URGENTE São Paulo registra dois primeiros casos positivos da variante ômicron no Brasil; resultados de exames são preliminares, afirma Anvisa

São Paulo registra dois primeiros casos positivos da variante ômicron no Brasil; resultados de exames são preliminares, afirma Anvisa

Vendas no radar

Vendas do varejo caem 6,1% em dezembro, muito abaixo do esperado; em 2020, alta foi de 1,2%

A estimativa, de acordo com consenso Bloomberg, era de queda de 0,7% na comparação com novembro

arrow_forwardMais sobre
Carrinho de compras em cima de um teclado de notebook com caixas de papelão dentro dele
(Shutterstock)

As vendas do comércio varejista caíram 6,1% em dezembro ante novembro, na série com ajuste sazonal, informou nesta quarta-feira (10) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É a queda mais intensa para um mês de dezembro de toda a série histórica, iniciada em 2000.

O resultado ficou muito abaixo do esperado. A estimativa, de acordo com consenso Bloomberg, era de queda de 0,7% na comparação com novembro, enquanto a estimativa era de alta de 5,5% na base anual.

Apesar dos resultados negativos, o acumulado de 2020 fechou com alta de 1,2%. É a quarta vez consecutiva que o comércio apresenta alta anual: 2,1% em 2017; 2,3% em 2018 e 1,8% em 2019. Com o recuo de dezembro, as vendas do varejo se igualaram ao patamar de fevereiro, período pré-pandemia.

No comércio varejista ampliado, que inclui as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção, o volume de vendas em dezembro recuou 3,7% em relação a novembro e fechou o ano em queda de 1,5%, após três anos consecutivos de altas. Em relação a dezembro de 2019, o crescimento foi 2,6%, sexta taxa positiva consecutiva nesta análise.

A média móvel trimestral do comércio varejista foi de -1,8%. Já no confronto entre dezembro de 2020 e dezembro de 2019, o resultado foi uma alta de 1,2%, sexta taxa positiva consecutiva neste tipo de comparação.

O gerente da PMC, Cristiano Santos, explica como a pandemia de Covid-19 impactou diretamente a trajetória de resultados da pesquisa ao longo do ano. “Os resultados da pesquisa costumam ter variações menores, mas com a pandemia, houve uma mudança deste cenário, já que tivemos dois meses (março e abril) de quedas muito grandes”, afirma.

Com a base de comparação muito baixa, o resultado do varejo foi de crescimento de maio até outubro, quando apresentou o maior patamar da série histórica, iniciada em janeiro de 2001, e ultrapassou o patamar pré-pandemia, de fevereiro. “A queda em dezembro é um reposicionamento natural, já que o patamar estava muito alto com os resultados de outubro e novembro”, complementa o analista.

Outro fator de influência para o resultado nos últimos meses do ano é a inflação dos alimentos. Segundo Cristiano, o comércio em hiper e supermercados têm um peso maior para a PMC, quase a metade do resultado total. “O que acontece nos mercados influencia bastante a pesquisa. E, por conta dos resultados recentes do IPCA, o volume de vendas acabou sendo afetado”, justifica. O IPCA é o Índice de Preços ao Consumidor Amplo, pesquisa mensal do IBGE que mede a inflação oficial do país.

O crescimento do comércio varejista no acumulado de 2020 veio após um primeiro semestre de queda (-3,2%) e um segundo semestre de alta (5,1%). O comércio varejista ampliado apresentou a mesma dinâmica (-7,7% e 4,2%, respectivamente) mas o resultado não foi suficiente para a o indicador fechar o ano com taxa positiva.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Já pensou em ser um broker? Esta série gratuita do InfoMoney mostra como entrar para uma das profissões mais bem remuneradas do mercado. Deixe seu e-mail abaixo para assistir.