SP mantém volta às aulas presenciais no Ensino Médio em outubro; fundamental deve voltar em novembro

“A volta às aulas está condicionada à autorização dos prefeitos de cada um dos 645 municípios do estado”, ressaltou o governador

Equipe InfoMoney

Sala de aula (Shutterstock)

Publicidade

SÃO PAULO – O governo de São Paulo manteve o retorno das aulas presenciais para os alunos do Ensino Médio e da Educação de Jovens e Adultos (EJA) e nos Centros de Educação de Jovens e Adultos (CEEJA) da rede estadual de ensino para o dia 7 de outubro. Já para os alunos do Ensino Fundamental, a data prevista de volta às aulas foi alterada para o dia 3 de novembro.

O retorno das atividades complementares de reforço nas escolas municipais, estaduais e privadas, assim como a retomada das aulas presenciais, dependem de autorização das prefeituras.

“A volta às aulas tanto na rede estadual quanto nas redes municipais e particulares está condicionada à autorização dos prefeitos de cada um dos 645 municípios do estado de São Paulo”, disse o governador João Doria (PSDB).

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Segundo Doria, o início do retorno das atividades escolares pelos estudantes matriculados nas séries finais e do EJA ocorre antes porque essas etapas são as mais afetadas pela evasão escolar, que prejudica estudantes mais pobres.

As atividades extracurriculares, de reforço e acompanhamento pedagógico, autorizadas desde o dia 8 de setembro pelo governo estadual em municípios que estão há 28 dias na fase amarela do Plano São Paulo, poderão ter continuidade desde que as prefeituras também autorizem o desenvolvimento das ações nas unidades escolares.

A reabertura das escolas deve seguir os protocolos estabelecidos de 35% da capacidade de alunos por dia em atividades presenciais nas redes privadas e municipais para estudantes dos anos iniciais e do Ensino Fundamental.

Continua depois da publicidade

Para os estudantes dos últimos anos do Ensino Fundamental e o Médio, o limite máximo é de 20%. Na rede estadual de ensino, só permitido a capacidade de 20% em todas as etapas. Estudantes e profissionais com doenças crônicas ou fatores de risco devem permanecer em casa, cumprindo atividades remotas.

Durante entrevista coletiva realizada no Palácio dos Bandeirantes nesta sexta-feira (18), Doria também anunciou a liberação de mais R$ 50 milhões para manutenção dos prédios escolares e que as mais de 5 mil escolas da rede estadual de ensino deverão apresentar planos de retomada das aulas à Secretaria da Educação.

A presença dos alunos nas atividades extracurriculares é opcional e, quando houver interesse por parte de um número maior de estudantes do que o permitido, devem ser priorizados os alunos que não tenham acesso a computador ou à internet; aqueles que estejam com maiores dificuldades de aprender; além dos que apresentem distúrbios emocionais.

No retorno as aulas, o governo irá distribuir 12 milhões de máscaras de tecido; 300 protetores faciais de acrílico; cerca de 10 mil termômetros a laser; 10 mil totens de álcool em gel; 112 mil litros de álcool em gel, além da contratação de 1000 psicólogos para auxiliar no atendimento psicológico de estudantes, servidores e professores da rede estadual.

Nesta quinta-feira (17), a prefeitura da cidade de São Paulo autorizou a retomada das aulas presenciais do ensino superior público e privado a partir do dia 7 de outubro. Para os demais estudantes, as aulas presenciais ainda seguem sem data de retorno definida.