Yellen defende imposto para bilionários, mas não vê necessidade de negociação global

Secretária do Tesouro também mencionou que deseja "elevar um pouco o imposto corporativo" nos EUA, mas não a níveis tão elevados quanto no passado, sem citar números no caso

Estadão Conteúdo

A secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen - 13/06/2023 (Foto: Kevin Lamarque/Reuters)
A secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen - 13/06/2023 (Foto: Kevin Lamarque/Reuters)

Publicidade

A secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, defendeu nesta quinta-feira, 13, um imposto maior para bilionários, durante entrevista à CNBC. Mas ela disse que, na sua avaliação, “não precisamos de toda uma negociação global para conseguir isso”. As declarações são dadas em um contexto no qual o Brasil, ao lado de outros países, como a França, busca avançar em um consenso internacional para elevar impostos sobre os mais ricos pelo mundo.

Ela também mencionou que deseja “elevar um pouco o imposto corporativo” nos EUA, mas não a níveis tão elevados quanto no passado, sem citar números no caso.

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

Continua depois da publicidade

Yellen disse que “estamos definitivamente a favor de impostos mais altos sobre bilionários”.

Ela recordou que o governo Joe Biden tem “uma proposta concreta” nessa frente, e opinou que esses impostos devem valer também sobre ganhos não realizados de capital, que “são uma enorme fonte de capital dos ricos” e muitas vezes escapam da tributação.

Questionada sobre o nível da dívida dos EUA, ela disse que, caso ela se estabilize nos níveis atuais, diante do tamanho da economia do país, “creio que estaremos em uma posição razoável”.

Continua depois da publicidade

A secretária do Tesouro defendeu que é preciso monitorar o custo real da dívida, e recordou que a proposta do governo para o próximo ano fiscal é de uma redução de US$ 3 trilhões no déficit ao longo da próxima década.

A autoridade também citou dificuldades em cortar gastos, ao lembrar que grande parte deles é obrigatório, como em aposentadorias ou gastos sociais.