Revés da desinflação global e China são riscos negativos a ratings de emergentes, diz Fitch

A agência avalia como neutra a perspectiva para quatro das cinco regiões geográficas dos mercados emergentes

Estadão Conteúdo

(Getty Images)

Publicidade

Um cenário de revés na trajetória de desinflação global poderá levar a taxas de juro “mais altas durante mais tempo” e à volatilidade dos mercados financeiros, o que traria um risco negativo para a perspectiva da classificação soberana dos mercados emergentes ao longo de 2024, segundo relatório da agência de classificação de risco Fitch divulgado nesta quinta-feira, 18.

Outro risco relevante para os emergentes pode vir da incapacidade de estabilização do mercado imobiliário chinês, o que poderá motivar a um abrandamento acentuado do crescimento, com efeitos adversos sobre os parceiros comerciais e os exportadores de matérias-primas, diz a Fitch.

Atualmente, a agência avalia que a perspectiva da classificação soberana dos mercados emergentes está amplamente equilibrada rumo a 2024, com 11 países com perspectivas positivas superando marginalmente 10 nações com perspectivas negativas.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O cenário base da visão da Fitch para o ano contempla um crescimento global moderadamente mais fraco e tensões persistentes nas posições fiscais, equilibradas, com inflação mais baixa e reduções das taxas de juros pela maioria dos bancos centrais.

A agência avalia como neutra a perspectiva para quatro das cinco regiões geográficas dos mercados emergentes. Apenas a perspectiva da região do Oriente Médio e do Norte da África está se deteriorando, parcialmente, em razão dos riscos derivados da guerra entre Israel e o Hamas. Fonte: Dow Jones Newswires.