Prefeitura de SP libera retomada das aulas presenciais no ensino superior a partir de 7 de outubro

Bruno Covas também anunciou que atividades extracurriculares para alunos de até 17 anos estarão liberadas a partir de 7 de outubro

Giovanna Sutto

Publicidade

SÃO PAULO – A Prefeitura de São Paulo liberou a retomada das aulas presenciais do ensino superior público e privado a partir do dia 7 de outubro, segundo o anúncio feito pelo prefeito Bruno Covas nesta quinta-feira (17). No ensino infantil, fundamental e médio as aulas presenciais seguem suspensas e foram liberadas apenas as atividades extracurriculares na mesma data.

A medida de liberação no ensino superior foi baseada na quinta fase do inquérito epidemiológico feito entre adultos no município. Considerando o contexto e a sequência de semanas com redução na quantidade de infecções e óbitos na cidade, Covas explicou que não “faz mais sentido” deixar o ensino superior paralisado.

Segundo a pesquisa, há a prevalência de anticorpos contra a Covid-19 em 13,9% da população adulta testada na cidade, ou cerca de 1,64 milhão de pessoas. Para o estudo foram testados 5.760 adultos (maiores de 18 anos) entre 8 e 27 de agosto por meio de exame de sangue.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O número representa um aumento de 26,3% na comparação com a quarta fase do inquérito, realizada entre 7 e 17 de agosto. O índice geral de adesão às medidas de distanciamento social na cidade está em 79,3%, afirma a prefeitura.

“O inquérito de adultos melhorou e várias atividades já retomaram suas atividades aqui na cidade. Temos um protocolo feito pelo governo do estado de São Paulo para a retomada dessas aulas do ensino superior — respeitando, é claro a autonomia universitária, o entendimento de cada universidade, a proporção e a quantidade de alunos, o distanciamento social. Mas não tem mais sentido, com os dados que nós temos, continuar a proibir o ensino superior na cidade de São Paulo”, disse Covas.

Além disso, outro avanço, segundo o inquérito da prefeitura, foi o aumento do uso de máscaras em locais públicos entre a população adulta. Houve um salto de 53% entre as pessoas que pertencem ao grupo com índice de desenvolvimento humano (IDH) alto. Entre os cidadãos pertencentes ao grupo de IDH baixo o aumento foi de 36% – ambas na comparação com a fase anterior do estudo.

Continua depois da publicidade

O prefeito ressaltou que a prefeitura vem sofrendo pressão de vários setores para se posicionar em relação à retomada das atividades. “Estamos sofrendo pressão de todos os lados, mas seguir o que é recomendado pela área da saúde nos dá a tranquilidade de que estamos no caminho certo, mesmo sabendo que nem sempre solucionamos todos os problemas deste ou daquele grupo”, finalizou.

Covas explicou que a prefeitura vai revisitar os dados e segue fazendo análises sobre a situação para entender se, a partir de 3 de novembro, manterá a mesma linha anunciada nesta quinta, focada na liberação das atividades da população adulta, ou se, a flexibilização no setor educacional será ampliada também para as crianças de até 17 anos.

Ensino infantil, fundamental e médio

As aulas presenciais para os alunos entre zero e 17 anos (ensino infantil, fundamental e médio) seguem suspensas. Para esse público, as escolas estarão liberadas, também a partir de 7 de outubro, a retomarem apenas as atividades extracurriculares (que são opcionais) e com até 35% da sua capacidade.

“Estamos avaliando tudo com muita cautela para não retrocedermos o avanço que estamos tendo na cidade. Estamos flexibilizando sem dar passos para trás”, disse Covas.

A prefeitura justificou a cautela com a população infantil devido ao fato de 66% das crianças serem assintomáticas em relação ao vírus, segundo os dados da prefeitura.

Aparecido explicou que o número alto de crianças assintomáticas foi puxado, principalmente, pelos estudantes da rede privada de ensino (70,3%). “Vale destacar que esse é o estrato que mais apresenta convivência em domicílios com moradores maiores de 60 anos (31,1%) e também é o grupo que apresenta a menor prevalência de anticorpos. Essa condição [de retomar as aulas] seguramente levaria a uma maior contaminação dessas crianças com impacto em seus familiares”, disse.

Covas ressaltou que a preocupação com a volta às aulas das crianças é grande. “São 2,5 milhões de alunos e a proporção de assintomáticos é bem maior [nesse público] do que nos adultos (40%). Por isso, há um receio de um segundo pico da doença, se a retomada não for responsável”, disse Covas.

O inquérito infantil, que está na fase três, mostra a prevalência de anticorpos contra a Covid-19 em 18,4% da população entre zero e 17 anos. O resultado apresenta estabilidade na comparação com a última análise feita anteriormente, quando o dado estava em 18,3%. A estimativa é de 224,3 mil crianças já tenham anticorpos para a Covid-19.

Para o estudo foram testados seis mil alunos de escolas das redes municipal, estadual e privada e a coleta de dados foi feita entre 1 e 3 de setembro.

Segmentando os dados, é possível observar que a prevalência de anticorpos em crianças na rede municipal (18,4%) e estadual (17,2%) é muito maior do que na rede privada (9,7%). “A diferença é muito grande entre os alunos da rede privada e pública. Os alunos da rede privada são muito mais suscetíveis a contraírem o vírus”, disse Edson Aparecido, secretário municipal de saúde.

Plano de retomada das aulas

Bruno Caetano, secretário municipal de Educação, explicou que a retomada das aulas presenciais para ensino infantil, fundamental e médio ainda não tem data definida, mas o retorno deverá priorizar alunos dos anos finais.

“Iniciaremos, quando pudermos retornar presencialmente, pelo terceiro ano Ensino Fundamental, pelo sexto ano do Ensino Fundamental, pelo nono ano do Ensino Fundamental e pelo terceiro ano do Ensino Médio. Há uma razão pedagógica para isso. No ano seguinte, esses alunos estarão mudando de ciclo, tornando a recuperação das aprendizagens mais difíceis”, disse Caetano.

Segundo ele, ainda é cedo para considerar suspender as férias de verão para recuperar o conteúdo deste ano e há a previsão de os alunos fazerem uma prova após a reabertura das escolas para mapear os impactos.

“Ainda não dá para falar disso, é prematuro, qualquer questão levantada agora seria não embasada tecnicamente, mas nós vamos, sim, lançar mão de todas as estratégias possíveis para dar tranquilidade aos pais, estudantes e professores de que nós recuperaremos toda a aprendizagem”, afirmou o secretário.

Giovanna Sutto

Repórter de Finanças do InfoMoney. Escreve matérias finanças pessoais, meios de pagamentos, carreira e economia. Formada pela Cásper Líbero com pós-graduação pelo Ibmec.