S&P eleva rating do Brasil de BB- para BB após aprovação da reforma tributária; perspectiva é estável

Em junho deste ano, a agência havia alterado a perspectiva de rating do Brasil de estável para positiva, o que não acontecia desde 2019

Equipe InfoMoney

Bandeira do Brasil (Getty Images)

Publicidade

A agência de classificação de risco S&P elevou o rating (nota de crédito) de longo prazo do Brasil de BB- para BB, com perspectiva estável.

O movimento ocorre após a aprovação da reforma tributária, com a agência destacando que a medida estende o histórico de implementação de “políticas pragmáticas” no país nos últimos sete anos. As demais reformas desde 2016 incluem a da Previdência, a autonomia do Banco Central, estabelecimento de regras fiscais e também uma série de reformas microeconômicas em todos os setores.

Para os analistas da agência de rating, ainda que implementada gradualmente, a reforma deve se traduzir em ganhos de produtividade no longo prazo.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Em junho deste ano, a agência havia alterado a perspectiva de rating do Brasil (até então em BB-) de estável para positiva, o que não acontecia desde 2019.

A última vez em que a S&P havia elevado a nota da dívida brasileira tinha sido em 2011, quando o Brasil passou da nota BBB- (grau de investimento, garantia de que o país não dará calote na dívida pública) para BBB (um nível acima do grau de investimento). Desde então, o país tinha sofrido sucessivos rebaixamentos, tendo perdido o grau de investimento em setembro de 2015.

A nota brasileira segue em território especulativo, dois degraus abaixo do chamado grau de investimento.

Continua depois da publicidade

A S&P aponta que a perspectiva estável reflete a expectativa de que o Brasil manterá uma posição externa forte, graças à forte produção de commodities e às necessidades limitadas de financiamento externo.

“Acreditamos também que a estrutura institucional do Brasil pode sustentar a formulação de políticas estáveis e pragmáticas, com base em amplos freios e contrapesos nos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário do governo. Esperamos uma correção fiscal muito gradual, mas antecipamos que os déficits fiscais permanecerão elevados”, avaliam.

Para a S&P, o quadro institucional, caracterizado por interesses políticos e econômicos fragmentados, continuará a abordagem o problema da rigidez fiscal de forma lenta.

“O componente que falta tem sido a falta de progresso para lidar com os gastos grandes, rígidos e ineficientes do governo brasileiro. Ao longo do tempo, isto resultou em déficits fiscais consistentes, espremendo recursos do setor financeiro e explicando parcialmente o fraco crescimento do Brasil. A grande dimensão do aparelho governamental deve-se parcialmente a uma constituição muito detalhada”, derivada de interesses políticos e económicos fragmentados e que exige grandes somas de capital político para ser corrigida”, avalia.

Além disso, a agência ressalta que a trajetória de crescimento do Brasil melhorou nos últimos anos, mas continua mais fraca do que a dos pares dos mercados emergentes.

A S&P espera que a economia brasileira cresça quase 3% em 2023. Isto deve-se ao forte desempenho agrícola e às suas repercussões significativas ao longo do primeiro semestre do ano, juntamente com um mercado de trabalho robusto e uma recuperação dos salários reais que mantiveram a resiliência do consumo interno.

Dito isto, a economia brasileira desacelerou durante o segundo semestre de 2023. Além disso, dada a expectativa de desaceleração do crescimento econômico global – e, com ela, da demanda externa – a S&P estima que o PIB do Brasil desacelere para 1,5% em 2024.

Nota do Tesouro

Em nota, o Tesouro Nacional informou que a elevação da nota brasileira confirma os esforços do governo federal para reequilibrar as contas públicas e fazer as reformas necessárias para a economia. Segundo o órgão, a melhoria na classificação do país resultará em queda dos juros e aumento do emprego no médio prazo.

“O Ministério da Fazenda reitera seu compromisso com a agenda de reformas em curso, que contribuirá não apenas para o melhor balanço fiscal do governo, mas também levará à redução das taxas de juros e à melhoria das condições de crédito, ao mesmo tempo em que assegurará a estabilidade dos preços. Desta forma, serão criadas as condições para a ampliação dos investimentos públicos e privados e a geração de empregos, aumento da renda e maior eficiência econômica, elementos essenciais para o desenvolvimento econômico e social do país”, destacou o comunicado.

(com Reuters e Agência Brasil)