EUA

Trump indica juíza ultraconservadora para Suprema Corte e democratas criticam

Ao anunciar o nome, o republicano voltou a pressionar o Senado a confirmar sua indicação antes das eleições de 3 de novembro

Donald Trump
Donald Trump (Foto de: John Minchillo-Pool/Getty Images)
Aprenda a investir na bolsa

ROMA, 27 SET (ANSA) – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, cumpriu sua promessa e indicou uma juíza ultraconservadora para compor a Suprema Corte do país após a morte de Ruth Baden Ginsburg. A escolhida, anunciada na noite do sábado (26), foi Amy Corney Barrett, 48 anos.

Ao anunciar o nome, o republicano voltou a pressionar o Senado a confirmar sua indicação antes das eleições de 3 de novembro, o que é duramente questionado pelos democratas. Se aprovada, a Suprema Corte teria 6 dos 9 magistrados conservadores, em um desiquilíbrio de forças não visto há anos.

“Eu sei que você fará nosso país muito orgulhoso”, disse ainda Trump ao fazer o anúncio. Por sua vez, Barrett afirmou que “caso me escolham, eu prometo fazer o meu melhor”.

Aprenda a investir na bolsa

Ultraconservadora, católica e mãe de sete filhos, a escolhida pode assumir o posto de Ginsburg, que era de perfil liberal e considerada uma dos maiores nomes da luta feminista nas últimas décadas no país.

Após sua morte devido a um câncer, a família divulgou uma carta em que a juíza pedia que a escolha de seu sucessor não fosse feita antes das eleições deste ano – como ocorreu em 2016, no fim do mandato de Barack Obama.

Uma pesquisa do Washington Post/ABC mostrou também que a maior parte dos norte-americanos não deseja uma mudança ainda em 2020, sendo que 57% se opõe à escolha do novo juiz.

Porém, segundo fontes do Senado, que tem maioria republicana, as audiências perante à Comissão de escolha devem começar em 12 de outubro e durar quatro dias.

Democratas criticam

Após o anúncio de Trump, os candidatos democratas à Presidência e a Vice-Presidência, Joe Biden e Kamala Harris, criticaram o republicano por fazer o anúncio a menos de dois dias do enterro de Ginsburg.

“O Senado não deve votar até que os norte-americanos votem. Não deve agir até que os norte-americanos escolham seu novo presidente e o seu próximo Congresso”, escreveu Biden em seu Twitter.

PUBLICIDADE

Já Harris afirmou que a escolha feita por Trump quer “destruir” a reforma de saúde feita por Obama, que ficou conhecida como “Obamacare”, e as regras para permitir o aborto legalizado.

“Essa escolha levará a Corte para a direita por uma geração e atingirá milhões de norte-americanos”, pontuou.

As reclamações dos democratas vêm, principalmente, porque havia um entendimento bipartidário que, em caso de morte de um juiz durante o último ano de mandato de um presidente, a escolha deveria recair sobre a próxima administração. No entanto, agora que a situação acaba “beneficiando” os republicanos, líderes do partido mudaram de posição. (ANSA).

Newsletter InfoMoney
Informações, análises e recomendações que valem dinheiro, todos os dias no seu email:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.