Serviços sobem 0,2% em abril, mas iniciam 2º trimestre com ritmo abaixo do esperado

Consenso Refinitiv projetava avanço mensal de 0,4%; IBGE revisou para baixo o indicador de março (de +1,7% para +1,4%), e de fevereiro (de +0,4% para -0,1%)

Lucas Sampaio

Transportes e armazenagem de cargas crescem com aumento das exportações e das vendas do comércio online (Foto: José Fernando Ogura-AEN)

Publicidade

O volume do setor de serviços cresceu 0,2% em abril na comparação com março, apontam dados com ajuste sazonal divulgados nesta terça-feira (14) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O indicador também avança 9,4% na comparação anual, com abril de 2021, e acumula alta de 9,5% neste ano e de 12,8% nos últimos 12 meses, segundo dados da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS).

Apesar da alta de 0,2% em abril, o acumulado nos últimos 12 meses desacelerou de 13,6% em março para 12,8% agora, interrompendo uma trajetória ascendente iniciada em fevereiro de 2021. Além disso, os dados vieram abaixo das estimativas do mercado, pois o consenso Refinitiv projetava um avanço mensal de 0,4% e anual de 10,4%.

“Temos uma trajetória descendente para o setor de serviços em 12 meses. Abril marca uma redução, e o ritmo em maio vai mostrar como será essa trajetória”, afirmou o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O IBGE também revisou para baixo o indicador de março (de +1,7% para +1,4%), e de fevereiro (de +0,4% para -0,1%). Com isso, o setor agora está 7,2% acima do patamar de fevereiro de 2020, antes do início da pandemia, mas ainda 4,2% abaixo de novembro de 2014, pico da série histórica do IBGE.

Destaques em abril

O crescimento de 0,2% no volume de serviços em abril foi causado por altas em apenas 2 das 5 atividades pesquisadas: informação e comunicação (+0,7%) e serviços prestados às famílias (+1,9%). Foi o segundo resultado positivo seguidos de ambas, com ganhos acumulados de 2,5% e 5,2%.

O destaque do avanço de 0,7% de informação e comunicação vai para tecnologia da informação, que atingiu o ponto mais alto da série histórica. “Durante o auge do isolamento por conta da pandemia, houve uma alta demanda desses serviços — e esse movimento perdura até os dias atuais”, diz Lobo.

Continua depois da publicidade

Já a alta dos serviços prestados às famílias (1,9%) teve maior influência dos serviços de alojamento e alimentação, uma continuidade ao processo de retomada dos serviços presenciais (principalmente bares e restaurantes), segundo o gerente da pesquisa.

Em contrapartida, transportes (-1,7%), profissionais, administrativos e complementares (-0,6%) e outros serviços (-1,6%) retraíram no mês. Os dois primeiros setores interromperam uma sequência de cinco taxas positivas seguidas, enquanto o último eliminou o avanço de 1,4% de março.

Apesar da queda da atividade de transportes, o transporte de passageiros cresceu 2,3% no mês e superou pela primeira vez o patamar pré-pandemia (+0,1% ante fevereiro de 2020). Já o de atividades turísticas aumentou 2,5%, mas ainda está 3,4% abaixo do nível de antes da crise da Covid-19.

Resultado negativo

Guilherme Sousa, economista da Ativa, diz que o resultado surpreendeu negativamente e “a abertura dos dados também não foi positiva, com destaque para o desempenho ruim de outros serviços prestados às famílias e de transportes”.

“Distintamente da pesquisa do comércio divulgada na sexta-feira, o resultado da pesquisa de serviços exerce grande peso sobre as nossas perspectivas de crescimento”, escreveu Sousa. “Com a surpresa negativa, decidimos retirar o viés positivo deixado pela PMC”.

O economista se refere à Pesquisa Mensal do Comércio (OMC) do IBGE, que revelou na semana passada que as vendas do varejo subiram 0,9% em abril, mais que o dobro das expectativas do mercado (que era de alta de 0,4%).

Desaceleração no 2º trimestre

Para Rodolfo Margato, economista da XP Macro, o setor de serviços permaneceu em trajetória de alta, mas com perda de velocidade na margem. “O setor terciário deverá crescer nos próximos meses, embora a um ritmo mais modesto (e com heterogeneidade entre os segmentos)”.

Margato escreve que o setor segue em trajetória positiva, colhendo frutos: da reabertura econômica; da recuperação sólida do emprego; das maiores transferências de renda do governo; e de medidas de estímulo de curto prazo, como a liberação de saques do FGTS e a antecipação do 13º salário de aposentados e pensionistas.

Mas a análise do economista da XP aponta que, “apesar da melhoria significativa observada nos últimos meses, a categoria de serviços prestados às famílias ainda mostra faturamento real cerca de 11% abaixo dos níveis vistos antes da crise da Covid-19”. Com o resultado, a casa revisou “sutilmente” o crescimento do PIB do segundo trimestre, de alta de 0,6% para 0,5% na comparação com o primeiro trimestre.

Comparação anual

Depois de ser fortemente abalado pelas restrições para combate à Covid-19, o setor de serviços vem se recuperando com a reabertura econômica. Mas o cenário é de forte pressão inflacionária, o que corrói o poder de compra dos brasileiros — o que tende a afetar principalmente os serviços prestados à família.

Na comparação com abril de 2021, o volume do setor de serviços avançou 9,4% e registrou a 14ª taxa positiva consecutiva. O resultado foi impulsionado pela expansão em 4 das 5 atividades e de 64,5% dos 166 tipos de serviços pesquisados pelo IBGE.

Entre os setores, os de transportes, serviços auxiliares e correio (+15,5%) e serviços prestados às famílias (+60,8%) foram as principais contribuições positivas. Serviços profissionais, administrativos e complementares (+7,8%) e de informação e comunicação (+1,6%) também contribuíram para a alta.

A única taxa negativa anual foi a de outros serviços (-7,7%), pressionado especialmente pela menor receita oriunda de corretoras de títulos e valores mobiliários; recuperação de materiais plásticos; administração de bolsas e mercados de balcão organizados; e atividades de apoio à produção florestal.

Desempenho por estado

O setor de serviços cresceu em menos da metade dos estados em abril ante março, na série com ajuste sazonal (12 das 27 unidades da federação). O impacto positivo mais importante veio do Rio de Janeiro (+1,0%), seguido por Espírito Santo (+3,6%), Rio Grande do Norte (+7,9%) e Ceará (+2,4%).

Em contrapartida, São Paulo (-0,5%), Minas Gerais (-2,8%), Distrito Federal (-8,2%) e Rio Grande do Sul (-2,8%) exerceram as principais influências negativas na comparação mensal.

Na comparação anual, com abril de 2021, o avanço de 9,4% no volume de serviços foi acompanhado por um crescimento em 24 das 27 unidades da federação. A principal contribuição positiva ficou com São Paulo (+9,9%), seguido por Minas Gerais (+14,2%), Rio Grande do Sul (+16,8%) e Rio de Janeiro (+4,3%).

Distrito Federal (-1,1%), Rondônia (-4,5%) e Acre (-2,4%) foram os únicos resultados negativos.

(Com Estadão e Reuters)

Procurando uma boa oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje.

Lucas Sampaio

Jornalista com 12 anos de experiência nos principais grupos de comunicação do Brasil (TV Globo, Folha, Estadão e Grupo Abril), em diversas funções (editor, repórter, produtor e redator) e editorias (economia, internacional, tecnologia, política e cidades). Graduado pela UFSC com intercâmbio na Universidade Nova de Lisboa.