Aqui Se Faz, Aqui Se Doa

Quer doar mais que dinheiro? Compartilhe seu tempo, conhecimento e amor

O episódio 37 do podcast Aqui Se Faz, Aqui Se Doa traz um olhar à cultura da doação que vai além de bem material, por meio do voluntariado

arrow_forwardMais sobre

Ao falar em doação, muitos podem logo pensar em entregar roupas usadas, alimento ou uma quantia em dinheiro. Realmente, são ações muito necessárias. Mas as pessoas podem ir além e doar um pouco do tempo, conhecimento, habilidade, amor e alegria a quem precisa.

Por meio do voluntariado, é possível notar o impacto positivo direto do trabalho desempenhado. Receber um sorriso ou ganhar um carinho são retribuições não percebidas ao vivo pelo doador quando a ajuda é feita, por exemplo, via transferência bancária.

Esse olhar ampliado sobre a cultura de doação foi tratado pelo 37° episódio do Aqui Se Faz, Aqui Se Doa, podcast produzido pelo Instituto MOL e pelo Movimento Bem Maior, com o apoio do InfoMoney.

Uma iniciativa que está ajudando a promover a cultura do voluntariado no Brasil é a feita pela plataforma Atados, que de forma gratuita conecta pessoas a oportunidades em causas sociais. É assim: de um lado estão as pessoas com desejo de ajudar. Do outro há instituições que precisam de voluntários. Por meio do Atados, as características são analisadas, e o “match” é dado.

O fundador e diretor-executivo do Atados, o empreendedor social Daniel Morais Assunção, destacou o poder transformador do voluntariado para quem o pratica.

“Na minha visão, voluntariado tem muito a ver com troca. É você realizar uma ação e ter uma experiência. Ter contato com um público diferente, com uma realidade diferente. É aprender coisas novas. É saber que você está impactando uma causa social, mas você está se transformando. E se transformar é um dos objetivos que todo mundo busca nessa vida”, afirmou Daniel em entrevista ao Aqui Se Faz, Aqui Se Doa.

O Atados divulgou que, entre março e junho de 2020, durante o começo da pandemia no país, a plataforma teve mais de 17 mil inscrições para voluntariado. Além disso, foram criadas 505 vagas de voluntariado a distância nas ONGs, um aumento de 271,3% em comparação ao mesmo período de 2019.

“Com o voluntariado online a gente consegue ter voluntários de todo o Brasil atuando em uma ONG, seja onde for. Conseguimos alcançar mais pessoas para a causa e estamos conseguindo, aos poucos, capacitar as ONGs a ter metodologias um pouco mais escaláveis”, declarou o empreendedor social.

PUBLICIDADE

A força transformadora de ajudar quem precisa também foi destacada pelo voluntário Allan Fernandes, que já participou de várias iniciativas, como brincar com crianças em creches e visitar pacientes em hospitais. Ele disse que as pessoas se sentem felizes e orgulhosas pelas ações de solidariedade realizadas.

“O voluntariado proporciona a você se enxergar e falar [consigo mesmo]: ‘Poxa, que legal essa versão sua! Acho que você deveria se abraçar agora e ser carinhoso com você, assim como você é com os outros’”, disse Allan.

O podcast também ouviu a CEO voluntária da Asec (Associação pela Saúde Emocional de Crianças), Juliana Fleury. Sua rotina de trabalho é intensa, mas gratificante.

“O meu aprendizado é altamente recompensador de todas as demandas dessa intensidade de liderança em um país como Brasil, onde o terceiro setor tem a necessidade de ser como uma empresa de ponta, com inovação, com certificações, com qualidade de operação altamente intensa de demandas”, comentou Juliana.

A expectativa é que mais pessoas possam sentir esse poder do voluntariado, citados pela Juliana, Allan e Daniel. Antes da pandemia no Brasil, quase 7 milhões de pessoas acima de 14 anos realizavam algum tipo de trabalho voluntário, segundo informações de 2019 da Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua). Esse número correspondia a cerca de 4% da população do país.

Em uma pesquisa da CAF (Charities Aid Foundation), feita em 2020 e divulgada em 2021, o Brasil apareceu na categoria voluntariado apenas na 68ª posição, em um ranking de 114 países. Apenas 15% dos entrevistados brasileiros responderam que tinham feito um trabalho do gênero no mês anterior.

O Brasil ficou atrás de vizinhos como Argentina (na 61ª posição), Peru (na 56ª), Bolívia (na 50ª) e Venezuela (na 29ª), por exemplo. A Indonésia foi a primeira colocada.