Tensão geopolítica

Rússia tem forças suficientes e pode invadir Ucrânia “a qualquer momento”, afirmam EUA

Ucrânia exigiu informações da Rússia sobre atividades militares

Por  Equipe InfoMoney -

A Rússia agora tem forças suficientes para realizar uma grande operação militar contra a Ucrânia e um ataque destinado a tomar grande parte do país pode começar “a qualquer momento”, disse o assessor de segurança nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, nesta sexta-feira.

Falando em um briefing da Casa Branca sem listar evidências específicas, Sullivan disse que qualquer norte-americano que ainda esteja na Ucrânia deve partir nas próximas 24 a 48 horas. Ele disse que uma invasão russa poderia começar com um ataque aéreo que dificultaria as partidas.

Sullivan disse que a inteligência dos EUA acredita que o presidente russo, Vladimir Putin, pode ordenar uma invasão antes do final dos Jogos Olímpicos de Inverno em Pequim, em 20 de fevereiro, e que um ataque rápido à capital da Ucrânia, Kiev, é uma possibilidade.

Sullivan falou depois que o presidente norte-americano, Joe Biden, realizou uma videoconferência segura com líderes transatlânticos e buscou a união dos aliados diante do agravamento da situação.

Ainda não está claro, disse Sullivan, se Putin deu definitivamente uma ordem para iniciar uma invasão. Ele disse que espera que Biden busque realizar um telefonema com Putin em breve sobre a crise.

“Não vimos nada chegar até nós que diga que uma decisão final foi tomada, que a ordem foi dada”, disse ele.

Mas com 100.000 soldados concentrados na fronteira da Ucrânia, Sullivan disse que uma invasão russa pode envolver a captura de grandes partes da Ucrânia, bem como de grandes cidades, incluindo Kiev.

Ucrânia exige informações

A Ucrânia apelou nesta sexta-feira (11) ao Documento de Viena sobre Redução de Riscos e exigiu que a Rússia forneça explicações detalhadas sobre suas atividades militares perto da fronteira ucraniana.

“Ativamos oficialmente o mecanismo de redução de risco de acordo com o parágrafo três do documento de Viena e solicitamos à Rússia que forneça explicações detalhadas sobre as atividades militares nas áreas adjacentes ao território da Ucrânia e na Crimeia temporariamente ocupado”, escreveu o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, no Twitter.

O Documento de Viena de 2011 sobre Medidas de Construção de Confiança e Segurança é vinculativo e aplicável a todos os membros da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE). De acordo com o chanceler da Ucrânia, conforme o tratado, a Rússia precisa “informar sobre as áreas exatas de sua atividade militar, anunciar as datas do fim das manobras”, além de outros dados como a quantidade de militares e o tipo de armamento utilizado.

“A Rússia tem 48 horas para responder ou, caso contrário, a Ucrânia recorrerá a Moscou, bem como aos outros Estados participantes do Documento de Viena, para convocar uma reunião extraordinária onde a Rússia terá que fornecer explicações”. As tensões entre Kiev e Moscou aumentaram desde novembro passado, depois que a Rússia mobilizou mais de 100 mil soldados perto da fronteira ucraniana, o que deixou a Ucrânia e o Ocidente em alerta.

Países ocidentais prometeram “sanções drásticas” se a Rússia invadir a Ucrânia, segundo o governo alemão após a cúpula de líderes. A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, por sua vez, afirmou que a UE avaliou o “significativo esforço diplomático para persuadir a Rússia a desescalar” e “sublinharam o apoio resoluto à Ucrânia”.

“A cooperação detalhada para a finalização do pacote de sanções em caso de nova agressão por parte da Rússia foi analisada e von der Leyen explicou que as medidas poderiam dizer respeito aos setores financeiro e energético, bem como exportações de produtos de alta tecnologia”, diz a nota oficial.

(com Ansa Brasil e Reuters)

Como um trader ganha dinheiro, controla perdas, equilibra o emocional e multiplica capital? Assista na Imersão Trader Estratégico, treinamento gratuito do analista Charlles Nader.

Compartilhe