INFOMORNING Programa desta 2ª traz tudo o que você precisa saber para começar sua manhã bem informado sobre o que vai mexer com os mercados; assista

Programa desta 2ª traz tudo o que você precisa saber para começar sua manhã bem informado sobre o que vai mexer com os mercados; assista

Dados do IBGE

Volume de serviços cresce 0,5% em agosto frente julho, em linha com o esperado; alta na comparação anual é de 16,7%

A expectativa de analistas ouvidos pela Refinitiv era de alta de 0,5% frente ao mês imediatamente anterior e de 16,3% na comparação anual

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O volume de serviços no Brasil avançou 0,5% em agosto na comparação com julho, quinta taxa positiva seguida, acumulando no período ganho de 6,5%, segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgada nesta quinta-feira (14).

Na comparação com agosto de 2020, o volume de serviços cresceu 16,7%, sexta taxa positiva consecutiva. No acumulado do ano, o setor avançou 11,5% frente a igual período do ano anterior. Em 12 meses, ao passar de 2,9% em julho para 5,1% em agosto, manteve a trajetória ascendente iniciada em fevereiro deste ano (-8,6%) e alcançou a taxa mais intensa da série histórica, iniciada em dezembro de 2012.

A expectativa de analistas ouvidos pela Refinitiv era de alta de 0,5% frente ao mês imediatamente anterior, e de 16,3% frente ao mesmo período do ano anterior.

“O setor de serviços mantém sua trajetória de recuperação em agosto, sobretudo nos serviços considerados não presenciais, mas também nos presenciais, com o avanço da vacinação e o aumento da mobilidade das pessoas. Desde junho do ano passado, o setor acumula 14 taxas positivas e somente uma negativa, registrada em março, quando algumas atividades consideradas não essenciais foram fechadas por determinação de governos locais em meio ao avanço da segunda onda do coronavírus”, explica o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo.

O avanço dos serviços em agosto foi impulsionado por quatro das cinco atividades, com destaque para serviços de informação e comunicação (1,2%) e transportes (1,1%), após resultados negativos em julho.

“O primeiro foi impulsionado pelos serviços de desenvolvimento e licenciamento de softwares, portais e provedores de conteúdo e ferramentas de buscas na internet, além de edição integrada e impressão de livro. O segundo pelo transporte aéreo de passageiros e operação de aeroportos, na medida em que houve maior fluxo de passageiros se deslocando e aumentando a receita das companhias aéreas e das concessionárias de aeroportos. Destaco ainda a parte de logística de cargas”, detalha Rodrigo Lobo.

Os serviços prestados às famílias avançaram 4,1% em agosto, quinta taxa positiva desde abril, acumulando crescimento de 50,5%. Esse avanço vem, novamente, do segmento de alojamento e alimentação, como os hotéis e restaurantes. Mesmo com o avanço em agosto, serviços prestados às famílias operam 17,4% abaixo do patamar de fevereiro de 2020.

Com o menor impacto no índice, outros serviços (1,5%) eliminaram o recuo do mês anterior (-0,2%). “Essa atividade foi impulsionada pelos serviços financeiros auxiliares e, em menor medida, pelos serviços de pós-colheita correlacionados à agropecuária, como contratação de mão de obra para colheita da safra ou plantação de algum produto agrícola e locação de maquinário. Uma vez que é feita a colheita, há um conjunto de serviços que são utilizados nesse processo agrícola”, explica Lobo.

(com Agência de Notícias do IBGE)

PUBLICIDADE

Analista da Clear apresenta plano detalhado para começar a construir uma renda diária utilizando a Bolsa de Valores. Inscreva-se grátis.