Desemprego

Relatório de emprego do setor privado dos EUA mostra eliminação de 20,2 milhões de empregos em abril

Em março o dado foi revisado para menos 149 mil postos, nos primeiros impactos da pandemia do novo coronavírus

arrow_forwardMais sobre
Bandeira dos EUA (Crédito: Shutterstock)
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O Relatório de Emprego ADP do setor privado dos Estados Unidos mostrou que em abril foram eliminados 20,2 milhões postos de trabalho.

O resultado foi praticamente em linha com o esperado de acordo com a mediana das expectativas dos economistas compilada no consenso Bloomberg, que apontava para a destruição de 21 milhões vagas.

Foi o pior resultado já registrado no relatório. O recorde anterior foi de 834.665 postos perdidos em fevereiro de 2009, em meio à crise financeira.

Aprenda a investir na bolsa

Em março o dado foi revisado para 149 mil postos destruídos (contra 27 mil anteriormente), nos primeiros impactos da pandemia do novo coronavírus, enquanto em fevereiro houve a criação de 183 mil empregos no setor privado da maior economia do mundo.

“As perdas de empregos dessa escala são sem precedentes”, disse Ahu Yildirmaz, co-diretor do ADP Research Institute, que compila o relatório em conjunto com a Moody’s Analytics. “O número total de perdas de empregos apenas no mês de abril foi mais do que o dobro do total de empregos perdidos durante a Grande Recessão”.

As perdas de empregos foram mais profundas no setor de serviços e hospitalidade, já que bares e restaurantes tiveram que fechar durante a pandemia. No total, o setor registrou 8,6 milhões de licenças, enquanto alguns estabelecimentos tentavam compensar a perda de negócios com serviços de retirada e entrega.

Comércio, transporte e serviços públicos perderam 3,44 milhões de postos, enquanto a construção caiu 2,48 milhões. Outras grandes perdas ocorreram na manufatura (1,67 milhão), na categoria de outros serviços (1,3 milhão) e nos serviços profissionais e empresariais (1,17 milhão).

As únicas áreas que relataram ganhos foram educação, com 28.000, e gestão de empresas e empreendimentos, com 6.000.