Dados econômicos

Produção industrial cai 1,1% em 2019 e interrompe dois anos seguidos de alta

Em dezembro, a produção industrial nacional registrou baixa de 0,7% frente novembro, com queda acima da esperada de 0,5%

arrow_forwardMais sobre
(Shutterstock)
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A produção industrial brasileira caiu 1,1% em 2019, segundo indicador divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas), interrompendo uma sequência de dois anos de alta em 2017 (2,5%) e 2018 (1%).

Em dezembro, a produção industrial nacional registrou baixa de 0,7% frente novembro, acima da queda esperada de 0,5%, segundo consenso Bloomberg. Em relação a dezembro de 2018, a indústria caiu 1,2%, ante estimativa de queda de 0,8%.

Com esses resultados, o setor industrial recuou tanto no fechamento do quarto trimestre de 2019 (-0,6%), como no acumulado do segundo semestre do ano (-0,9%), contra iguais períodos do ano anterior.

Aprenda a investir na bolsa

Na queda de 0,7% da atividade industrial, na passagem de novembro para dezembro de 2019, três das quatro grandes categorias econômicas e 17 dos 26 ramos pesquisados mostraram redução na produção. Entre as atividades, as influências negativas mais importantes foram registradas por veículos automotores, reboques e carrocerias (-4,7%) e máquinas e equipamentos (-7,0%), com a primeira acumulando recuo de 9,7% em três meses consecutivos de queda na produção; e a segunda intensificando a perda de 2,0% verificada em novembro de 2019.

Outras contribuições negativas relevantes vieram de indústrias extrativas (-1,4%), de produtos farmoquímicos e farmacêuticos (-6,2%), de artefatos de couro, artigos para viagem e calçados (-6,6%), de metalurgia (-1,9%), de produtos de metal (-2,9%), de produtos de borracha e de material plástico (-2,5%), de produtos de minerais não-metálicos (-1,8%) e de máquinas, aparelhos e materiais elétricos (-2,5%).

Entre os nove ramos que ampliaram a produção nesse mês, o desempenho de maior importância para a média global foi registrado por coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (4,2%), que acentuou o ritmo de crescimento observado no mês anterior (1,7%). Os resultados positivos assinalados pelos setores de impressão e reprodução de gravações (39,8%) e de confecção de artigos do vestuário e acessórios (5,3%), com o primeiro impulsionado, em grande parte, por encomendas especiais e mostrando expansão pelo terceiro mês seguido, após recuar 29,3% em setembro de 2019; e o último avançando pelo segundo mês consecutivo e acumulando ganho de 7,3% nesse período.

Entre as grandes categorias econômicas, ainda na comparação com o mês imediatamente anterior, bens de capital, ao recuar 8,8%, mostrou a queda mais acentuada em dezembro de 2019 e manteve o comportamento predominantemente negativo presente desde maio de 2019, acumulando nesse período redução de 12,9%. O resultado de dezembro foi a queda mais intensa desde maio de 2018 (-18,5%).

“Tiveram grande peso nesses resultados negativos os efeitos na indústria extrativa, em decorrência do rompimento da barragem de Brumadinho no início de 2019”, destacou o gerente da pesquisa do Instituto, André Macedo.

Quer investir melhor o seu dinheiro? Clique aqui e abra a sua conta na XP Investimentos

PUBLICIDADE