Resposta ao risco de racionamento

União Europeia divulga plano para reduzir consumo de gás em 15% até março de 2023

A proposta é uma resposta ao crescente risco de racionamento energético na região, em meio à redução do fornecimento da Rússia.

Por  Estadão Conteúdo -

A Comissão Europeia divulgou, nesta quarta-feira, um plano que busca reduzir o consumo de gás em 15% na União Europeia até março do ano que vem. A proposta é uma resposta ao crescente risco de racionamento energético na região, em meio à redução do fornecimento da Rússia.

Se aprovada, a meta seria voluntária, mas a regulação incluiria um dispositivo que pode tornar as ações compulsórias, caso haja um severo corte no abastecimento.

A previsão é de que o programa fique em vigor entre 1º de agosto de 2022 e 31 de março de 2023. Segundo a presidente da Comissão, Ursula Von der Leyen, o objetivo seria economizar 45 bilhões de metros cúbicos (bcm) de gás.

As preocupações sobre o quadro energético aumentaram este mês depois que a Gazprom, da Rússia, interrompeu as atividades no gasoduto Nord Stream 1. O funcionamento deve ser retomado nesta quinta-feira, 21, mas o presidente russo, Vladimir Putin, advertiu que o fornecimento poderá ser reduzido ainda mais, diante das sanções ocidentais contra o país por conta da guerra na Ucrânia.

Retaliação

Presidente da Comissão, Ursula von der Leyen disse que a Rússia reduziu sua oferta de gás para a UE de forma intencional, em retaliação às sanções impostas pelo bloco a Moscou pela guerra na Ucrânia. “A Rússia está nos chantageando, ao usar a energia como uma arma”, afirmou.

Von der Leyen disse também que a redução no fornecimento de gás atingiu 12 países da UE e que um corte total da oferta de gás russo e um “cenário provável”.

Queda no PIB

A Comissária da União Europeia para energia, Kadri Simson, afirmou, nesta quarta-feira, que um eventual corte total do fornecimento de gás da Rússia reduziria o Produto Interno Bruto (PIB) da União Europeia em até 1,5%.

Em coletiva de imprensa na qual revelou proposta de corte de 15% no consumo de gás no bloco, Simson alertou que, se as metas de redução não forem ambiciosas, as reservas da commodity cairão a níveis baixos. “Seria impossível aumentá-las antes da temporada de frio”, explicou.

Na mesma coletiva, a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, disse que 12 países do bloco já foram atingidos por uma redução do abastecimento de gás russo.

Procurando uma boa oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje.

Compartilhe