VAREJO

Varejo online puxa demanda por empregado temporário

As admissões no e-commerce cresceram em um ritmo duas vezes superior ao do varejo tradicional

Por  Estadão Conteúdo -

O avanço do e-commerce e a corrida do varejo eletrônico para entregar com rapidez as encomendas turbinaram as contratações de temporários em logística neste final de ano. As admissões nos centros de distribuição e em serviços de apoio ao e-commerce cresceram num ritmo duas vezes superior ao do varejo tradicional.

Entre outubro e dezembro deste ano, as admissões de temporários para logística aumentaram quase 50% ante o último trimestre de 2020. Também em comparação com o quarto trimestre de 2019, a fase pré-pandemia, as contratações para logística neste ano estão cerca de 30% maiores, revela levantamento feito a pedido do Estadão pela Associação Brasileira do Trabalho Temporário (Asserttem).

Em números absolutos, a maior parte dos temporários do varejo de fim de ano ainda está na loja física, mas a velocidade de abertura de postos tem sido bem menor em relação à logística. O comércio tradicional contratou 84,7 mil temporários no último trimestre, ante 70 mil em 2020, alta de 21%. Ante o mesmo período de 2019, a queda foi de 3%.

O presidente da Asserttem, Marcos Abreu, disse que o desempenho do setor é “a grande surpresa”. “É o segmento que mais aumenta”, afirmou.

O Mercado Livre, por exemplo, que esperava contratar mais de 800 temporários até o final de dezembro, informou às vésperas da Black Friday que tinha admitido mais de 2 mil. A Via, dona da Casas Bahia e da Ponto, admitiu 1,2 mil temporários para logística, um contingente 20% maior do que nos últimos anos. Também o Magazine Luiza admitiu 4 mil temporários para o setor, 2,4 mil a mais do que no ano anterior.

Diferença

Gabriela Mative, diretora de RH da Luandre, uma das maiores agências de temporários do País, afirmou que as admissões para o varejo tradicional aumentaram neste ano 20%, enquanto no online o avanço foi de 60%.

Cerca de 70% das vagas temporárias na logística são para operadores, cargo que pode ser comparado ao de vendedor de loja. Quem ocupa essa posição normalmente é o jovem em busca do primeiro emprego, como Luana Gabriele Ramos, de 18 anos. Depois de trabalhar por 11 meses como jovem aprendiz, ela ingressou em março numa vaga temporária como operadora de atendimento de e-commerce. Em setembro, o contrato foi renovado até o final deste mês.

“Apareceu a vaga, vim, gostei e pretendo continuar”, disse. Mas o sonho de Luana e de milhares de temporários de serem efetivados está em risco. Diante do fraco desempenho do varejo registrado até agora, a CNC reduziu de 12,2% para 4,9% a taxa de efetivação para 2022.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Cadastre-se na IMpulso e receba semanalmente um resumo das notícias que mexem com o seu bolso — de um jeito fácil de entender:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.
Compartilhe