Terremoto mata mais de mil pessoas no Marrocos

Terremoto matou cerca de 1,2 mil pessoas nos arredores de Marrakech

Reuters

Terremoto no Marrocos deixou centenas de mortos e feridos (REUTERS/Abdelhak Balhaki)

Publicidade

Equipes de resgate escavaram escombros em busca de sobreviventes em casas desmoronadas em vilarejos remotos nas montanhas do Marrocos neste sábado, após o terremoto mais mortal do país em mais de seis décadas que matou mais de 1.000 pessoas.

O terremoto que atingiu as montanhas do Alto Atlas, no Marrocos, na noite de sexta-feira (8), danificou edifícios históricos em Marrakech — a cidade mais próxima do epicentro –, enquanto a maioria das mortes foi registrada em áreas montanhosas ao sul.

O Ministério do Interior informou que 1.037 pessoas foram mortas e outras 672 ficaram feridas pelo terremoto, medido pelo Serviço Geológico dos EUA em uma magnitude de 6,8, com epicentro a cerca de 72 quilômetros a sudoeste de Marrakech.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

No vilarejo de Amizmiz, próximo ao epicentro, equipes de resgate retiraram os escombros com as próprias mãos. Alvenaria caída encheu as ruas estreitas. Do lado de fora de um hospital, cerca de 10 corpos jaziam cobertos por cobertores, enquanto parentes em luto estavam por perto.

“Quando senti a terra tremer sob meus pés e a casa se inclinar, corri para tirar meus filhos de lá. Mas meus vizinhos não conseguiram”, disse Mohamed Azaw. “Infelizmente, ninguém foi encontrado vivo naquela família. O pai e o filho foram encontrados mortos e eles ainda estão procurando a mãe e a filha.”

O terremoto, que ocorreu por volta das 23h (horário local), afetou uma parte da cadeia de montanhas do Alto Atlas. Os tremores foram sentidos em locais tão distantes quanto Huelva e Jaen, na Andaluzia, no sul da Espanha.

Continua depois da publicidade

Imagens de câmeras de rua em Marrakech mostraram o momento em que a terra começou a tremer, quando homens de repente olharam em volta e pularam, e outros correram para se abrigar em um beco e depois fugiram enquanto poeira e detritos caíam ao redor deles.

Em Marrakech, onde 13 pessoas foram confirmadas como mortas, os moradores passaram a noite ao relento, com medo de voltar para casa.

No coração da cidade antiga, um Patrimônio Mundial da Unesco, um minarete de mesquita havia caído na Praça Jemaa al-Fna.

Pessoas feridas chegaram a Marrakech vindas das áreas vizinhas em busca de tratamento.

Imagens da televisão estatal da área de Moulay Ibrahim, cerca de 40 quilômetros ao sul de Marrakech, mostraram dezenas de casas desmoronadas no sopé de uma montanha e moradores cavando sepulturas enquanto grupos de mulheres permaneciam na rua.

Montasir Itri, um morador do vilarejo de Asni, próximo ao epicentro, disse que a maioria das casas foi danificada.

“Nossos vizinhos estão sob os escombros e as pessoas estão trabalhando duro para resgatá-los usando os meios disponíveis no vilarejo”, disse ele.

Em Marrakech, onde os escombros caíram nas ruas, os moradores descreveram cenas desesperadoras enquanto as pessoas fugiam em busca de segurança.

“Ainda não consigo dormir em casa por causa do choque e também porque a cidade velha é composta de casas antigas”, disse Jaouhari Mohamed, um morador da cidade velha.

A televisão estatal marroquina transmitiu imagens de tropas sendo mobilizadas.

O terremoto foi registrado a uma profundidade de 18,5 quilômetros, normalmente mais destrutivo do que terremotos mais profundos da mesma magnitude. Foi o terremoto mais mortal do Marrocos desde 1960, quando se estima que um terremoto tenha matado pelo menos 12.000 pessoas, de acordo com o Serviço Geológico dos EUA.

A Turquia, onde fortes terremotos em fevereiro mataram mais de 50.000 pessoas, disse que estava pronta para dar apoio.

A Argélia, que rompeu relações com o Marrocos em 2021 por causa do status político do Saara Ocidental, disse que abriria o espaço aéreo para voos humanitários e médicos.

“Os terremotos superficiais são normalmente mais destrutivos”, disse Mohammad Kashani, professor associado de engenharia estrutural e de terremotos da Universidade de Southampton.

Governos de todo o mundo expressaram solidariedade e ofereceram assistência.

Marrakech deverá sediar as reuniões anuais do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial no início de outubro.