vasovic

KIEV (Reuters) – O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky disse nesta terça-feira (1) que a Rússia precisa parar de bombardear cidades ucranianas antes que negociações substanciais sobre um cessar-fogo possam começar, após haver pouco progresso em uma primeira rodada de conversas esta semana.

Falando em uma entrevista em um complexo do governo altamente protegido, Zelensky pediu que os membros da Otan criem uma zona aérea restrita para impedir a força aérea russa, dizendo que isso seria uma medida de prevenção e que a ideia não é arrastar a aliança para a guerra com a Rússia.

Zelensky, que recusou propostas para deixar a capital da Ucrânia à medida em que as forças russas avançavam, também disse que a Ucrânia exigirá garantias de segurança legalmente vinculantes se a Otan fechar a porta à possibilidade de adesão da Ucrânia.

Apresentando suas condições para mais negociações com a Rússia, Zelensky disse à Reuters e à CNN em uma entrevista conjunta: “É necessário pelo menos parar de bombardear as pessoas, apenas pare com os bombardeios e então vamos sentar na mesa de negociação”.

Enquanto ele falava, surgiram notícias de que um míssil russo havia atingido uma torre de televisão na capital da Ucrânia. Mais cedo nesta terça-feira, mísseis acertaram o coração de Kharkiv, cidade no leste do país.

A Ucrânia recebeu carregamentos de armas dos membros da Otan para ajudá-la a resistir a uma invasão militar lançada pelas forças russas semana passada. O Ocidente também introduziu sanções à economia russa.

Mas Zelensky pediu que a comunidade internacional faça mais, incluindo impor uma zona aérea restrita. Ele disse, no entanto, que o presidente dos EUA, Joe Biden, havia lhe dito pessoalmente que agora não era a hora de introduzir uma medida como essa.

A Ucrânia tem pressionado para que a Otan acelere a sua entrada na aliança, uma medida à qual a Rússia se opõe ferozmente e que é citada como uma das razões para o lançamento da campanha militar.

“Nossos parceiros, se eles não estiverem prontos para receber a Ucrânia na Otan… porque a Rússia não quer que a Ucrânia esteja na Otan, deveriam trabalhar por garantias de segurança comuns para a Ucrânia”, disse Zelensky.

“Isso significa que temos nossa integridade territorial, que nossas fronteiras são protegidas, temos relações especiais com todos nossos vizinhos, somos completamente seguros, e os fiadores que nos dão segurança, eles a garantam legalmente”.

Zelensky, 44, estava com barba por fazer e usava uma simples camiseta cáqui, calça e botas durante a entrevista, que foi realizada em um complexo do governo altamente protegido pelo Exército.

Cadastre-se na IMpulso e receba semanalmente um resumo das notícias que mexem com o seu bolso — de um jeito fácil de entender:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.
Compartilhe