Novo aumento de 1 ponto a caminho

Taxa Selic sobe conforme o esperado, mas indicação de aumento para patamar acima do “neutro” surpreende mercado

Taxa básica de juros foi elevada nesta quarta-feira (04) de 4,25% para 5,25% ao ano; ritmo de aumento deve continuar na próxima reunião do Copom

SÃO PAULO – Conforme amplamente esperado pelo mercado, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) elevou a taxa Selic nesta quarta-feira (4) em 1 ponto percentual, para 5,25% ao ano.

Mais do que a decisão desta noite, contudo, o que chamou a atenção dos investidores foram as sinalizações passadas pela autoridade monetária para os rumos da taxa básica de juros nos próximos meses.

Em seu comunicado dessa decisão, o Copom ressaltou que elevar a Selic em 1 ponto reflete “seu cenário básico e um balanço de riscos de variância maior do que a usual para a inflação prospectiva e é compatível com a convergência da inflação para as metas no horizonte relevante, que inclui o ano-calendário de 2022 e, em grau menor, o de 2023”.

A decisão de acelerar o ciclo de normalização foi vista pelo Goldman Sachs como a melhor estratégia para lidar com uma “clara deterioração das perspectivas para a inflação”, em particular dos componentes inerciais da inflação, que, em meio à reabertura em curso dos setores de serviços, pode levar a uma maior deterioração das expectativas de inflação.

O banco americano prevê nova alta de 1 ponto na próxima reunião do Copom, com uma subida “relativamente rápida” para 7% até o fim de 2021 e até 7,5%, no primeiro semestre de 2022.

Durante participação em live do InfoMoney, Fábio Akira, economista-chefe da BlueLine Asset Management, e Marco Mecchi, head de estratégia macro da MZK Investimentos, recém-adquirida pela AZ Quest, destacaram a novidade do comunicado em que o Copom informa a intenção de levar a taxa Selic para um nível acima do considerado neutro.

“Neste momento, o cenário básico e o balanço de riscos do Copom indicam ser apropriado um ciclo de elevação da taxa de juros para patamar acima do neutro”, diz o comunicado do BC.

Quando está abaixo do ponto neutro, a intenção da autoridade monetária com a taxa Selic é gerar um estímulo para o aquecimento da economia, e, quando está acima desse ponto, o objetivo é reduzir o ritmo de expansão.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mecchi afirmou ver com bons olhos o tom mais hawkish (pró-aperto monetário) adotado pela autoridade monetária. “[O BC] precisava surpreender o mercado de maneira um pouco mais dura”, disse o gestor da MZK, fazendo menção à pressão inflacionária persistente e aos níveis elevados do câmbio.

A MZK projeta a Selic em 7% até o fim do ano, 0,5 ponto percentual acima do ponto visto como neutro, considerando uma inflação de 3,5% em 2022.

Na BlueLine, a projeção aponta para a taxa de juros em 7,5% até dezembro, com mais uma alta de 1 ponto na próxima reunião do Copom, seguida por aumentos de 0,75 p.p. e 0,5 p.p.

Após a decisão desta quarta, a XP elevou de 6,75% para 7,25% sua projeção para a taxa Selic ao fim do atual ciclo de aperto monetário, mas não descarta um aumento ainda maior. “Se as perspectivas para o risco fiscal se deteriorarem, a taxa Selic terminal pode precisar ser elevada para um nível acima da nossa projeção”, apontou, em nota.

Impacto nos investimentos

Na visão de Akira, o aumento dos rendimentos na renda fixa na esteira de uma Selic mais alta pode gerar maior volatilidade para as ações da Bolsa. Isso porque, ao indicar que vai levar a taxa básica de juros para acima do ponto neutro, comparou o economista, é como se a autoridade monetária tirasse o pé do acelerador e passasse a pisar no freio, com um possível impacto negativo para o cenário de crescimento esperado para a economia e, consequentemente, para as ações.

De toda forma, Akira destacou também que há setores no mercado de renda variável menos expostos à influência da política monetária do Brasil, como o de commodities metálicas, mais relacionado à retomada da atividade em escala global.

Leia mais:
Com taxa Selic elevada para 5,25% e expectativa de novos aumentos, quais as melhores alternativas para investir hoje?

Os especialistas disseram ainda esperar por uma valorização do real com a nova elevação da taxa Selic, que aumenta o diferencial de juros do Brasil em relação a outros países.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na MZK, Mecchi disse que a aposta comprada na moeda brasileira frente ao dólar e a pares emergentes é a maior convicção hoje no portfólio dos multimercados.

No caso da BlueLine, o economista-chefe afirmou que os fundos também têm carregado posições que ganham com o fortalecimento da divisa local, mas de maneira mais tática, frente aos riscos fiscais e políticos no horizonte.

Mecchi destacou ainda as oportunidades que enxerga em títulos públicos indexados à inflação (Tesouro IPCA), de modo a se proteger da alta dos preços e ainda se beneficiar de taxas de juros reais próximas de 4% ao ano.

“Com a alta da Selic, a renda fixa pode voltar para o jogo sim, se o investidor optar por mudar a maneira de investir e buscar títulos prefixados para um prazo de até 12 meses, conseguindo uma rentabilidade de mais de 7%”, afirmou Jansen Costa, sócio do escritório Fatorial Investimentos, em nota.

Costa destacou ainda que, mesmo com a alta da Selic, a poupança continua com rentabilidade baixa, já que a remuneração é de 70% da taxa básica de juros, o que daria 3,68% ao ano. “A poupança segue sendo pouco atrativa, apesar da isenção de imposto, até porque o IPCA nos últimos 12 meses ficou na casa dos 8%”, apontou o sócio do Fatorial.

Para ficar com dinheiro na renda fixa e fugir da inflação, diz Costa, vale procurar títulos que compõem na rentabilidade o IPCA, para garantir uma proteção do patrimônio. “Ativos reais como imóveis, ações ou ativos de renda fixa atrelados ao IPCA garantem mais proteção da inflação do que os prefixados”, sugeriu Costa.

Calcule sua renda com FIIs
Baixe uma planilha gratuita que mostra o retorno com dividendos de uma carteira de fundos imobiliários:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.