Imunização

São Paulo exigirá passaporte de vacina em eventos com mais de 500 pessoas a partir de 4ª

Não haverá a exigência para eventos com menos de 500 pessoas e outros estabelecimentos, mas sim uma "recomendação" das autoridades

(Pixabay)

SÃO PAULO – Eventos com mais de 500 pessoas na cidade de São Paulo terão de exigir a comprovação de vacinação com ao menos uma dose de um imunizante contra a Covid-19 para todas as pessoas na entrada desses locais a partir de quarta-feira, informou a prefeitura da capital paulista no domingo.

A comprovação poderá ser feita por um “passaporte de vacina” obtido por meio do aplicativo e-Saúde SP, da prefeitura, informou a gestão municipal. Não haverá a exigência para eventos com menos de 500 pessoas e outros estabelecimentos, mas sim uma “recomendação” das autoridades municipais para que esses locais também exijam a comprovação da vacinação.

“Se você tem um evento que reúna mais de 500 pessoas, é mais do que justo e natural que, em benefício da coletividade, a prefeitura passe a exigir o comprovante da vacina”, disse o prefeito Ricardo Nunes (MDB), segundo nota divulgada pela Secretaria de Saúde do município.

Os eventos com mais de 500 pessoas que não adotarem o procedimento estarão sujeitos a penalidades, afirma a nota.

Na semana passada, Nunes chegou a anunciar que o passaporte de vacina seria exigido para todos os estabelecimentos, incluindo restaurantes, bares e shoppings. Após a crítica de associações que representam esses setores, no entanto, a prefeitura recuou e disse que as normas do passaporte de vacina ainda seriam definidas pela Vigilância Sanitária do município.

Segundo o secretário de Saúde da capital, Edson Aparecido, há um “pedido” da prefeitura para que todos os estabelecimentos adotem a exigência da comprovação de vacinação.

“Estamos pedindo para que todos os outros estabelecimentos, de uma forma educativa, façam a exigência”, afirmou, segundo a nota.

Também na semana passada, a prefeitura do Rio de Janeiro anunciou que adotará a exigência da comprovação de vacinação para entrada em locais de uso coletivo a partir de setembro.

O chamado passaporte de vacina está sendo adotado também em outros países, como a França, como medida para estimular pessoas que optarem por não receber um imunizante contra a Covid-19 a fazê-lo.

PUBLICIDADE

Entretanto, a exigência de um passaporte de vacina foi criticada na sexta pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que afirmou que a medida restringirá a liberdade das pessoas.

Para entender como operar na bolsa através da análise técnica, inscreva-se no curso gratuito A Hora da Ação, com André Moraes.