Relaxamento monetário está mais próximo do que o previsto, diz Mário Centeno, do BCE

Segundo o dirigente, ainda não é possível dizer quando um corte de juros poderá ocorrer, devido à estratégia dependente de dados do banco central

Estadão Conteúdo

Publicidade

O dirigente do Banco Central Europeu (BCE) e presidente do BC de Portugal, Mário Centeno, defendeu que o momento de relaxar a política monetária da zona do euro está mais próximo do que o previsto. “Não precisamos esperar até maio para tomar uma decisão”, afirmou em entrevista à Econostream Media, divulgada nesta terça-feira (9).

Segundo o dirigente, ainda não é possível dizer quando um corte de juros poderá ocorrer, devido à estratégia dependente de dados do banco central.

“Esperamos uma confirmação no próximo trimestre de que a inflação está a caminho de convergir para a meta de 2% no médio prazo. A ausência dessa confirmação traria novas dificuldades tanto para a política monetária quanto para os cidadãos, dificuldades que esperamos evitar”, disse.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Centeno também acredita que a decisão de manter os juros no nível atual é apropriada no momento, enquanto o BCE aguarda novos sinais da economia.

Contudo, ele critica argumentos de que a trajetória dos salários na zona do euro pode representar um risco para a inflação. Para ele, não há indicações de uma materialização de uma nova rodada de aumentos fortes nos salários ou de pressão adicional sobre os preços, atribuindo os riscos de eventual alta da inflação aos custos unitários de mão de obra.

Entretanto, apesar de sua visão otimista, o dirigente alerta que o BCE pode voltar a discutir mais aperto monetário se ocorrerem novos choques ou qualquer distúrbio na evolução dos preços, tomando cuidado para não prejudicar demais a economia ou arriscar persistência da inflação elevada.